Figurações da loucura em “Um coração fraco” e “Bobók”, de Dostoiévski

  • Nataly Rafaele Ternero Universidade de São Paulo
  • Eloésio Paulo Universidade Federal de Alfenas
Palavras-chave: Dostoiévski. Loucura e literatura. Histórias curtas.

Resumo

Este artigo pretende analisar representações da loucura nas histórias curtas “Um coração fraco” (1848) e “Bobók” (1873), de Dostoiévski. A insanidade é um fenômeno recorrente na obra do autor, visível tanto em seus romances (note-se O idiota, de 1869, e Os irmãos Karamázov, de 1879), quanto em seus contos e novelas. Dostoiévski aparece como um dos pioneiros no processo de trazer o “louco” para o centro da narrativa. O insano, nas duas histórias recortadas, representa o desajustado e excluído pela sociedade; seus discursos, mesmo que confusos, são dotados de uma lógica própria capaz de compreender de maneira mais acurada do que as pessoas “racionais” certas dinâmicas do mundo.

Biografia do Autor

Nataly Rafaele Ternero , Universidade de São Paulo

Mestranda em Letras Estrangeiras e Tradução pela Universidade de São Paulo. Licenciada em Letras/Português pela Universidade Federal de Alfenas - MG. Áreas de pesquisa: Loucura e literatura em Dostoiévski; crônicas e correspondências de Clarice Lispector; jornalismo feminino brasileiro do século XIX.

Eloésio Paulo, Universidade Federal de Alfenas

Professor Associado IV da Universidade Federal de Alfenas (MG) e por dois mandatos coordenador do curso de Licenciatura em Letras da instituição. Doutor em Letras pela UNICAMP. Avaliador de cursos do INEP-MEC (2010/atual). Foi coordenador do curso de Letras e chefe do Departamento de Letras do ICHL/UNIFAL-MG. Foi colaborador do BNI/INEP em 2015/16. Professor com 30 anos de exercício do magistério nos níveis médio e superior. Jornalista com 8 anos de exercício em redações de jornais e emissoras de rádio e TV. Autor de diversos livros e cerca de 50 artigos sobre literatura publicados em jornais e revistas. Atividades recentes Estágio pós-doutoral na FALE/UFMG (2017/2018) Orientador da Residência Pedagógica em Letras/Português (2019/2020) Coordenação do curso de Licenciatura em Letras da UNIFAL-MG Coordenação institucional do programa Inglês sem Fronteiras (desde 1/12/2015) Estágio pós-doutoral na UFMG (2012-2013) Colaborador da revista "Pessoa", com resenha quinzenal de um romance brasileiro, entre 2013 e 2018. Publicações (literatura e crítica) "O casamento da bruxa com Papai Noel" (Aaatchim Editorial, 2019) "Poemas em olhês e orelhês" (Aaatchim Editorial, 2019) "O teu que é mais azul" (Sic Edições, 2019) "Deuses em desuso" (Sic Edições, 2016) "Os 10 pecados de Paulo Coelho" (Dub Digital, 2014) "Loucura e ideologia em dois romances dos anos 1970" (Sic Edições, 2014) "Homo hereticus" (poemas; Alfenas: Sic Edições, 2013) "Jornal para eremitas" (Móblie Editorial, 2012) "Os 10 pecados de Paulo Coelho" (Editora Horizonte, 2007) "Inferno de bolso etc." (Sic Edições, 2006) Cogumelos do Mais ou Menos (Sic Edições, 2005) "Primeiras Palavras do Mamute Degelado" (Coleção 100 Leitores, 2000) "O Dentro Mais do que Fora" - O Hospício como Alegoria em Três Romances dos Anos 70 (Brasília, UnB, 2000) "Teatro às escuras; uma introdução ao romance de Uilcon Pereira" (Sic Edições, 1987) Resenhas de livros em O "Estado de S. Paulo", no "Jornal da Tarde" (2000 e 2001) e em "O Globo" (2008 e 2009) Participação em coletâneas e publicações literárias de diversas regiões do país, desde 1983.

Referências

BAKHTIN, M. Problemas da poética de Dostoiévski. São Paulo: Forense Universitária, 2015.

BEZERRA, P. O universo de Bobók. In: DOSTOIÉVSKI, F. M. Bobók. São Paulo: Editora 34, 2012. p. 30-47.

BIANCHI, F. Dostoiévski: a veia da ficção. In: DOSTOIÉVSKI, F. M. Contos reunidos. São Paulo: Editora 34, 2017. p. 7-27.

DOSTOIÉVSKI, F. M. Contos reunidos. São Paulo: Editora 34, 2017.

______. Dostoiévski: correspondências 1838-1880. Porto Alegre: 8Inverso, 2011.

ERASMO. Elogio da loucura. São Paulo: L&PM, 2003.

FOUCAULT, M. História da loucura. São Paulo: Editora Perspectiva, 1978.

GÓGOL, N. O capote e outras histórias. São Paulo: Editora 34, 2010.

KARL, F. R. O moderno e o modernismo. A soberania do artista 1885-1925. Rio de Janeiro: Imago Editora. 1988.

LEITE, D. M. Psicologia e literatura. São Paulo: Imprensa oficial do estado. Serviço de artes gráficas, 1964.

MORETTI, F. O burguês: entre a história e a literatura. São Paulo: Três Estrelas, 2014.

PALMA, R. B. A beleza reveladora da cicatriz. 2009. 141f. Dissertação. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2009.

PAULO, E. Loucura e ideologia em dois romances dos anos 1970. São Paulo: Scortecci Editora, 2014.

PESSOTTI, I. Os nomes da loucura. São Paulo: Editora 34, 1999.

Publicado
23-02-2022
Como Citar
Ternero N. R.; Paulo E. Figurações da loucura em “Um coração fraco” e “Bobók”, de Dostoiévski. Trem de Letras, v. 9, n. 1, p. e022001, 23 fev. 2022.
Seção
Artigos - Estudos Literários