Análise da distribuição espacial dos casos de Aids no estado do Rio Grande do Sul, no período de 2004 a 2013

  • Wilson Sanches Mateus UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS
  • Ana Lúcia Souza Silva Mateus
  • Sidcleide Barbosa de Sousa
  • Marcio Ballestre
Palavras-chave: DST, incidência, dispersão espacial, analise de clusters

Resumo

A Síndrome da Imunodeficiência Adquirida (Aids) emergiu no final do século XX. Onde os primeiros focos de disseminação foram detectados em 1982 nos EUA, Haiti e África Central. O Brasil registra em média cerca de 38 mil novos casos de Aids por ano. Sendo um país tem uma das maiores coberturas de tratamento antirretroviral (TARV) entre os países de média e baixa renda, com aproximadamente 50% das pessoas que vive com HIV recebem TARV, enquanto que a média global é de 41%. A análise da dispersão espacial do risco de uma doença é feita principalmente através de mapas de taxas de incidência. Estes mapas são instrumentos valiosos para apontar associações entre fontes potenciais de contaminação e áreas de risco elevado. Espera-se que essa identificação contribua para uma melhor distribuição dos recursos financeiros e humanos necessários para a redução da epidemia por parte dos gestores do setor público de saúde do estado.

Referências

ANSELIN, L. Local Indicators of Spatial Association – LISA. Geographic Analysis, v.27, p. 91-114, 1995.

ANSELIN, L. The Moran Scatterplot as an ESDA Tool to Assess Local Instability in Spatial Association. In M. Fischer, H. Scholten, and D. Unwin (Eds.). Spatial Analytical Perspectives on GIS. London: Taylor and Francis, 1996: p.111–125.

ANSELIN, L. GeoDaTM software for geodata analysis: version GeoDa 0.95i-(Beta). Champaign, University of Illinois, 2004. Disponível em:<http://www.csiss.org/clearinghouse/GeoDa/>. Acesso em: 5 fev. 2009.

BAUMONT, C. Spatial effects in housing price models: do house prices capitalize urban development policies in the agglomeration Dijon (1999)?. In: Regional Group Seminar of the Federal Reserve Bank of Chicago, 2004.

BAILEY, T.; GATRELL, A. Interactive Spatial Data Analysis. Essex - England: Longman Scientific and Technical, 1995.

BRASIL, Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de DST, AIDS e Hepatites Programa Nacional de DST e AIDS. 2003.

_______, Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde, Coordenação Nacional de DST e AIDS. Dados epidemiológicos de AIDS. Bol. Epidemiol. AIDST. 2004.

_______, Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Programa Nacional de DST e AIDS. O que é HIV? 2007.

_______, Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Programa Nacional de DST e AIDS. 2014.

CLIFF, A. D.; ORD, J. K. Spatial processes: models and applications. London: Pion, 1981. 266p.

DIAS, P. R.T.P.; NOBRE, F. F. Análise dos padrões de difusão espacial dos casos de AIDS por estados brasileiros. Cad. Saúde Pública [online]. 2001, vol.17, n.5, pp. 1173-1187. ISSN 1678-4464. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2001000500018.

DRUCK, S.; Carvalho, M.S.; Câmara, G.; Monteiro, A.V.M. Análise Espacial de Dados Geográficos. EMBRAPA, Brasília, 2004.209p.

KAMPEL, S. A.; G. CAMARA e J. A. QUINTANILHA. Análise Exploratória das Relações Espaciais do Desflorestamento na Amazônia Legal Brasileira. In:, Anais Gisbrasil, 2000. Anais. São Paulo: Imagem Multimídia, 2000. Seção de Comunicações Técnico Científicas.

LAZZAROTTO A.R; REICHERT M.T; VENKER C; KRAMERAS SPRINZ E. HIV/aids e meia idade: avaliação do conhecimento de indivíduos da região do Vale do Sinos/RS, Brasil. Ciência Saúde Coletiva 2010;15(1):1185-90.

PAULA, C. C. de; BRUM, C. N.; SILVA, C. B.; BUBADUÉ, R. M.; ALBUQUERQUE, P. V. C. de; HOFFMANN, I. C. Morbimortalidade de Adolescentes com HIV/Aids em Serviço de Referência no Sul do Brasil DST – Jornal Brasileiro de Doenças Sexualmente Transmissíveis, v. 24, n. 1, p. 44-48, 2012.

INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS. TerraView. Rio de Janeiro: Divisão de Processamento. 2007. Disponível em: <http://www.dpi.inpe.br/terraview/index.php>. Acesso em: 20 jun. 2009.

UNAIDS. Report on the Global HIV/AIDS Epidemics, 2004. Geneva: Unaids; 2004.

Publicado
29-07-2019