Mortalidade neonatal no Estado do Paraná: a evolução ao longo do período de 1999 a 2017

  • Yana Miranda Borges Universidade Estadual de Maringá
  • Taqueco Teruya Uchimura Universidade Estadual de Maringá
  • Eniuce Menezes de Souza Universidade Estadual de Maringá
  • Brian Alvarez Ribeiro de Melo Universidade Estadual de Maringá
Palavras-chave: Mortalidade, Regressão, Estatística, Séries Temporais

Resumo

Neste trabalho, realizou-se um estudo ecológico-descritivo-analítico da mortalidade neonatal das crianças no Estado do Paraná, no período de 1999 a 2017. Os dados foram analisados no software R versão 3.5.0. A população de estudo foi constituída de todas as crianças menores de 28 dias residentes no Estado do Paraná que foram a óbito no período de 1999 a 2017. Os dados foram obtidos no Sistema de Informação sobre Nascidos Vivos e no Sistema de Informação sobre Mortalidade fornecidos pelo departamento de informática do Sistema Único de Saúde do Brasil. Neste período, foram registrados nos sistemas de informação, 3.024.097 nascidos vivos e 28.946 óbitos neonatais. Para o cálculo do coeficiente de mortalidade neonatal, dividiu-se o número de óbitos de crianças de 0 a 27 dias de vida completos pelo número total de nascidos vivos segundo o ano e multiplicou-se o resultado por mil. Os dados foram extraídos do DATASUS através do software TabWin. A partir dos dados pesquisados realizou-se análise exploratória, bem como análise e modelagem de séries temporais com o intuito de descrever o comportamento das séries ao longo do tempo. Pelas análises realizadas, há evidências de que a TMN é maior para o sexo masculino, que decresceu ao longo do período observado e que esse decrescimento é um pouco mais acentuado para crianças do sexo masculino em relação ao feminino.

Referências

BARTLETT M.S. On the Theoretical Specication and Sampling Properties of

Autocorrelated Time-Series. Supplement to the Journal of the Royal Statistical Society, 1946. Vol. 8, No. 1, pp. 27-41.

BOX, G.; JENKINS, G. Time Series Analysis: Forecasting and Control. Holden-Day, San Francisco, CA, 1970.

FERNANDES C.A.; VIEIRA V. C. L.; SCOCHI M. J. Mortalidade infantil e

classificação de evitabilidade: Pesquisando municípios da 15 regional de saúde do Paraná. Ciência, Cuidado e Saúde. Paraná. 2013; 12(4): 752-759.

FRANÇA E.B.; et al. Leading causes of child mortality in Brazil, in 1990 and 2015: estimates from the Global Burden of Disease study. Revista Brasileira de Epidemiologia. São Paulo. 2017; 20 SUPPL 1: 46-60.

MORETTIN, P.A.; TOLOI, C.M. Análise de Séries Temporais. São Paulo, Blucher, 2004.

MUNIZ D. W. R; DE MIRANDA M. G.; COSTA A. P.; LIMA G. W. F, VALE E.

A.Operl epidemiologico de mortalidade neonatal no ambiente hospitalar. Teresina. 2017; 118-128.

NETTO A.; DA SILVA R. M. M.; SANTOS M. F.; TACLA M. T. G. M; CALDEIRA

S.; BRISCHILIARI S. C. R. Mortalidade infantil: avaliação do programa Rede Mãe Paranaense em regional de saúde do Paraná. Revista Cogitare Enfermagem. Paraná. 2017; 22(1): 01-08.

United Nations Inter-Agency Group For Child Mortality Estimation (UN IGME), Levels & Trends in Child Mortality: Report 2018, Estimates developed by the United Nations Inter-agency Group for Child Mortality Estimation, United Nations Children's Fund, New York, 2018.

Publicado
29-07-2019