Jogos e Materiais Manipuláveis no Ensino de Matemática

  • Anna Karenina Lima Antunes Universidade Federal de Alfenas
  • Angela Leite Moreno Universidade Federal de Alfenas
Palavras-chave: Ferramentas de Ensino Diferenciadas, Aprendizagem-Significativa, Metodologias de Ensino, Formação Inicial de Professores.

Resumo

Este trabalho busca explorar o uso de jogos didáticos e materiais manipuláveis no processo de ensino-aprendizagem com foco no aluno, mas no ponto de vista da formação de professores, sejam eles atuantes da rede pública ou em formação. Este trabalho gira em torno de questões como: Para que usar Jogos/Materiais Manipuláveis? Por que usar Jogos/Materiais Manipuláveis? De que forma devem ser utilizados? Ao nos fazermos essas perguntas podemos verificar as contribuições na (re)construção de significados matemáticos, enquanto mediadores de conhecimento. Assim, foi proposto um projeto de extensão em parceria com a disciplina de Laboratório de Ensino de Matemática VI e do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência (PIBID), cujo objetivo foi promover um curso de formação para professores da rede pública e bolsistas de Iniciação à Docência, que propiciasse o estudo teórico desses recursos no Ensino de Matemática e também explorar a criatividade dos participantes. Utilizamos como metodologia de avaliação a Engenharia Didática, então os participantes do minicurso foram avaliados em todo o processo de aplicação da oficina. A análise, realizada sob a abordagem do tipo qualitativa, conduziu à reflexão quanto à autonomia de cada participante no processo e quanto à postura do professor-pesquisador, possibilitando descobertas.

Biografia do Autor

Anna Karenina Lima Antunes, Universidade Federal de Alfenas
Graduação em Licenciatura em Matemática.

Referências

AYAN, J. AHA 10 maneiras de libertar seu espírito criativo e encontrar grandes idéias. São Paulo: Negócio Editora - 2001.

BORIN, J. Jogos e resolução de problemas: uma estratégia para as aulas de matemática. 5 ed. São Paulo: CAEM/IME-USP, 2004, 100p.

BRASIL. Orientações Curriculares para o Ensino Médio. Vol. 3: Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias. Brasilia: MEC/SEB, 2006.

noindent FIORENTINI, D.; MIORIM, M. Â. Uma reflexão sobre o uso de materiais concretos e jogos no Ensino de Matemática. Boletim SBEM-SP. Ano 4 nº7. 1990

noindent GRANDO, R. C. O conhecimento matemático e o uso de jogos na sala de aula. 239f. Tese (Doutorado em Educação). Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas: 2000.

GROENWALD, C. L. O.; TIMM, U. T. Utilizando curiosidades e jogos matemáticos em sala de aula. Educação Matemática em Revista RS. n.2, Ano II, p. 2126, nov. 2000.

KISHIMOTO, T. M. Jogo brinquedo, brincadeira e a educação. 8 ed. São Paulo: Atual, 2005.

JANUÁRIO, G. Materiais manipuláveis: mediadores na (re)construção de significados matemáticos. Dissertação (Mestrado em Ensino de matemática). Universidade Guarulhos Centro de pós-graduação, pesquisa e extensão Curso de pós-graduação lato sensu em educação matemática.

LEIVAS, J. C. P. Imaginação, intuição e visualização: a riqueza de possibilidades da abordagem geométrica no currículo de cursos de licenciatura em matemática. 2009. 294 f. Tese (Doutorado em Educação) - Faculdade de Educação, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2009.

MEDEIROS, C. F. de; SANTOS, E. M. O Concreto e o Abstrato em Educação em Física e Matemática. Recife: UFRPE, 2001.

NACARATO, A. M. Eu trabalho primeiro no concreto. Revista de Educação Matemática, São Paulo, v. 9, n. 9-10, p. 1-6, 2005.

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais: Matemática. Brasília: MEC/SEF, 2006.

PAIS, L. C. Didática da matemática: uma análise da influência francesa. 2.ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2001.

REYS, R. (1982). Considerations for teaching using manipulative materials. Em Teaching made aids forelementary school mathematics. Reston: NCTM.

REZENDE, M. A. C. R. A importância dos jogos e brinquedos na educação infantil.

ROCCO, C. M. K.; FLORES, C. R. O Ensino de Geometria: problematizando o Uso de Materiais Manipuláveis. 2007.

SADOVSKY, P. Fundamentação didática no Ensino de Matemática. Revista Nova Escola. Argentina. 2012.

SANTOS, C. S. ODORICO, E. K. O jogo enigmas da divisão como recurso didático no ensino-divisão. Trabalho de conclusão de curso. Universidade Federal de Alfenas. Alfenas. 2014.

SAVIANI, D. Pedagogia histórico-crítica: primeiras aproximações, São Paulo, Cortez, 1991.

SAVIANI, D. Educação: do senso comum à consciência filosófica Campinas, Autores Associados, 1996.

SARMENTO, A. K. C. A utilização dos materiais manipulativos nas aulas de matemática. 2012. Dissertação (Mestrado em Ensino de matemática). Universidade Federal do Piauí. 2012.

SILVEIRA, M. R. A. Matemática é difícil: Um sentido pré-constituído evidenciado na fala dos alunos. Belém: UFPA. 2002.

TURRIONI, A. M; S. O laboratório de educação matemática na formação inicial de professores. 2004, 175f. Dissertação (Mestrado em Educação Matemática) - Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Rio Claro.

VALE, I. Materiais manipuláveis na sala de aula: o que se diz, o que se faz. In APM (Eds.), Actas do Prof Mat 99, (pp.111-120). Lisboa: APM, 1999.

Publicado
04-11-2018