A importância dos experimentos em faixas na Sensometria: o caso do queijo Minas Padrão com inulina

  • Laís B. Storti
  • Eric Batista Ferreira Professor Adjunto III Instituto de Ciências Exatas Universidade Federal de Alfenas
  • Celeide Pereira
Palavras-chave: Experimentos em faixas, Análise sensorial, Queijo Minas Padrão

Resumo

Alimentos funcionais são aqueles desenvolvidos para trazer benefícios à saúde, além de possuírem os nutrientes já tradicionais. A inulina é um importante prebiótico que pode tornar o queijo Minas Padrão um alimento funcional. Por outro lado, a adição de inulina não deve afetar a qualidade sensorial do queijo. Um experimento em faixas foi desenvolvido para verificar o impacto sensorial (sabor, aparência, textura e cor) da adição de 0\%, 2\% e 4\% de inulina ao queijo Minas Padrão, que foi avaliado por provadores treinados aos 0, 15, 30 e 45 dias de maturação. A função \texttt{faixas()} foi programada no pacote \texttt{ExpDes.pt} do software R com a finalidade de facilitar a análise desse tipo de experimento. O uso da dose 2\% de inulina é aconselhada do ponto de vista sensorial, por não afetar a qualidade do queijo durante o período de maturação. De forma geral, os experimentos em faixa são muito importantes em Sensometria, devido a enorme importância de provadores treinados acompanharem a evolução temporal de variáveis sensoriais.

Biografia do Autor

Eric Batista Ferreira, Professor Adjunto III Instituto de Ciências Exatas Universidade Federal de Alfenas
Doutor em Estatística e Experimentação Agropecuária com Pós-doutorado em Estatística Multivariada

Referências

ANJO, D. F. C. Alimentos funcionais em angiologia e cirurgia vascular Jornal Vascular Brasileiro, Rio de Janeiro, v. 3, n. 2, p. 145-154, 2004.

BANZATTO, D. A.; KRONKA, S. N. Experimentação agrícola. 4. ed. Jaboticabal: Funep, 2006.

COSTA, N. M. B.; ROSA, C. O. B. Alimentos funcionais: componentes bioativos e efeitos fisiológicos. Rio de Janeiro: Editora Rubio, 2010.

DELLA MODESTA, R. C. Manual de análise sensorial de alimentos e bebidas. Rio de Janeiro: EMBRAPA-CTTA, 1994.

DIAS, L. A. S.; BARROS, W. S. Biometria experimental. Viçosa: UFV, 2009.

FEDERER, W. T.; KING, F. Variations on split plot and split block experiment designs New Jersey: Wiley, 2007.

FERREIRA, C.L.L.F. Tecnologia para Produtos Lácteos Funcionais: Probióticos. Bol. SBCTA, vol. 1, n. 36, 2000.

FERREIRA, E. B.; CAVALCANTI, P. P.; NOGUEIRA, D. A. ExpDes.pt: Pacote Experimental Designs (Portuguese). R package version 1.1.2. 2013.

FULLER, R. Probiotics in man and animals. Journal of Applied Bacteriology, Oxford, v.66, n.5, p.365-378, 1989.

HAMILTON-MILLER, J. M. T. Probiotics and prebiotics in the elderly. Postgrad. Med. J., v.80, p.447-451, 2004.

OLIVEIRA, M. N.; SIVIERI, K.; ALEGRO, J. H. A. A.; SAAD, S. M. I. Aspectos tecnológicos de alimentos funcionais contendo probióticos Revista Brasileira de Ciências Farmacêuticas, vol. 38, n. 1, jan./mar., 2002.

PEREIRA, C. Elaboração de queijo minas padrão com adição de probióticos e prebióticos. 2005. 123f. Dissertação (Mestrado em Ciências dos Alimentos), Universidade Federal de Lavras, Lavras, 2005.

PIMENTEL-GOMES, F. Curso de estatística experimental 15. ed. Piracicaba: FEALQ, 2009.

R DEVELOPMENT CORE TEAM. R: A Language and Environment for Statistical Computing.

Vienna, Austria: R Foundation for Statistical Computing. 2014.

SAAD, S. M. I. Probióticos e prebióticos: o estado da arte Revista Brasileira de Ciências Farmacêuticas,vol. 42, n. 1, jan./mar., 2006.

SILVA, R. F. Use of inulin as a natural texture modifier. Cereal Foods World, St Paul, v. 41, n. 10, p. 792-795, 1996.

STONE, H.; SIDEL, J. L. Sensory evaluation practices. Orlando, Florida: Academic Press, 1985.

TONELI, J. T. C. L.; PARK, K. J.; MURR, F. E. X.; NEGREIROS, A. A. Efeito da umidade sobre a microestrutura da inulina em pó. Ciência e Tecnologia de Alimentos, Campinas, 28(1), p.122-131, jan. - mar., 2008.

USHIJIMA, H. H. Oligossacarídeos e suas Propriedades Funcionais. Revista Laticínios, vol. 6, n. 34, 2001.

Publicado
22-01-2015