Oficina: Soroban e o ensino da Matemática para pessoas com deciência visual

  • Cristiane C. F. Cintra Professor Adjunto III Instituto de Ciências Exatas Universidade Federal de Alfenas
  • Débora Felício Faria
Palavras-chave: educação matemática, ábaco, material didático

Resumo

O ensino da Matematica fundamentado em aulas expositivas e teoricas, as quais giram em torno de estmulos visuais pode ser desfavoravel a compreensão dos conteudos por parte de alunos com deciência visual. Sendo assim, o material didatico concreto, manipulavel, assume um papel efetivo no processo de ensino-aprendizagem para esses alunos. O Soroban, ou abaco japonês, e um instrumento de calculo que estimula a coordenação motora, desenvolve o raciocnio logico e a memoria, e necessita mais de estmulos tateis do que visuais para ser operado. Portanto, pode ser uma importante ferramenta, com nalidade educativa, capaz de contribuir para o ensino e a aprendizagem, por exemplo, da Aritmetica, para estudantes com
deciência visual. Mas o uso do Soroban em sala de aula por pessoas com deciência visual, ainda não e muito difundido nas escolas brasileiras. Muito embora o Soroban tenha sido adaptado para cegos no Brasil na decada de 40 do século passado, este instrumento so passou a ser usado recentemente, o que demanda novos estudos sobre sua contribuição em sala de aula. Além disso, a maioria dos professores de matematica desconhece a forma de utilizá-lo e tampouco sabe que seu uso deve ser disponibilizado pelo sistema de ensino como e garantido pelo Ministerio da
Educação. Portanto, difundir o conhecimento da utilização do Soroban por professores de alunos com deciência visual se torna imprescindvel no momento em que a rede de ensino brasileira
passa por modicações para se tornar um sistema verdadeiramente inclusivo.

Referências

BRASIL. Ministério da Educação. Lei de Diretrizes e Bases da Educação.

(1996) Lei no 9.394 de 20 de dezembro de 1996. Bras´ılia: MEC. Disponível em: http://www6.senado.gov.br/legislacao/ListaTextoIntegral.action?id=75723. Acesso em 09 nov. 11.

BRASIL. Ministério da Educação, Secretaria de Educação Especial. (2006) A construção do conceito de número e o pré-soroban. Brasília: MEC/SEESP.

BRASIL. Ministério da Educação, Secretaria de Educação Especial. (2008) Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. MEC/SEESP. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/arquivos/pdf/politicaeducespecial.pdf. Acesso em: 26 nov. 11.

BRASIL. Ministério da Educação, Secretaria de Educação Especial. (2009) Soroban: manual de técnicas operatórias para pessoas com deficiência visual. Brasília: MEC/SEESP.

SOUZA, R. N. S. (2004) Soroban: Uma ferramenta para ajudar a pensar, contribuindo na inclusão de alunos portadores de necessidades visuais. In: ENCONTRO NACIONAL DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA, 8, 2004. Recife. Anais do VIII ENEM. Pernambuco: UFPE. 1-9. Disponível em: http://www.sbem.com.br/files/viii/pdf/03/MC84642289968.pdf.

Acesso em: 30 out. 11.

TEIXEIRA, R. A. G. (2006) O uso do Soroban como princípio lógico no ensino da Matemática. Universidade Federal de Goiás. Goiânia: FE/UFG. Disponível em: http://www.colegioglauciacosta.com.br/moodle/mod/resource/view.php?id=8. Acesso em: 10 nov. 11.

Publicado
23-12-2013