Ajuste de modelos de crescimento para frangos machos

Felipe Auguto Fernandes, Ariane Rodrigues Nogueira, Edilson Marcelino Silva, Tales Jesus Fernandes, Antônio Gilberto Bertechini

Resumo


Dentre os setores de animais criados para corte, o avícola tem apresentado grande ascensão, com ênfase na produção de frangos. No Brasil, este mercado movimenta milhões de reais, uma vez que, o país, além de grande consumidor, é o maior exportador desta proteína. Uma das linhagens mais utilizadas na atividade avícola de corte é a linhagem Cobb 500®, pois apresenta altos índices de rentabilidade. Por esse motivo, compreender o crescimento desse animal auxilia na produção e manejo, e isso pode ser feito por meio de curvas de crescimento, utilizando modelos não lineares. O objetivo deste trabalho foi analisar os ajustes dos modelos não lineares de Brody, Gompertz, Logístico e von Bertalanffy na descrição do crescimento de frangos machos da linhagem Cobb 500®. Utilizou-se para as análises o software estatístico R. A qualidade de ajuste dos modelos foi comparada utilizando os seguintes avaliadores: coeficiente de determinação (R2), o Critério de Informação de Akaike corrigido (AICc), o desvio padrão residual (DPR) e o erro de predição médio (EPM). Os parâmetros dos modelos foram significativos, segundo o teste t, ao nível de 5%. Em seguida realizou-se os testes Shapiro-Wilk, Durbin-Watson e Breusch-Pagan, para a análise de resíduos. Não foi possível estimar os parâmetros do modelo Brody, pois não houve convergência dos algoritmos, no entanto, os demais modelos ajustaram bem aos dados e o de von Bertalanffy apresentou melhor qualidade de ajuste para o peso de frangos da linhagem Cobb 500®, pois apresentou menores valores do AICc, DPR e EPM , além de um maior R2.


Palavras-chave


Curvas de Crescimento; Modelo von Bertalanffy; Regressão

Texto completo:

PDF

Referências


ABPA. (2018). Relatório anual. São Paulo: Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA). Retrieved from http://abpa-br.com.br/storage/files/relatorio-anual-2018.pdf

DEMUNER, L. F. et al. Adjustment of growth models in broiler chickens. Pesquisa Agropecuária Brasileira, v. 52, n. 12, p. 1241-1252, 2017.

FREITAS, A. R. Curvas de crescimento na produção animal. Revista Brasileira de Zootecnia, Viçosa MG, v. 34, n. 3, p. 786-795, 2005.

JESUS JUNIOR, C. A Cadeia da Carne de Frango: tensões, desafios e oportunidades. BNDES Setorial, n.26, p. 191-232, 2007.

LOPES, F. B. et al. Análises de dados longitudinais em bovinos Nelore Mocho por meio de modelos não lineares. Archivos de zootecnia, v.65, n.250, p. 123-129, 2016.

LOUZADA, F. et al. Skew-normal distribution for growth curve models in presence of a heteroscedasticity structure. Journal of Applied Statistics, v.41, n.8, p. 1785-1798, 2014.

MAZUCHELI, J.; SOUZA, R.M. de; PHILIPPSEN, A.S. Modelo de crescimento de Gompertz na presença de erros normais heterocedásticos: um estudo de caso. Revista Brasileira de Biometria, v.29, p. 91-101, 2011.

MISCHAN, M. M.; PINHO, S. Z. Modelos não lineares: Funções assintóticas de crescimento. 2014, 181 p.

NETO, F. S.; CARVALHO, L. R. de; MISCHAN, M. M. Ajustes de modelos não lineares a dados de crescimento com estrutura de erros independentes e autoregressivos de primeira ordem-aplicações. Revista Brasileira de Biometria, p. 631-644, 2013.

R CORE TEAM. R: A language and environment for statistical computing. R Foundation for Statistical Computing, Vienna, Austria. 2012. ISBN 3-900051-07-0, URL url{http://www.R-project.org/}.

SOUSA, D. C. et al. Caracterização morfológica do trato gastrointestinal de frangos de corte da linhagem Cobb 500®. Pesquisa Veterinária Brasileira, v. 35, n. Supl 1, p. 61-68, 2015.

TELEKEN, J. T. et al. Comparing non-linear mathematical models to describe growth of different animals. Acta Scientiarum. Animal Sciences, v.39, n.1, p.73-81, 2017.