Avaliação de pulverizações de controle químico sob populações de Euschistus heros (Hemiptera, Pentatomidae) (Fabricius, 1974) e Edessa medtibaunda (Hemiptera, Pentatomidae) (Fabricius, 1974) em soja na fase reprodutiva plena cultivada em dois solos em Ron

  • Antônio Tavares de Souza Neto Universidade de Cuiabá, Campus Ary Coelho, Rondonópolis-MT
  • Marcos Pires de Almeida Universidade de Cuiabá, Campus Ary Coelho, Rondonópolis-MT
  • Sharrine Omari Domingues de Oliveira Marra Universidade de Cuiabá, Campus Ary Coelho, Rondonópolis-MT
  • Bruna Ellusa Kroth Universidade de Cuiabá, Campus Ary Coelho, Rondonópolis-MT
  • Lucas Dias Coutinho de Souza Universidade de Cuiabá, Campus Ary Coelho, Rondonópolis-MT
Palavras-chave: Eficiência de aplicação, Glycine max, Insetos sugadores

Resumo

O experimento foi realizado na Fazenda Guarita localizado no município de Rondonópolis-MT. O objetivo foi avaliar a eficiência do agroquímico Connect® no controle de percevejos Euschistus heros (Hemiptera, Pentatomidae) (Fabricius, 1974) e Edessa meditabunda (Hemiptera, Pentatomidae) (Fabricius, 1974) em soja na fase reprodutiva (entre R3 a R6), considerando os tratos culturais e as recomendações técnicas utilizadas na propriedade. O delineamento utilizado foi o inteiramente casualizado, com duas pulverizações, quatro tratamentos com oito repetições com fatorial 2X4X8, totalizando assim 64 amostragens. As parcelas foram constituídas de duas parcelas amostrais, localizadas no Latossolo Vermelho (LV) e no Plintossolo (FF) foram divididas em 4 tratamentos, em cada tratamento realizou-se 8 batidas de pano 1mX1m em oitos linhas em zig-zag. A primeira avaliação iniciou antes do período de aplicação de inseticida, como testemunha. Após a pulverização do controle químico realizou-se mais três avaliações, sendo elas em três, sete e quinze dias. Os tratamentos foram avaliados estatisticamente pelo método de Tukey a 5% de probabilidade. Observou-se que houve diferença significativa quanto as populações de percevejos antes e após pulverizações de defensivo agrícola, entre os estádios R3 a R5.5. O defensivo mostrou-se eficiente tendo seu efeito expressado aos três dias após as pulverizações, mas o mesmo mostrou-se mais eficiente aos sete dias após a pulverização, tendo seu pico de efeito aos quinze dias. Quanto ao nível populacional antes das pulverizações, houve diferença significativa entre as populações a 1% de probabilidade nos dois diferentes solos.

Referências

CORRÊA-FERREIRA B, S. Suscetibilidade da soja a percevejos na fase anterior ao desenvolvimento das vagens. Pesquisa Agropecuária Brasileira, v.40, n.11, p.1067-1072, 2005.

DEPIERI, R. A.; PANIZZI, A R. Duration of feeding and superficial and in-depth damage to soybean seed by selected species of stink bugs (Heteroptera: Pentatomidae). Neotropical entomology. Piracicaba, SP, v.40, n.2, 2011.

EMBRAPA/CENARGEN, Neotropical Entomology. v. 38, n. 4, p. 459-463, 2009.

GAZZONI, D.L. Manejo de pragas da soja: uma abordagem histórica. Paraná, Londrina, EMBRAPA-CNPSo/SPI, p. 15, 24 e 46, 1994.

GAZZONI, D. L. Efeito de populações de percevejos na produtividade, qualidade da semente e características agronômicas da soja. Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília-DF, v. 33, n. 8, p. 1229-1237, 1994.

a RBras e 18o SEAGRO 29 de julho à 02 de agosto de 2019, Cuiabá - MT

GOELZER, G.; NUNES, J.; MOSCARDINI, V. F.; GONTIJO, P. da. C. Eficiencia de inseticida no controle de Euschistus heros na cultura da soja no estado do Paraná. Paraná, ed. Especial, p. 117-124, 2017.

GODOY, K.B.; ÁVILA, C.J.; DUARTE, M.M.; ARCE, C.C.M. Parasitismo e sítios de diapausa de adultos do percevejo marrom, Euschistus heros na região da Grande Dourados, MS. Ciência Rural, v.40, p.1199-1202, 2010.

HUSCH, P. E.; SOSA-GÓMEZ, D. R. Suscetibilidade de Euschistus heros a tiametoxam, lambda-cialotrina e acefato em mesorregiões do Paraná, Brasil. Universidade Federal do Paraná, Curitiba, PR, 2013.

MEDEIROS, L.; MEGIER, G. A. Ocorrência e Desempenho de Euschistus heros (F.) (Heteroptera: Pentatomidae) em Plantas Hospedeiras Alternativas no Rio Grande do Sul. Depto. de Biologia e Química,Univ. Regional do Noroeste do Rio Grande do Sul (UNIJUI), Neotrop. entomol.[online], vol.38, n.4, p. 459-463, 2009.

RIBEIRO, F. de C.; ERASMO, E. A. L.; GARCIA, J. P. DE M.; FARIAS, D. I. O. A. DE.; ROCHA, F. DE S.; CERQUEIRA, F. B. Eficiência de inseticidas no controle preventivo do percevejo marrom na cultura da soja. Tecnol. & Ciên. Agropec. João Pessoa, v.11, n.1, p. 25-30, 2017.

SEDIYAMA, T. Produtividade da Soja. Paraná, Londrina, v. 1, p. 11-217, 2016.

TECNOLOGIAS DE PRODUÇÃO DE SOJA: região central do Brasil 2005. Sistema de produção 6. Londrina: Embrapa Soja: Embrapa Cerrados: Embrapa Agropecuária Oeste: Fundação meridional, n. 6, p. 165-179, 2004.

TECNOLOGIAS DE PRODUÇÃO DE SOJA: região central do Brasil 2004. Sistema de produção 4. Londrina: Embrapa Soja: Embrapa Agropecuária Oeste: Embrapa Cerrados: EPAMIG: Fundação triângulo, n. 6, p. 161-175, 2003.

PANIZZI, A.R.; SMITH, J.G.; PEREIRA, L.A.G.; YAMASHITA, J. Efeito dos danos de Piezodorus guildinii (Westwood, 1837) no rendimento e qualidade da soja. In: SEMINÁRIO NACIONAL DE PESQUISA DA SOJA, 1., 1979. Londrina. Anais... Londrina: Embrapa Soja, v. 2, p. 59-78, 1979.

Publicado
29-07-2019