Análise multivariada de casos de leishmaniose visceral no Cariri cearense nos anos de 2008 a 2017

Kenikywaynne Kerowaynne Felix do Nascimento, Kellyma Kellyashin Felix do Nascimento, Kerolly Kedma Felix do Nascimento, Fábio Sandro dos Santos, Diego Alves Gomes, Louis Hélvio Rolim de Britto

Resumo


A Leishmaniose Visceral é uma patologia ocasionada por protozoários do gênero Leishmania, cuja característica é parasitar células do sistema fagocítico mononuclear. Animais vertebrados mamíferos são seus hospedeiros, principalmente cães e humanos. É transmitido através da picada de insetos hematófagos Flebotomíneos, principalmente a fêmea do gênero Lutzomya sp., conhecido popularmente como mosquito-palha. Em humanos, a transmissão pelo uso de seringas contaminadas vem crescendo nos últimos anos. A LV é cosmopolita e endêmica no Brasil, representando o terceiro país de maior ocorrência mundial. O objetivo deste trabalho foi realizar um estudo quantitativo dos casos de LV no Cariri do estado do Ceará notificados na última década (2008-2017) verificando a incidência de surtos e características importantes para ações de vigilância e controle da doença. Foram utilizadas técnicas da estatística multivariada, distância de Manhattan, coeficiente de correlação cofenética e dendograma. Os resultados apontaram que nos anos de 2014 a 2017 o número de casos foram superiores à média dos demais anos. Com o passar dos anos a prevalência da leishmaniose aumentou nos municípios explorados, exceto em 2011. As cidades foram divididas em três grupos distintos cujas características eram semelhantes. Conclui-se que o número de casos da região como um todo tem sido crescente nos últimos anos e se faz necessárias estratégias mais eficientes para prevenção e controle desta enfermidade.


Palavras-chave


Dendograma; Estratégias; Hospedeiro; Manhattan; Patologia

Texto completo:

PDF

Referências


ABRANTES, T. R.; WERNECK, G. L.; ALMEIDA, A. S. D. Environmental factors associated with canine visceral leishmaniosis in an area with recent introduction of the disease in the state of Rio de Janeiro, Brazil. Cadernos de saúde pública, SciELO Brasil, v. 34, n.1, 2018.

ARAÚJO, D. da C. Análise espacial dos casos humanos de leishmaniose visceral. Arquivos de Ciências da Saúde, v. 24, n.2, p. 71-75, 2017.

BARBOSA, I. R. Leishmaniose visceral humana no município de Natal-RN: análise clínico-epidemiológica e espacial. Revista Ciência Plural, v. 2, n. 1, p. 89-101, 2016.

CATORZE, M. G. B. Leishmaniose e sida. Medicina Cutánea Ibero-Latino-Americana, v. 33, n. 6, p. 237-250, 2005.

CAVALCANTE, I. J. M.; VALE, M. Aspectos epidemiológicos da leishmaniose visceral (calazar) no Ceará no período de 2007 a 2011. Rev Bras Epidemiol, v. 17, n. 4, p. 911-924, 2014.

CHARRAD, M.; GHAZZALI, N.; BOITEAU, V.; NIKNAFS, A.; CHARRAD, M. M. Package `nbclust'. Journal of statistical software, v. 61, p. 1-36, 2014.

FERREIRA, A. K. A. Distribuição espacial e temporal da leishmaniose visceral humana no estado do Ceará. 2017. 146f. Dissertação (Mestrado Acadêmico Cuidados Clínicos em Enfermagem e Saúde) - Programa de Pós-Graduação em Cuidados Clínicos em Enfermagem e Saúde do Centro de Ciências da Saúde, Universidade Estadual do Ceará, Fortaleza, 2017.

FIGUEIRO-FILHO, E. A.; DUARTE, G.; EL-BEITUNE, P.; QUINTANA, S. M.; MAIA, T. L. Visceral leishmaniosis (kala-azar) and pregnancy. Infectious diseases in obstetrics and gynecology, Hindawi, v. 12, n.1, p. 31-40, 2004.

FURTADO, A. S.; NUNES, F. B. B. D. F.; SANTOS, A. M. D.; CALDAS, A. D. J. M. Análise espaço-temporal da leishmaniose visceral no estado do Maranhão, Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, SciELO Public Health, v. 20, p. 3935-3942, 2015.

GONTIJO, C. M. F.; MELO, M. N. Leishmaniose visceral no Brasil: quadro atual, desafios e perspectivas. Revista Brasileira de Epidemiologia, SciELO Public Health, v. 7, p. 338-349, 2004.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Guia de Vigilância em Saúde. 2017. Disponível em: . Acesso em: 07 abr. 2019.

DE OLIVEIRA, A. R.; FERNANDES, C. A. Focos e fatores associados ao aparecimento de leishmaniose tegumentar americana (lta) e leishmaniose visceral (lv) no Cariri Cearense. Revista Interfaces: Saúde, Humanas e Tecnologia, v. 2, n. 5, 2014.

ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE. Leishmanioses: Informe Epidemiológico das Américas. 2019. Disponível em: . Acesso em: 07 abr. 2019.

SECRETARIA DA SAÚDE. Coordenadorias Regionais de Saúde. 2018. Disponível em: . Acesso em: 04 mai. 2019.

SECRETARIA DA SAÚDE DO GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ. Boletim Epidemiológico - Leishmaniose Visceral. 2018. Disponível em: . Acesso em: 04 mai. 2019.

SILVA, J. G. D.; WERNECK, G. L.; CRUZ, M. D. S. P.; COSTA, C. H. N.; MENDONÇA, I. L. D. Infecção natural de Lutzomyia longipalpis por Leishmania sp. em Teresina, Piauí, Brasil. Cadernos de Saúde Pública, SciELO Public Health, v. 23, p. 1715-1720, 2007.

SILVA, K. B. M.; CASTRO, J. G. D.; CALABRESE, K.; SEIBERT, C. S.; DO NASCIMENTO, G. N.; MARIANO, S. M. B.; FIGUEIREDO, B. N. S.; DOS SANTOS, M. G. Análise espacial da leishmaniose visceral no município de Palmas, Tocantins, Brasil. Hygeia, v.13, n. 25, p. 18-29, 2017.

R CORE TEAM. R: A language and environment for statistical computing. R Foundation for Statistical Computing, Vienna, Austria. 2012. ISBN 3-900051-07-0, URL .