Ajuste bayesiano do modelo logístico para análise de crescimento de escargots (Conu aspersum maximum)

Felipe André Freitas, Matheus Lourenço, Carla R G Brighenti, Flávia Silva, Thamires Leoncio, Leila Gaya

Resumo


Em vista da crescente demanda pelo mercado consumidor por escargots a expansão de sua criação se torna necessária, bem como estudos específicos de manejo e melhoramento, afim de melhorar os índices zootécnicos. Dentre as espécies de escargots comestíveis, o Gros Gris (Cornu aspersum maximum) é o que apresenta maior rusticidade, por isso, sua criação é a mais indicada. No entanto, apesar de sua importância e recente destaque do setor de criação, existem poucos dados disponíveis na literatura acerca da sua criação. Devido as dificuldades na obtenção de dados precisos e/ou na coleta de dados, é útil recorrer a técnicas estatísticas que possam melhorar a estimação de índices para helicicultura. Para modelar o crescimento de escargots em condições de confinamento total, utilizou–se um modelo logístico proposto por Verhulst. Os dados utilizados nesse trabalho referem-se à idade e peso de 58 escargots de diferentes progenitores em sistema de confinamento total. As análises foram realizadas utilizando o software R. O modelo utilizado possibilitou a estimação da curva de ganho de peso de escargots Gros Gris sob confinamento total por inferências bayesianas usando priori pouco informativa. Observou-se a existência de uma alta correlação entre peso e idade, sendo que o ponto de inflexao ocorreu aos 115 dias, que se refere ao tempo no qual os escargots analisados alcançaram da maturidade sexual, com peso correspondente a 9,595 g. A taxa de crescimento foi estimada em 0,04199 com um intervalo de credibilidade a 95% igual a [0,0307;0,0538].


Palavras-chave


curva sigmoide; Gros Gris; helicicultura; modelo de Verhulst.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, G. N. Caviar Pérola, estudo da estabilidade físico-química e microbiológica. Tese de Doutorado. Universidade Técnica de Lisboa. Faculdade de Medicina Veterinária, 2014.

BACAËR, N. A short history of mathematical population dynamics. Bondy, France: Springer, 2010.

CANCHO, V. G.; LACHOS, V. H.; ORTEGA, E. M. M. A nonlinear regression model with skew-normal errors. Statistical Papers, v. 51, n. 3, p. 547-558, 2010.

COBBINAH, J. R.; VINK, A.; ONWUKA, B. A cultura de caracóis, produção, processamento e comercialização. Fundação Agromisa, Wageningen, Países Baixos, 2008.

DYBDAHL, M. F.; KANE, S. L. Adaptação vs. plasticidade fenotípica no sucesso de um invasor clonal. Ecology, v. 86, p. 1592 – 1601, 2005.

FERRAZ, J. O escargot: criação e comercialização. São Paulo: Ícone. 176 p, 1999.

FÉVRIER, Y.; RUSSO, J.; MADEC L. Intraspecific variation in life history traits of a land snail after a bacterial challenge. Journal of Zoology, v. 277, ed. 2, França, 22p, 2009

FREITAS, A. R. Curvas de crescimento na produção animal. Revista Brasileira de Zootecnia, v. 34, n. 3, p. 786-95, 2005.

GRACIAS, A. C.; LOURENÇO, S. R. Aplicação de um modelo matemático na simulação da produção e importação de gás natural no Brasil até 2017. Revista Produção Online, v.10, n.3, p. 698-717, 2010.

HEIDELBERGER, P.; WELCH, P. Simulation run length control in the presence of an initial transient. Operations Research, v.31, p.1109-44, 1983.

JOKELA, J.; DYBDAHL, M. F.; LIVELY, C. M. Habitat‐specific variation in life‐history traits, clonal population structure and parasitism in a freshwater snail (Potamopyrgus antipodarum). Journal of Evolutionary Biology, v. 12, p. 350 – 360, 1999.

LLOVERAS, L.; NADAL, J.; ARGUELLES, P. G.; FULLOLA, J. M.; ESTRADA. A. The land snail midden from Balma del Gai (Barcelona, Spain) and the evolution of terrestrial gastropod consumption during the late Palaeolithic and Mesolithic in eastern Iberia. Quaternary International, v. 244, n. 1, p. 37-44, 2011.

MAIA, E.; SIQUEIRA, D. L.; SILVA, F. F.; PETERNELLI, L. A.; SALOMÃO, L. C. C. Método de comparação de modelos de regressão não-lineares em bananeiras. Ciência Rural, v. 39, n. 5, p. 1380-1386, 2009.

RODRIGUES, M. P. Manual prático para a criação de caracóis (escargots). 2.ed. São Paulo: Ícone Editora, 123p, 1991.

ROSSI, R. M. Introdução aos métodos Bayesianos na análise de dados zootécnicos com uso do WinBUGS e R, 2010.

ROSSI, R. M.; SANTOS, L. A. Modelagem Bayesiana para curvas de crescimentos de codornas assumindo assimetria nos erros. Semina: Ciências Agrárias, v. 35, n. 3, p. 1637-1648, 2014.

R CORE TEAM. R: A language and environment for statistical computing. R Foundation for Statistical Computing, Vienna, Austria. ISBN 3-900051-07-0, URL . 2018.

SILVA, F. M. Relação entre características da concha e peso corporal de escargots gros gris (Cornu aspersum maximum) sob confinamento total. Trabalho de Conclusão (Graduação – Zootecnia UFSJ) São João del-Rei, 31p, 2018.

TAVONI, R.; OLIVEIRA, R. Z. G. Os modelos de crescimento populacional de Malthus e Verhulst - uma motivação para o ensino de logaritmos e exponenciais. Iniciação Cientifica da Universidade Estadual Paulista, São Paulo, 2013.

VERHULST, P. F. Notice sur la loi que la population suit dans son accroissement. Correspondence Mathématique et Physique, v.10, p.113-121, 1838.

ZILL, D. G., CULLEN, M. R. Equações diferenciais. v.1. 2. ed. São Paulo: Person, 2003.