Análise do nível de escolaridade e formação acadêmica dos docentes da educação básica do Brasil no ano de 2017 por meio do uso de técnicas multivariadas

Pollyane Vieira da Silva, Vivian Aparecida Brancaglioni, Cristiane Mariana Rodrigues da Silva, Carlos Tadeu dos Santos Dias, Taciana Villela Savian

Resumo


A formação dos professores tem um papel importante nos estudos educacionais no Brasil e no mundo. O Brasil ainda vive a realidade de que muitos docentes não possuem a formação mínima exigida para atuarem como profissionais da educação. Com o objetivo de agrupar e caracterizar os estados brasileiros de acordo com nível de escolaridade e formação acadêmica dos docentes de ensino básico, no ano de 2017, optou-se neste artigo pelo uso de técnicas estatísticas multivariadas, sendo elas, análise de agrupamento ou cluster, análise de componentes principais e análise fatorial, as quais apresentam resultados complementares. Os estados brasileiros agruparam-se em quatro grupos distintos, destacando-se para o fato de que São Paulo formou um grupo isolado. A partir das sete variáveis em estudo foi possível caracterizar os estados brasileiros por meio de dois componentes principais sendo um deles denominado como formação de nível superior e o outro como formação de nível básico. A análise de fatores reforçou os resultados encontrados na análise de componentes principais, de forma que o fator 1 representou um indicador de formação superior e o fator 2 um indicador de formação de nível básico.

Palavras-chave


formação docente; ensino básico; ensino superior; caracterização dos estados brasileiros

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Ministério da Educação. Pesquisa Educacional: capacitação de professores melhora em até 70% desempenho de alunos. Educação & Ciência. 2017.

BRASIL. Ministério da Educação. Censo do Professor. Educação básica. 2007. Disponível em http://portal.mec.gov.br/plano-nacional-de-formacao-de-professores/censo-do-professor. Acesso em: 13 março 2019.

BRAULT, M. A Formação do Professor para Educação Básica: perspectivas. Cadernos Educação Básica. Série Inovações 6. Brasília: MEC/UNESCO. 1994.

GATTI, B. A.; BARRETO, E. S. de Sá (coord.). Professores do Brasil: impasses e desafios. Brasília: UNESCO, 2009.

HAIR JR., J.F.; WILLIAM, B.; BABIN, B.; ANDERSON, R.E. Análise multivariada de dados. 6.ed. Porto Alegre: Bookman, 2009.

INEP. Sinopse Estatística da Educação Básica 2017. 2018. Disponível em

http://inep.gov.br/sinopses-estatisticas-da-educacao-basica. Acesso em: 13 em: 13 agosto 2018.

INEP. Notas estatísticas Censo escolar 2018. 2019. Disponível em http://download.inep.gov.br/educacao_basica/censo_escolar/notas_estatisticas/2018/notas_estatisticas_censo_escolar_2018.pdf. Acesso em: 16 março 2019.

JOHNSON, R. A.; WICHERN, D. W. Applied Multivariate Statistical Analysis. New Jersey: Prentice Hall, 2007. 773p.

KAISER, H. F. The varimax criterion for analytic rotation in factor analysis. Psychometrika, v.23, n.3, p.187, 1958.

MANLY, B. F. J. Métodos Estatísticos Multivariados: uma introdução. 3.ed. Porto Alegre: Bookman. 2008.

MINGOTI, S. A. Análise de dados através de métodos de estatística multivariada: uma abordagem aplicada. UFMG, Belo Horizonte. 2005.

R CORE TEAM. R: A language and environment for statistical computing. R Foundation for Statistical Computing, Vienna, Austria. 2012. ISBN 3-900051-07-0. Disponível em http://www.R-project.org/

RENCHER, A. C. Methods of multivariate analysis. New York: John Wiley, 2002. 708p.

SILVA, A. R. Métodos de Análise Multivariada em R. Piracicaba, FEALQ. 2016.