Análise do nível de escolaridade e formação acadêmica dos docentes da educação básica do Brasil no ano de 2017 por meio do uso de técnicas multivariadas

  • Pollyane Vieira da Silva Universidade de São Paulo
  • Vivian Aparecida Brancaglioni Universidade de São Paulo
  • Cristiane Mariana Rodrigues da Silva Universidade de São Paulo
  • Carlos Tadeu dos Santos Dias Universidade de São Paulo
  • Taciana Villela Savian Universidade de São Paulo
Palavras-chave: formação docente, ensino básico, ensino superior, caracterização dos estados brasileiros

Resumo

A formação dos professores tem um papel importante nos estudos educacionais no Brasil e no mundo. O Brasil ainda vive a realidade de que muitos docentes não possuem a formação mínima exigida para atuarem como profissionais da educação. Com o objetivo de agrupar e caracterizar os estados brasileiros de acordo com nível de escolaridade e formação acadêmica dos docentes de ensino básico, no ano de 2017, optou-se neste artigo pelo uso de técnicas estatísticas multivariadas, sendo elas, análise de agrupamento ou cluster, análise de componentes principais e análise fatorial, as quais apresentam resultados complementares. Os estados brasileiros agruparam-se em quatro grupos distintos, destacando-se para o fato de que São Paulo formou um grupo isolado. A partir das sete variáveis em estudo foi possível caracterizar os estados brasileiros por meio de dois componentes principais sendo um deles denominado como formação de nível superior e o outro como formação de nível básico. A análise de fatores reforçou os resultados encontrados na análise de componentes principais, de forma que o fator 1 representou um indicador de formação superior e o fator 2 um indicador de formação de nível básico.

Referências

BRASIL. Ministério da Educação. Pesquisa Educacional: capacitação de professores melhora em até 70% desempenho de alunos. Educação & Ciência. 2017.

BRASIL. Ministério da Educação. Censo do Professor. Educação básica. 2007. Disponível em http://portal.mec.gov.br/plano-nacional-de-formacao-de-professores/censo-do-professor. Acesso em: 13 março 2019.

BRAULT, M. A Formação do Professor para Educação Básica: perspectivas. Cadernos Educação Básica. Série Inovações 6. Brasília: MEC/UNESCO. 1994.

GATTI, B. A.; BARRETO, E. S. de Sá (coord.). Professores do Brasil: impasses e desafios. Brasília: UNESCO, 2009.

HAIR JR., J.F.; WILLIAM, B.; BABIN, B.; ANDERSON, R.E. Análise multivariada de dados. 6.ed. Porto Alegre: Bookman, 2009.

INEP. Sinopse Estatística da Educação Básica 2017. 2018. Disponível em

http://inep.gov.br/sinopses-estatisticas-da-educacao-basica. Acesso em: 13 em: 13 agosto 2018.

INEP. Notas estatísticas Censo escolar 2018. 2019. Disponível em http://download.inep.gov.br/educacao_basica/censo_escolar/notas_estatisticas/2018/notas_estatisticas_censo_escolar_2018.pdf. Acesso em: 16 março 2019.

JOHNSON, R. A.; WICHERN, D. W. Applied Multivariate Statistical Analysis. New Jersey: Prentice Hall, 2007. 773p.

KAISER, H. F. The varimax criterion for analytic rotation in factor analysis. Psychometrika, v.23, n.3, p.187, 1958.

MANLY, B. F. J. Métodos Estatísticos Multivariados: uma introdução. 3.ed. Porto Alegre: Bookman. 2008.

MINGOTI, S. A. Análise de dados através de métodos de estatística multivariada: uma abordagem aplicada. UFMG, Belo Horizonte. 2005.

R CORE TEAM. R: A language and environment for statistical computing. R Foundation for Statistical Computing, Vienna, Austria. 2012. ISBN 3-900051-07-0. Disponível em http://www.R-project.org/

RENCHER, A. C. Methods of multivariate analysis. New York: John Wiley, 2002. 708p.

SILVA, A. R. Métodos de Análise Multivariada em R. Piracicaba, FEALQ. 2016.

Publicado
13-08-2019