Análise dos casos de óbito por acidente vascular cerebral no estado do Rio Grande do Sul no período de 1979 a 2014

  • Luis Eduardo Maurer da Silva
  • Luciane Flores Jacobi Universidade Federal de santa Maria (UFSM)
  • Alessandro Dal’Col Lúcio Universidade Federal de Santa Maria
Palavras-chave: Mortalidade, Doença, Regressão Linear Simples, Tendência

Resumo

 

O acidente vascular cerebral (AVC) é uma das maiores causas de óbito e invalidez no mundo. Por esse elevado número de óbitos faz-se necessário o uso de pesquisas epidemiológicas para gerar informações para que os gestores de saúde possam agir de forma consciente na busca por melhorar a qualidade de vida da população. O objetivo deste trabalho foi analisar os casos de óbito por acidente vascular cerebral no estado Rio Grande do Sul no período de 1979 a 2014. Assim, foram ajustados modelos de regressão linear simples, nos dados coletados no sistema do DATASUS, por meio do Sistema de Informação sobre Mortalidade (SIM). Após a elaboração e validação da regressão foi utilizado o teste de Mann-Kendall com a finalidade de testar se existia alguma tendência nos dados. Com o resultado observou-se que com o envelhecimento da população do estado do Rio Grande do Sul o número de óbitos por AVC aumentou, sendo um pouco mais frequente em mulheres do que em homens. Espera-se que os resultados obtidos possam contribuir para gerar informações e facilitar a tomada de decisão pelos gestores de saúde.

Biografia do Autor

Luis Eduardo Maurer da Silva
Possui graduação em Administração pelo Centro Universitário Franciscano (2014).Especialista em Estatística e Modelagem Quantitativa pela Universidade Federal de Santa Maria.
Luciane Flores Jacobi, Universidade Federal de santa Maria (UFSM)

Licenciada em matemática Plena, Especialista em Estatística e Modelagem Quantitativa, Mestre em Engenharia de Produção, Doutara em Agronomia, todos pela UFSM.

Professora Associada do Departamento de Estatística da UFSM.

Alessandro Dal’Col Lúcio, Universidade Federal de Santa Maria
Possui graduação em Agronomia pela Universidade Federal do Espirito Santo (1994), mestrado em Agronomia pela Universidade Federal de Santa Maria (1997), doutorado em Agronomia (Produção Vegetal) [Jaboticabal] pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (1999) e pós-doutorado no Instituto Politécnico de Bragança [Portugal] (2015). É professor titular do Departamento de Fitotecnia do Centro de Ciências Rurais da Universidade Federal de Santa Maria e líder do grupo de pesquisa Experimentação registrado no CNPq. Atualmente é associado e ocupa o cargo de Conselheiro da Região Brasileira da Sociedade Internacional de Biometria - RBRAS, é membro da The International Biometric Society, da Associação Brasileira de Horticultura - ABH e da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência - SBPC. Editor de área (Estatística), nas revistas científicas Ciência Rural, Sigmae e Revista Brasileira de Fruticultura. Integrante da Comissão de consultores da área de Ciências Agrárias I da CAPES, participando da avaliação de acompanhamento de Programas de Pós-graduação, na avaliação APCN e no Prêmio CAPES de Teses. Tem experiência na área de Probabilidade e Estatística, com ênfase em Experimentação Agrícola, atuando principalmente nos seguintes temas: planejamento de experimentos, precisão experimental, ambiente protegido, amostragem e variabilidade.

Referências

ANTUNES, J. L. F.; CARDOSO, M. R. A. Uso da análise de séries temporais em estudos epidemiológicos. Epidemiologia e Serviços de Saúde, v. 24, n. 3, p. 565–576, 2015.

ARAÚJO, J. P. et al. Tendência da Mortalidade por Acidente Vascular Cerebral no Município de Maringá, Paraná entre os Anos de 2005 a 2015. International Journal of Cardiovascular Sciences. v. 31, n. 1, p. 56-62, 2018.

BIERNATH, A. O cerco ao AVC: como ele funciona e o que fazer para reduzir os casos. Saúde. 29 out 2018. URL https://saude.abril.com.br/medicina/como-o-avc-funciona-e-o-que-fazer-para-reduzir-os-casos/

CARVALHO, B. M. Perfil de mortalidade por doenças cardiovasculares na Região Metropolitana de Recife, segundo o Sistema de Informação sobre Mortalidade (SIM), Inf Epidemiol SUS, v. 4, p.61–71, 1996.

GARRITANO, C. R.; LUZ, P. M.; PIRES, M. L. E.; BARBOSA, M. T. S.; BATISTA, K. M. Análise da Tendência da Mortalidade por Acidente Vascular Cerebral no Brasil no Século XXI. Arquivos Brasileiros de Cardiologia, v. 98, p. 519–527, 2012.

GUJARATI, D. N. Econometria básica. 5. ed. Porto Alegre: MAGH, 2011.

LADEIA, A. M; LIMA, B. G. C. Hipertensão arterial sistêmica e comorbidades associadas: relevância epidemiológica do acidente vascular cerebral no Brasil. Revista Hipertensão, v. 17, n. 3-4, p. 156-162, 2014.

LAURENTI, R.; JORGE, M. H. P. DE M.; GOTLIEB, S. L. D. Mortalidade segundo causas: considerações sobre a fidedignidade dos dados. Revista Panamericana de Saúde Pública, v. 23, n. 5, p. 349–356, 2008.

LIMA, C. M. G. et al. Características epidemiológicas e clínicas dos pacientes acometidos por acidente vascular cerebral. J Health Sci Inst., v. 33, n. 1, p. 45-49, 2015.

LOURO, P. Acidente Vascular Cerebral na Infância e na Adolescência. 2010. Dissertação (Mestrado Integrado em Medicina) – Universidade da Beira Interior, Covilhã, 2010.

PARADELLA, R. Número de idosos cresce 18% em 5 anos e ultrapassa 30 milhões em 2017. Agência IBGE Notícias. 01/10/2018. URL https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/agencia-noticias/2012-agencia-de-noticias/noticias/20980-numero-de-idosos-cresce-18-em-5-anos-e-ultrapassa-30-milhoes-em-2017.

PINHEIRO, H. A.; VIANNA, L. G. Taxa de Mortalidade Específica por Doenças Cerebrovasculares no Distrito Federal entre 1995 e 2005. Rev Neurocienc., v. 20, n.4, p. 488-493, 2012.

ROUQUAYROL, M. Z. Epidemiologia & Saúde. 7 ed. Rio de Janeiro: Medbook, 2013.

SOCIEDADE BRASILEIRA DE DOENÇAS CEREBROVASCULARES. Sociedade Brasileira de Doenças Cerebrovasculares - SBDCV. 2016. URL http://www.sbdcv.org.br/publica_campanhas.asp

SOUZA, T.; SGARBI, K. SUS registra 35 internações diárias por AVC no RS. Diário de Canoas, Canoas, 28 out. 2015. URL http://www.diariodecanoas.com .br/_conteudo/2015 /10/noticias/regiao/234480-sus-registra-35-internacoes-diarias-por-avc-no-rs.html

ULTREMARE, F. O. O crescimento da produtividade e o zoneamento agrícola de riscos climáticos. Congresso Brasileiro de Agrometeorologia, 2009. URL http://ainfo.cnptia.embrapa.br/digital/bitstream/item/16856/1/344.pdf

WERKEMA, M. C. C.; AGUIAR, S. Análise de regressão: como entender o relacionamento entre as variáveis de um processo. Belo Horizonte: Werkema, 1996.

Publicado
29-07-2019