Análise de agrupamento da velocidade do vento no Nordeste do Brasil

Lêda Valéria Ramos Santana, Antonio Samuel Alves da Silva

Resumo


O presente trabalho objetiva identificar padrões no comportamento da velocidade do vento para a regi~ao Nordeste do Brasil. Foram utilizadas 94 séries históricas de velocidade do vento disponibilizadas pelo INMET com registros coletados as 00 e 12h (UTC), durante o período de 1961 a 2016. Nas análises utilizou-se o método hierárquico de agrupamento, por meio de diferentes medidas de dist^ancia (Euclidiana, Maximum, Manhattan, Canberra, Minkowski) e de agrupamento (Ward.D, Single, Complete, Average, Mcquitty, Median, Centroid) e, a partir do coeficiente de correlação cofenética foi escolhida a distância de canberra como medida de dissimilaridade e a média como medida de agrupamento. Os resultados apresentaram três grupos, o grupo 1 contendo 15 (15,96%) estações com menor médias da velocidade do vento, dispostas no Sul do Maranhão, Piauí e Oeste da Bahia. O grupo 2, correspondendo a 36 (38; 3%) estações distribuídas portodos os estados exceto o RN. O grupo 3, apresentando 43 (45; 74%) das 94 estações concentrando-as desde o estado do CE até AL e, com algumas estações na BA, ambas possuem maior média de velocidade do vento. O agrupamento permitiu a concentração de estações com desempenhos semelhantes em regiões distintas.

Palavras-chave


padrões; INMET; agrupamneto.

Texto completo:

PDF

Referências


ABEEÓLICA. Associação Brasileira de Energia Eólica. 2019. Disponível em: http://www.abeeolica.org.br/energia-eolica-o-setor/.

AMARANTE, O. A. et al. Atlas do potencial eólico brasileiro. [s.n.], 2001. Disponível em: hhttp://www.cresesb.cepel.br/index.php?section=publicacoes&task=&cid=1.

ANDERBERG, M. R. Cluster Analysis for Applications. First edition, first printing. [S.l.]: Elsevier Inc, Academic Press, 1973.

CAMELO, H. do N. et al. Predição de velocidade do vento em regiões do Nordeste brasileiro através de regressão linear e não linear para fins de geração eólica (wind speed prediction in areas of northeastern Brazil through linear regression and nonlinear for wind power). Revista Brasileira de Geografia Física, v. 9, n. 3, p. 927-939, 2016.

CARNEIRO, T. C.; CARVALHO, P. C. M. de. Caracterização de potencial eólico: estudo de caso para Maracanaú (CE), Petrolina (PE) e Parnaíba (PI). Revista Brasileira de Energia Solar, v. 6, n. 1, 2015.

CARREON-SIERRA, S. et al. Cluster analysis of the wind events and seasonal wind circulation patterns in the mexico city region. Atmosphere, Multidisciplinary Digital Publishing Institute, v. 6, n. 8, p. 1006{1031, 2015.

CLIFTON, A.; LUNDQUIST, J. K. Data clustering reveals climate impacts on local wind phenomena. Journal of Applied Meteorology and Climatology, v. 51, n. 8, p. 1547{1557, 2012.

DE ARAUJO, A. J. et al. Correlações de longo alcance em séries temporais de velocidade do vento no Nordeste. Sigmae, v. 2, n. 3, p. 81{84, 2015.

DE OLIVEIRA, S. M.; STOSIC, T.; STOSIC, B. D. Long-term correlations in hourly

wind speed records in Pernambuco, Brazil. Physica A: Statistical Mechanics and

its Applications, Elsevier, v. 391, n. 4, p. 1546-1552, 2012.

GWEC, G. W. P. C. Global Wind Energy Outlook. [S.l.]: Brussels, 2017.

KAUFMAN, L.; ROUSSEEUW, P. J. Finding groups in data: an introduction to

cluster analysis. [S.l.]: John Wiley & Sons, 2005.

LIRA, M. A. T. et al. Caracterização do Regime de Ventos no Piauí Para o

Aproveitamento de Energia Eólica. Revista Brasileira de Meteorologia, scielo, v. 32, p. 77-88, 03 2017. ISSN 0102-7786. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sciarttext&pid=S0102-77862017000100077&nrm=iso.

OLIVEIRA, J.; COSTA, A. Estudo de variabilidade do vento em escala sazonal sobre

o Nordeste brasileiro utilizando o rams: Os casos de 1973-1974 e 1982-1983. Revista

Brasileira de Meteorologia, v. 26, n. 1, p. 53-66, 2011.

RENOVAENERGIA. Companhia Brasileira de Geração de Energia Renovável.

Disponível em: http://www.renovaenergia.com.br/pt-br/nossos-negocios/eolica/

Paginas/default.aspx.

SANTANA, L. V. R. et al. Spatial analyses of wind speed in the North-Brazil with data

from ERA-40. REVISTA BRASILEIRA DE BIOMETRIA, v. 33, n. 3, p. 414{432,

SILVA, B. B. et al. Potencial eólico na direção predominante do vento no Nordeste

brasileiro. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, Departamento

de Engenharia Agrícola-UFCG, 2002.

SILVA, B. B. d. et al. Variabilidade espacial e temporal do potencial eólico da direção

predominante do vento no Nordeste do Brasil. Revista Brasileira de Meteorologia,

v. 19, n. 2, p. 189{202, 2004.

SOKAL, R. R.; ROHLF, F. J. The comparison of dendrograms by objective methods.

Taxon, JSTOR, v. 11, n. 2, p. 33{40, 1962.

VENTOS, C. dos. Casa dos Ventos. 2019. Disponível em: http://casadosventos.com.

br/pt/projetos/parques-eolicos.

WEBER, R. O.; KAUFMANN, P. Automated classification scheme for wind fields.

Journal of Applied Meteorology, v. 34, n. 5, p. 1133-1141, 1995.