Ajuste de modelo de análise de sobrevivência para dados de tuberculose do município de Patos de Minas - Minas Gerais

  • Bruno Henrique Gomes
  • Fabrícia Matos Oliveira FAMAT/UFU

Resumo

A tuberculose tem sido uma das doenças mais estudadas nos seus aspectos biológico, epidemiológico, diagnóstico, terapêutico e profilático. No entanto essa doença teima em persistir, em nível mundial, causando sofrimento humano e morte em pleno século XXI. Com isso há a necessidade de estudos epidemiológicos associados a técnicas estatísticas, como, a Análise de Sobrevivência, que têm como objetivo estudar dados de experimentos em que a variável resposta é, geralmente, o tempo até a ocorrência de um evento de interesse, sendo muito aplicada na área médica. Neste trabalho foi utilizado o modelo paramétrico AFT para modelar o tempo até a cura  em função das covariáveis consideradas, determinando a distribuição que melhor se ajusta aos dados, para analisar o efeito de covariáveis no tempo até a ocorrência de um dos eventos, morte por tuberculose ou cura em 437 pacientes detectados com tuberculose atendidos pela Secretaria Regional de Saúde, da cidade de Patos de Minas - MG, no período de 2003 a 2012. Concluiu-se, em relação à covariável sexo, que um paciente do sexo feminino tem 109,38\% a mais na probabilidade de cura que pacientes do sexo masculino. Os resultados sugerem ainda pacientes do município de Patos de Minas tem 259,18\% a mais na probabilidade de cura que pacientes de outras regiões.

Referências

CHIRINOS, N. E. C.; MEIRELLES, B. H. S. Fatores Associados ao Abandono do Tratamento da Tuberculose: uma revisão integrativa. Texto & Contexto - Enfermagem. Florianópolis, v. 20, n. 3, p.599-606, Jul. 2011. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/tce/v20n3/23.pdf. Acesso em: 05 mar. 2014.

COLOSIMO, E. A.; GIOLO, S. R. Analise de sobrevivência aplicada. São Paulo: Edgard Blucher, 2006.

HIJJAR, M. A.; OLIVEIRA, M. J. P. R.; TEIXEIRA, G. A tuberculose no Brasil e no mundo. Boletim de Pneumologia Sanitária, Rio de Janeiro, v. 9, n. 2, p.9-16, dez. 2001.

MEDRONHO, R. A; BLOCH, K. V; LUIZ, R.R; WERNECK, G. Epidemiologia. São Paulo: Atheneu, 2006.

MINISTERIO DA SAUDE (MS). Manual de recomendações para o controle da tuberculose no Brasil. Brasília, 2011.

R CORE TEAM. R: A language and environment for statistical computing. R Foundation for Statistical Computing, Vienna, Austria. 2012. ISBN 3-900051-07-0, URL http://www.R-project.org/.

SOUZA, M. V. N.A tuberculose e o desenvolvimento de novos tuberculostaticos em Far-Manguinhos (FIOCRUZ) no Rio de Janeiro. Revista Virtual de Química: Rio de Janeiro, v. 1, n. 1, p.9-16, fev, 2009. Disponível em: . Acesso em: 03 mar. 2014.

WORLD HEALTH ORGANIZATION (WHO).Global Tuberculosis Report. Geneva, 2013. Disponível em: http://www.who.int/tb/publications/global/report/en/. Acesso em: 03 mar. 2014.

WORLD HEALTH ORGANIZATION (WHO).Global Tuberculosis Report. Geneva, 2012. Disponível em: http://www.who.int/tb/publications/global/report/en/. Acesso em: 28 jan. 2014.

Publicado
11-11-2015
Seção
Applied Statistics