Uma análise empírica do Empreendedorismo: Necessidade ou Inovação?

  • Rafaela Silva Gomes Universidade Federal de Alfenas
  • Vitória Régia Lopes dos Santos Universidade Federal de Alfenas
  • Luciene Resende Gonçalves Universidade Federal de Alfenas
Palavras-chave: Empreendedorismo, informalidade, competitividade

Resumo

É de aceitação geral que o empreendedorismo desempenha um papel de grande relevância no crescimento e desenvolvimento econômico. Por tal importância, o assunto é discutido com frequência tanto no meio acadêmico como midiático, porém vários termos e questões permanecem vagos, carecendo de vigor descritivo. Assim, o presente artigo objetiva realizar uma discussão criteriosa acerca das diferenças entre trabalho informal e empreendedorismo, levantado literaturas que contraponha a visão mais generalista propagada pelos meios de informação mais influentes. Acompanhado dessa discussão teórica foi realizada regressão linear múltipla com objetivo verificar quais variáveis podem diminuir ou aumentar a atividade empreendedora. Foram estudados e comparados 52 países, com diferentes características, presentes nos estudos GEM. Se constatou a influência da taxa de desemprego e dos pilares da competitividade definidos pelo GCI (a saber: instituições, ambiente macroeconômico Ensino e treinamento superior, Desenvolvimento do Mercado, Prontidão tecnológica, Tamanho do mercado, Inovação) na promoção do empreendedorismo. Todos os pressupostos da pesquisa foram atendidos e as variáveis utilizadas no trabalho obtiveram um nível de significância razoável para o modelo proposto.

Referências

ACS, Z.J.; AMORÓS, J.E. Entrepreneurship and competitiveness dynamics in Latin America. Small Business Economics, Springer, vol. 31, n.3, p. 305-322, 2008.

AMORÓS, J. E.; FERNÁNDEZ, C; TAPIA, J. International Entrepreneurship and Quantifying the relationship between entrepreneurship and competitiveness development stages in Latin America. International Entrepreneurship and Management Journal, v. 8, n. 3, p. 249-270, 2012.

AUDRETSCH, D. B.; CARREE, M. A.; STEL, A. J. V.; THURIK, R. Does self-employment reduce unemployment? Journal of Business Venturing, v. 23, n.6, p. 673-686, 2008.

BARROS, A.A.; PEREIRA, C.M.M.A. Empreendedorismo e Crescimento Econômico: uma Análise Empírica. Revista de Administração Contemporânea, v. 12, n. 4, p. 975- 993, 2008.

BARROS, R. P.; CAMARGO, J. M.; MENDONÇA, R. A estrutura do desemprego no Brasil. Rio de Janeiro: IPEA, 1997.

BAUMOL, W. J. Entrepreneurship: Productive, unproductive, and destructive. Journal of Business Venturing, v. 11, n. 1, p. 3-22, 1996.

BLANCHFLOWER, D. G. Self-employment in OECD countries. Labour Economics, v. 7, n. 5, p. 471-505, 2000.

BLANCHFLOWER, D. G.; MEYER, B. A longitudinal analysis of young entrepreneurs in Australia and the United States. Small Business Economics, v. 6, n. 1, p. 1-20, 1994.

BOSMA, N.; LEVIE, J. GLOBAL ENTREPRENEURSHIP MONITOR: 2009 Global Report. Wellesley: Babson College, 2010.

BRASIL. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Notícias: Trabalho informal faz desemprego cair. Disponível em: <https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/agencia-noticias/2012-agencia-de-noticias/noticias/16155-trabalho-informal-faz-desemprego-cair.html>. Acesso em: 12 de janeiro de 2019.

CACCIAMALI, M. C. Globalização e Processo de Informalidade. Economia e Sociedade, Campinas, Unicamp, Instituto de Economia, n. 14, p. 153-174, jun. 2000.

EVANS, D. S.; JOVANOVIC, B. Estimates of a model of entrepreneurship choice under liquidity constraints. Journal of Political Economy, n. 97, v. 3, p. 657-674, 1989

FILION, L. J. Defining the entrepreneur. World encyclopedia of entrepreneurship, v. 41, 2011.

______, L. J. Diferenças entre sistemas gerenciais de empreendedores e operadores de pequenos negócios. Revista de Administração de Empresas, v. 39, n. 4, p. 6-20, 1999.

______, L. J. Empreendedorismo e gerenciamento: processos distintos, porém complementares. Revista de Administração de Empresas, v. 40, n. 3, p. 8-17, 2000.

GRETL. 2019. Acrônimo de GNU Regression, Econometrics and Time-series Library. Econometric software for the GNU generation. Disponível em: <http://gretl.sourceforge.net/pt.html>. Acesso em: 20 de janeiro de 2019.

HAYEK, F. A. Economics and knowledge. Economica, v. 4, n. 13, p. 33-54, 1937.

______, F. A. et al. The meaning of competition. Individualism and economic order, v. 92, p. 98, 1948.

______, F. A. The use of knowledge in society. The American economic review, v. 35, n. 4, p. 519-530, 1945.

HAIR, J. F., Jr.; ANDERSON, R. E.; TATHAM, R. L.; BLACK, W. C. Análise multivariada de dados. 5ª ed. Porto Alegre: Bookman, 2005.

KIRZNER, I. M. Competição e atividade empresarial. 2ª ed. São Paulo: Instituto Ludwig von Mises Brasil, 2012.

______, I. M. The alert and creative entrepreneur: A clarification. Small Business Economics, v. 32, n. 2, p. 145-152, 2009.

KNIGHT, F. H. Risk, uncertainty and profit. New York: Houghton Mifflin, 1921.

KREIN, J. D.; PRONI, M. W. Economia informal: aspectos conceituais e teóricos. Série Trabalho Decente no Brasil. Documento de trabalho, Brasília-OIT, v. 1, n. 4, 39 p., 2010. Disponível: <http://www.oit.org.br/sites/default/files/topic/employment/pub/economia_informal_241.pdf>. Acesso em: 12 de janeiro de 2019.

MACHADO, H. P. V.; NASSIF, V. M. J. Réplica-Empreendedores: Reflexões sobre Concepções Históricas e Contemporâneas. RAC-Revista de Administração Contemporânea, v. 18, n. 6, 2014.

MARRAS, J. P. Relações Trabalhistas no Brasil. São Paulo: Futura, 20001

MENDENHALL, W.; & SINCICH, T. A second course in business statistics: regression analysis. 4ª ed. New York: Macmillan, 1993.

MENDES, M. F. R. O mercador de rua – Trabalho, cotidiano e perspectivas. Franca: Dissertação de mestrado da Faculdade de História, Direito e Serviço Social – UNESP, 2001.

MISES. L. V. Human Action, A Treatise on Economics. London: W. Hodge, 1949

OIT - ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO. Employment, income and equality: a strategy for increasing employment in Kenya. Genebra: OIT, 600 p., 1972.

ROCHA, V. C. et al. The entrepreneur in economic theory: from an invisible man toward a new research field. FEP, Economics and Management, 2012.

SEBRAE- 2019- Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas – Disponível em:< http://www.sebrae.com.br/sites/PortalSebrae> Acesso em: 20 de Janeiro de 2019.

STEL, A.V; CARREE, M.; THURIK, A. R. The effect of entrepreneurial activity on national economic growth. Small Business Economics, v. 24, n.3, p. 311-321, 2005.

Publicado
29-07-2019