VENDAS DE METILFENIDATO: UMA ANÁLISE EMPÍRICA NO BRASIL NO PERÍODO DE 2007 A 2014

Rafaela Silva Gomes, Luciene Resende Gonçalves, Vitória Régia Lopes dos Santos

Resumo


O aumento de vendas de medicamentos psicofármacos, usados em larga escala para tratamento de distúrbios psicológicos, comportamentais e educacionais, observados principalmente entre crianças e adolescentes vem sendo motivo de preocupação e atenção pela sociedade atual. O metilfenidato comercializado no Brasil com os nomes comerciais Ritalina®, Ritalina LA® e Concerta® apresentou um aumento constante nas vendas ao longo dos últimos anos. O metilfenidato é um agente estimulante do sistema nervoso central, indicado como auxiliar de intervenções psicológicas, educacionais e sociais no tratamento de distúrbios de hiperatividade. Neste trabalho será utilizada a estatística descritiva e a técnica de séries temporais para análise das Vendas de Metilfenidato no período entre 2007 e 2014. As estimativas prévias poderão contribuir para uma maior conscientização da população em relação ao uso do medicamento. O SARIMA (0,1,0) (1,1,0) foi o modelo que se ajustou mais adequadamente aos dados.


Palavras-chave


Estatística descritiva, Metilfenidato, SARIMA, Séries Temporais.

Texto completo:

PDF

Referências


ALÓE, F. et al. Brazilian guidelines for the diagnosis of narcolepsy. Revista Brasileira de Psiquiatria, v. 32, n. 3, p. 294-305, 2010.

ANVISA. Boletim Brasileiro de Avaliação de Tecnologias em Saúde (BRATS). Metilfenidato no tratamento de crianças com transtorno de déficit de atenção e hiperatividade. Ano 8, nº 23: março de 2014. Disponível em: . Acesso em: 03 de maio de 2018.

ARRUDA, M. A. TDAH no Brasil, o que a Folha de SP não mostrou. Instituto Glia, 2011. Disponível em: < http://www.aprendercrianca.com.br/index.php?option=com_content&view=article&id=291:tdah-no-brasil-o-que-a-folha-de-sp-nao-mostrou&catid=1:timas&Itemid=147>. Acesso em: 29 de maio de 2018.

BRANT, L. C.; CARVALHO, T. R. F. Methylphenidate: medication as a “gadget" of contemporary life. In: Comunicação, Saúde, Educação, v. 16, n. 42, p. 623-636. 2012.

BOX, G.E.P.; JENKINS, G.M.; REINSEL, G. C. Análise, Previsão e Controle de Séries Temporais, 3ª ed. Prentice Hall, Englewood Clifs, NJ, 1994.

BRZOZOWSKI, F. S.; CAPONI, A. N. Medicalização dos Desvios de Comportamento na Infância: Aspectos Positivos e Negativos. Psicologia Ciência e Profissão, v. 33, n. 1, 2013, p. 208-221. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/pcp/v33n1/v33n1a16.pdf>. Acesso em: 27 de maio de 2018.

CARNEIRO, M. E.F. Transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (tdah): Um breve estudo acerca deste tema. 2014. 43 f. Monografia (graduação em Pedagogia) – Universidade Estadual da Paraíba, Centro de Humanidades, Guarabira. Disponível em: < http://docplayer.com.br/10679005-Transtorno-de-deficit-de-atencao-e-hiperatividade-tdah-um-breve-estudo-acerca-deste-tema.html>. Acesso em: 24 de janeiro de 2018.

CHATFIELD, C. Model uncertainty, data mining and statistical inference (with discussion). Journal of the Royal Statistical Society, Series A, 158, 419-466, 2000.

COELHO, J. et al. Perturbação de Hiperatividade e Défice de Atenção: casuística de um Centro Secundário Attention deficit and hyperactivity disorder: case series of a secondary center. Nascer e Crescer, Porto, v. 23, n. 4, 2014, p. 195-200. Disponível em: < http://www.scielo.mec.pt/pdf/nas/v23n4/v23n4a04.pdf>. Acesso em: 25 de maio de 2018.

CORREIA, V. R.; BARROS, S.; ALMEIDA, C. L. Saúde mental na atenção básica: prática da equipe de saúde da família. Revista da Escola de Enfermagem da USP, v. 45, n. 6, p. 1501-1506, 2011.

CRUZ, T.C.S.C. et al. Uso não prescrito de metilfenidato entre estudantes de medicina da UFBa. 2011.

DOMITROVIC, N. As Práticas Farmacológicas com o Metilfenidato: habitando fronteiras entre o acesso e o excesso. 2014. 109 f. Dissertação (Mestrado em Psicologia Institucional) – Universidade Federal DO Espírito Santo, Centro de Ciências Humanas e Naturais, Vitória. Disponível em: < http://portais4.ufes.br/posgrad/teses/tese_8488_NATHALIA%20DOMITROVIC.pdf>. Acesso em: 23 de maio de 2018.

ESHER, A.; COUTINHO, T. Uso racional de medicamentos, farmaceuticalização e usos do metilfenidato. Ciência & Saúde Coletiva, v. 22, p. 2571-2580, 2017.

FERREIRA, T.C.D. et al. Percepções e atitudes de professores de escolas públicas e privadas perante o tema drogas. Interface - Comunicação, Saúde, Educação, v.14, n.34, p.551-62, 2010.

GRETL. 2018. Acrônimo de GNU Regression, Econometrics and Time-series Library. Econometric software for the GNU generation. Disponível em: . Acesso em: 20 de dezembro de 2018.

ITABORAHY, C.; ORTEGA, F. O metilfenidato no Brasil: uma década de publicações. Ciência & Saúde Coletiva, v. 18, n. 3, 2013, p. 803-816. Acesso em: 24 de maio de 2018.

LEFÈVRE, F. O medicamento como mercadoria simbólica. São Paulo: Cortez, 1991.

LÜDKE, M.; ANDRÉ, M.E.D.A. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo, EPU, 1986.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Metilfenidato. 2012. Disponível em:

-.pdf>. Acesso em: 24 de maio de 2018.

MATOS, S. S. A biologização do sujeito da contemporaneidade: biopoder, violência e morte. In: II Congresso sul-americano de psicanálise sobre violência, culpa e ato: causas e efeitos subjetivos. Vol. 2, 2009.

MEIRA, M. E. M. (2012). For a critique of medicalization in education. Revista Semestral da Associação Brasileira de Psicologia Escolar e Educacional, São Paulo, v. 16, n. 1, jun. 2012: 135-142.

MOYSÉS, M. A. A. A institucionalização invisível – crianças que não-aprendem-na-escola. Campinas, SP: FAPESP/ Mercado de Letras, 2001.

MOYSÉS, M. A.A.; COLLARES, C. A. L. Controle e medicalização da infância. Desidades, n. 1, 2013, p. 1-21. Disponível em: . Acesso em: 25 de maio de 2018.

ONU. Report of the International Narcotics Control Board for 2014. United Nations: International Narcotics Control Board, 2015

ORTEGA, F. et al. A Ritalina no Brasil: produções, discursos e práticas. Interface-Comunicação, Saúde, Educação, v. 14, n. 34, p. 499-512, 2010.

PASTORELLO, J. et al. Possíveis causas do aumento do uso de metilfenidato nas crianças brasileiras. Anais de Medicina, 2016.

R Core Team. 2018. R: A Language and Environment for Statistical Computing. Vienna,

Austria: R Foundation for Statistical Computing. Disponível em:. Acesso em: 24 de setembro de 2018.

ROHDE, L. A. et al. Transtorno de déficit de atenção/hiperatividade. Revista Brasileira de Psiquiatria, v. 22, p. 07-11, 2000.

SANTOS, A. R. Metodologia Científica: a construção do conhecimento. 3. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2000.

SALVIANO, L. H. M. S. Estudo de segurança da Ritalina® (cloridrato de metilfenidato) em animais adultos: aspectos de neurotoxicidade e nefrotoxicidade. 2015. 149 f. Tese (Doutorado em desenvolvimento e inovação tecnológica em medicamentos) – Faculdade de Farmácia, Odontologia e Enfermagem, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2015.

SCIVIOLETTO, S.; MORIHISA, R. S. Conceitos básicos em dependência de álcool e outras drogas na adolescência. J. Bras. Depend. Quim. v.2, n.1, p.30-3, 2001.

SINITOX, Sistema Nacional de Informações Tóxicos Farmacológicos. Tabela de informação de casos registrados por trimestre de intoxicação no Brasil. Disponível em:< http://www.fiocruz.br/sinitox_novo/media/Tabela%205_2012.pdf>. Acesso em: 23 de maio de 2018.

UNITED NATIONS. Psychotropic substances for 2013: statistics for 2012 - Assessments of Annual Medical and Scientific Requirements for Substances in Schedule II, III and IV of the Convention on Psychotropic Substances of 1971. New York: United Nations Pubns; 2014.

UNITED NATIONS. Psychotropic substances for 2017: statistics for 2016 - Assessments of Annual Medical and Scientific Requirements for Substances in Schedule II, III and IV of the Convention on Psychotropic Substances of 1971 New York: United Nations Pubns; 2018.

WELCH, G, SCHWARTZ, L, WOLOSHIN, S. O que está nos deixando doentes é uma epidemia de diagnósticos. Jornal do Cremes, p. 12, fev. 2008.