APLICAÇÃO DO MODELO DE CREDIBILIDADE DE BÜHLMANN-STRAUB EM UMA OPERADORA DE SAÚDE SUPLEMENTAR, PARA PREVISÃO DE GASTOS NO ANO DE 2017.

Bruna da Costa Silva, Luísa Pimenta Terra

Resumo


Os custos assistenciais são utilizados pelas operadoras de saúde suplementar como parte do montante referente ao prêmio cobrado dos beneficiários. O objetivo deste trabalho é estudar e aplicar a metodologia da credibilidade não paramétrica de Bühlmann-Straub, com intuito de realizar estimativas com maior precisão sobre os custos assistenciais, logo estimou-se o custo médio de cada beneficiário, de acordo com as faixas etárias em relação a exames, internações e consultas no ano de 2017, os dados utilizados são de uma operadora de saúde não identificada. De acordo com os resultados obtidos, a faixa etária de 59 anos ou mais, é a que gera maior custo assistencial por beneficiário com exames e internações, além de conter maior número de beneficiários durante os cinco anos analisados. No entanto, a metodologia utilizada estima custos assistenciais de 2017 menores que os custos apresentados nos anos de 2015 e 2016. Com intuito de analisar o quão eficiente é esta metodologia, estimou também os custos assistenciais de 2016, cujos verdadeiros resultados já foram apresentados, constatando uma margem de erro acima do valor estimado igual a 24%, 32% e 21% respectivamente para consultas, exames e internações. Contudo, pode-se concluir que a teoria da credibilidade também possui uma margem de erro ao estimar os custos de 2017, onde a ferramenta metodológica utilizada possui limitações ao não considerar variáveis econômicas e sociais, que dificultam modelar um setor altamente volátil.

Palavras-chave


Credibilidade; Custos; Previsão.

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Agência Nacional de Saúde Suplantar. Manual de orientações DIOPSXML. 2008. Disponível em:

< http://www.ans.gov.br/images/stories/Legislacao/rn/anexo_rn0173.pdf> Acesso em: 18 agosto. 2017

BRASIL. Agência Nacional de Saúde Suplementar. Nota de esclarecimento sobre planos coletivos. 2013. Disponível em: . Acesso em: 18 de dezembro. 2017.

BRASIL. Agência Nacional de Saúde Suplantar. Painel de precificação de saúde.

Disponível em:

Acesso em: 22 janeiro. 2017

BRASIL. Agência Nacional de Saúde Suplantar. Quem Somos. Disponível em: . Acesso em: 19 junho. 2017

BRASIL. Constituição Federal. Vide ementa constitucional nº91, de 2016. Seção II, 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em: 10 de maio. 2017.

BRASIL. BBC. Número de idosos vai quadruplicar em 2060, diz IBGE. 2013. Disponível em: < http://www.bbc.com/portuguese/noticias/2013/08/130829_demografia_ibge_populac ao_brasil_lgb>. Acesso em: 13 de maio. 2017.

BÜJLMANN; STRAUB. “Credibility for Loss Ratios” (Translated byC.E. Brooks), ARCH, 1972.2 (1972).

CONASS. Saúde Suplementar: coleção para entender a gestão do SUS. 1. ed. Brasília, 2011. 148 p.

IESS. Guia da saúde suplementar, 2013. Disponível em: < http://documents.scribd.com.s3.amazonaws.com/docs/jwfnp1a4g3pcsuj.pdf>. Acesso em: 22 de janeiro, 2017.

IESS. Muitos falam sobre o VCMH/IESS. Mas quem realmente sabe o que é?, 2016. Disponível em: . Acesso em 26 de outubro de 2017.

MENDES, LEAL.; BOAVENTURA, MATOS. João. Planos de saúde: uma análise dos custos assistenciais e seus componentes. RAE-Revista de Administração de Empresas, v. 49, n. 4, 2009.

NETO, LIMA.; ALVES, LEAL. Um Modelo Hierárquico de Credibilidade para Avaliação Setorial das Despesas Médico-Hospitalares. Rev Brasileira de Risco e Seguro, v. 7, n. 14, p. 65-82, 2012.

PIETROBON, LOUISE.; LENISE. MARTHA.; CAETANO, JOÃO. Saúde suplementar no Brasil: o papel da Agência Nacional de Saúde Suplementar na regulação do setor. Physis-Revista de Saúde Coletiva, v. 18, n. 4, 2008.

REIS, ALFREDO. Teoria da Credibilidade: uma síntese. 1987. Tese de Doutorado. Instituto Superior de Economia e Gestão.

TSE. Nonlife Actuarial Models, Methods and Evaluation. 1. ed. New York, 2009. 521 p.

VERAS, RENATO. Envelhecimento populacional contemporâneo: demandas, desafios e inovações. Rev Saúde Pública, v. 43, n. 3, p. 548-54, 2009.

VERAS, RENATO.; PARAHYBA, ISABEL. O anacronismo dos modelos assistenciais para os idosos na área da saúde: desafios para o setor privado Anachronic health care models for the elderly: challenges for the private sector. Cad. saúde pública, v. 23, n. 10, p. 2479-2489, 2007.