APLICAÇÃO DO MODELO DE CREDIBILIDADE DE BÜHLMANN-STRAUB EM UMA OPERADORA DE SAÚDE SUPLEMENTAR, PARA PREVISÃO DE GASTOS NO ANO DE 2017.

  • Bruna da Costa Silva Universidade Federal de Alfenas/Discente
  • Luísa Pimenta Terra Universidade Federal de Alfenas/Docente
Palavras-chave: Credibilidade, Custos, Previsão.

Resumo

Os custos assistenciais são utilizados pelas operadoras de saúde suplementar como parte do montante referente ao prêmio cobrado dos beneficiários. O objetivo deste trabalho é estudar e aplicar a metodologia da credibilidade não paramétrica de Bühlmann-Straub, com intuito de realizar estimativas com maior precisão sobre os custos assistenciais, logo estimou-se o custo médio de cada beneficiário, de acordo com as faixas etárias em relação a exames, internações e consultas no ano de 2017, os dados utilizados são de uma operadora de saúde não identificada. De acordo com os resultados obtidos, a faixa etária de 59 anos ou mais, é a que gera maior custo assistencial por beneficiário com exames e internações, além de conter maior número de beneficiários durante os cinco anos analisados. No entanto, a metodologia utilizada estima custos assistenciais de 2017 menores que os custos apresentados nos anos de 2015 e 2016. Com intuito de analisar o quão eficiente é esta metodologia, estimou também os custos assistenciais de 2016, cujos verdadeiros resultados já foram apresentados, constatando uma margem de erro acima do valor estimado igual a 24%, 32% e 21% respectivamente para consultas, exames e internações. Contudo, pode-se concluir que a teoria da credibilidade também possui uma margem de erro ao estimar os custos de 2017, onde a ferramenta metodológica utilizada possui limitações ao não considerar variáveis econômicas e sociais, que dificultam modelar um setor altamente volátil.

Biografia do Autor

Bruna da Costa Silva, Universidade Federal de Alfenas/Discente
Mestranda em Estatística e Experimentação Agropecuária pela Universidade Federal de Lavras - MG (UFLA), graduada em Ciências Atuariais pela Universidade Federal de Alfenas - MG (UNIFAL) e também graduada no Bacharelado Interdisciplinar em Ciência e Economia pela mesma instituição.
Luísa Pimenta Terra, Universidade Federal de Alfenas/Docente

Referências

BRASIL. Agência Nacional de Saúde Suplantar. Manual de orientações DIOPSXML. 2008. Disponível em:

< http://www.ans.gov.br/images/stories/Legislacao/rn/anexo_rn0173.pdf> Acesso em: 18 agosto. 2017

BRASIL. Agência Nacional de Saúde Suplementar. Nota de esclarecimento sobre planos coletivos. 2013. Disponível em: <http://www.ans.gov.br/a-ans/sala-denoticias-ans/consumidor/2151-nota-de-esclarecimento-sobre-planos-coletivos>. Acesso em: 18 de dezembro. 2017.

BRASIL. Agência Nacional de Saúde Suplantar. Painel de precificação de saúde.

Disponível em:

<http://www.ans.gov.br/images/stories/Materiais_para_pesquisa/Perfil_setor/Foco/pa inel_precificacao2015_completo.pdf> Acesso em: 22 janeiro. 2017

BRASIL. Agência Nacional de Saúde Suplantar. Quem Somos. Disponível em: <http://www.ans.gov.br/aans/quem-somos >. Acesso em: 19 junho. 2017

BRASIL. Constituição Federal. Vide ementa constitucional nº91, de 2016. Seção II, 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em: 10 de maio. 2017.

BRASIL. BBC. Número de idosos vai quadruplicar em 2060, diz IBGE. 2013. Disponível em: < http://www.bbc.com/portuguese/noticias/2013/08/130829_demografia_ibge_populac ao_brasil_lgb>. Acesso em: 13 de maio. 2017.

BÜJLMANN; STRAUB. “Credibility for Loss Ratios” (Translated byC.E. Brooks), ARCH, 1972.2 (1972).

CONASS. Saúde Suplementar: coleção para entender a gestão do SUS. 1. ed. Brasília, 2011. 148 p.

IESS. Guia da saúde suplementar, 2013. Disponível em: < http://documents.scribd.com.s3.amazonaws.com/docs/jwfnp1a4g3pcsuj.pdf>. Acesso em: 22 de janeiro, 2017.

IESS. Muitos falam sobre o VCMH/IESS. Mas quem realmente sabe o que é?, 2016. Disponível em: <https://www.iess.org.br/?p=blog&id=184>. Acesso em 26 de outubro de 2017.

MENDES, LEAL.; BOAVENTURA, MATOS. João. Planos de saúde: uma análise dos custos assistenciais e seus componentes. RAE-Revista de Administração de Empresas, v. 49, n. 4, 2009.

NETO, LIMA.; ALVES, LEAL. Um Modelo Hierárquico de Credibilidade para Avaliação Setorial das Despesas Médico-Hospitalares. Rev Brasileira de Risco e Seguro, v. 7, n. 14, p. 65-82, 2012.

PIETROBON, LOUISE.; LENISE. MARTHA.; CAETANO, JOÃO. Saúde suplementar no Brasil: o papel da Agência Nacional de Saúde Suplementar na regulação do setor. Physis-Revista de Saúde Coletiva, v. 18, n. 4, 2008.

REIS, ALFREDO. Teoria da Credibilidade: uma síntese. 1987. Tese de Doutorado. Instituto Superior de Economia e Gestão.

TSE. Nonlife Actuarial Models, Methods and Evaluation. 1. ed. New York, 2009. 521 p.

VERAS, RENATO. Envelhecimento populacional contemporâneo: demandas, desafios e inovações. Rev Saúde Pública, v. 43, n. 3, p. 548-54, 2009.

VERAS, RENATO.; PARAHYBA, ISABEL. O anacronismo dos modelos assistenciais para os idosos na área da saúde: desafios para o setor privado Anachronic health care models for the elderly: challenges for the private sector. Cad. saúde pública, v. 23, n. 10, p. 2479-2489, 2007.

Publicado
29-07-2019