Novo modelo não linear para descrever curvas de crescimento de coelhos da raça Nova Zelândia

Denise Stéphanie de Almeida Ferreira, André Luiz Pinto dos Santos, Jucarlos Rufino de Freitas, Mickaelle Maria de Almeida Pereira, Luiz Carlos Machado, Maria Lindomárcia Leonardo da Costa, Guilherme Rocha Moreira

Resumo


Avaliaram-se curvas de crescimento de coelhos da raça Nova Zelândia. Para estimar o crescimento em função do peso-idade, utilizaram-se os modelos: proposto, Logístico, Gompertz e Von Bertalanffy. Os critérios utilizados para indicação do modelo que melhor descreveram a curva de crescimento foram: o coeficiente de determinação (R2), o desvio médio absoluto (DMA), quadrado médio dos resíduos (QMR), Critério de informação de Akaike (AIC), e Critério de informação de Bayesiano (BIC). Testes de Shapiro-Wilk foram realizados para verificar o pressuposto de normalidade residual; Durbin-Watson, para verificar a independência; e o teste de Breusch-Pagan, para verificar a homocedasticidade dos resíduos. O modelo que apresentou a maior estimativa de peso a maturidade (A), levando em consideração a coerência biológica, foi o modelo Logístico (3006 g), seguido pelo o proposto (2459,84 g). A taxa de crescimento dos animais (k) foi superior no modelo Logístico (0,05), seguido pelo Proposto (0,04), Gompertz (0,02), e Von Bertalanffy (0,02).  O R2 foi semelhante entre os modelos. Entretanto, o modelo Logístico apresentou menores valores de DMA, QMR, AIC e BIC, sendo caracterizado como o de melhor ajuste. Logo, dentre os demais modelos analisados, o Logístico e o Proposto podem serem utilizados para descrever curvas de crescimento de coelhos da raça Nova Zelândia, de acordo com a metodologia e condições em que foi desenvolvido o presente estudo.

Palavras-chave


Cunicultura; Produção animal; Seleção de modelos

Texto completo:

PDF

Referências


AKAIKE, H. Information theory and an extension of the maximum likelihood principle. In: PROC. SECOND INTERNATIONAL SYMPOSIUM ON INFORMATION THEORY, SUPP. TO PROBLEMS OF CONTROL AND INFORMATION THEORY, p. 267-281, 1972.

BARBOSA, P. F. Raças e estratégias de cruzamento para produção de novilhos precoces. In: SIMPÓSIO DE PRODUÇÃO DE GADO DE CORTE, 1., Viçosa, MG. Anais...Viçosa: UFV, 1999. p. 01-19.

BONAMIGO, A.; DUARTE, C.; WINCK, C. A.; SEHNEM. S. Produção da carne cunícula no Brasil como alternativa sustentável. Revista em Agronegócio e Meio Ambiente, v. 10, n. 4, p. 1247-1270, 2017.

BROWER, M. Practioner’s guide to pocket pet and rabbit theriogenology. Theriogenology, v. 66, n. 3, p. 618-623, 2006.

CURI, P. R.; NUNES, J. R. V.; CURI, M. A. Modelos matemáticos para estimar o peso de coelhos. Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília, v. 20, n. 7, p. 853-863, 1985.

DE ASSUMPÇÃO MAZZINI, A R.; MUNIZ, J. A.; SILVA, F. F.; de AQUINO, L. H. Curva de crescimento de novilhos Hereford: heterocedasticidade e resíduos autorregressivos. Ciência Rural, v. 35, n. 2, p. 422-427, 2005.

DENARDIN, I. T.; BRUM JÚNIOR, B. S.; DIONELLO, N. J. L.; SEVERO, M. M.; NIGELISKII, A. F.; LICINIO, A. S.; SANTOS, D. R. Desempenho, características de carcaça e órgãos de coelhos filhos de matrizes oriundas de dois cruzamentos. Science and Animal Health, v. 3, n. 2, p. 229-244, 2015.

FERREIRA, W. M.; MACHADO, L. C.; JARUCHE, Y. G.; CARVALHO, G. G.; OLIVEIRA, C. E. A.; SOUZA, J. D. S.; CARÍSSIMO, A. P. G. Manual prático de cunicultura. Bambuí: Ed. do Autor, 2012. 75 f.

FOOD AND AGRICULTURE ORGANIZATION CORPORATE – FAO. FAOSTAT: statistical database. 2017. Disponível em: . Acesso em: 11 mar. 2019.

FORRESTER-ANDERSON, I. T.; MCNITT, J. WAY, R.; WAY, M. Fatty acid content of pasture-reared fryer rabbit meat. Journal of Food Composition and Analysis, Elsevier, New York, v. 19, n. 6-7, p. 715-719, 2006.

FREITAS, A. R. Estimativas de curvas de crescimento na produção animal. São Carlos: Embrapa Pecuária Sudeste, 2007.

GUEDES, M. H. P.; MUNIZ, J. A.; PEREZ, J. R. O. P.; SILVA, F. F.; AQUINO, L. H.; SANTOS, C. L. Estudo das curvas de crescimento de cordeiros das Raças Santa Inês e Bergamácia considerando heterogeneidade de variâncias. Ciência e Agrotecnologia, Lavras, v. 28, n. 2, p. 381-388, 2004.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE. Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Agropecuária, Pesquisa da Pecuária Municipal. 2012

KLINGER, A. C. K.; TOLEDO, G. S. P. Cunicultura: didática e prática na criação de coelhos. Editora UFSM: Santa Maria, 2018.

LOCK, R. H.; LOCK, P. F. MORGAN, K. L.; LOCK, E. F.; LOCK, D. F. Estatística revelando o poder dos dados. 1. ed. Rio de Janeiro: LTC, 2017.

MACHADO, L. C. Avaliação da parte aérea de cultivares de mandioca, desempenho e digestibilidade em dietas simplificadas e semi-simplificadas com ou sem suplementação enzimática para coelhos em crescimento. Tese (Doutorado em Zootecnia: Nutrição Animal) – Escola de Veterinária da Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2010.

MACHADO, L. C.; FERREIRA, W. M. A cunicultura e o desenvolvimento sustentável. 2011. Disponível em: . Acesso em: 16 mar. 2019.

MATHIAS, J. BRUM JÚNIOR, B. Como criar coelhos. 2015. Disponível em: < https://revistagloborural.globo.com/vida-na-fazenda/como-criar/noticia/2015/07/como-criar-coelho.html >. Acesso em: Acesso em: 11 mar. 2019.

NUNES, A. V.; MORAES, P. O. Panorama prático: conheça a organização da cunicultura do Vale do Itajaí. Boletim informativo ACBC, v. 13, p. 07-08, 2019.

PASTERNAK, H.; SHALEV, B.A. The effect of a feature of regression disturbance on the efficiency of fitting growth curves. Growth, Development & Aging, Bar Harbor, v. 58, n. 1, p. 33-39, 1994.

PELLECCHIA, M. S. R.; SERAFIM, R. S. Qualidade da carne de coelhos alimentados com folha de bananeira desidratada ou in natura. Revista Brasileira de Cunicultura, v. 12, n. 1, p. 01-08, 2017.

REBOLLAR, P. G.; PÉREZ-CABAL, M. A.; PEREDA, N.; LORENZO, P. L.; ARIAS-ÁLVAREZ, M.; GARCÍA-REBOLLAR P. Effects of parity order and reproductive management on the efficiency of rabbit productive systems. Livestock Science, v. 121, n. 2-3, p. 227-233, 2009.

SAMPAIO, I. B. M.; FERREIRA, W. M.; BASTOS, A. F. The use of a stochastic model of rabbit growth for culling. World Rabbit Science, v. 13, n. 2, p. 107-112, 2005.

SANTOS, A. L. P.; MOREIRA, G. R.; BRITO, C. C. R.; GOMES-SILVA, F.; DA COSTA, M. L. L.; PIMENTEL, P. G.; FILHO. M. C.; MIZUBUTI, I. Y. Method to generate growth and degrowth models obtained from differential equations applied to agrarian sciences. Semina: Ciências Agrárias, v. 39, n. 6, p. 2659-2672, 2018.

SANTOS, D. C. E.; SOUSA, C. A.; SILVA. E. S.; NASCIMENTO NETO, R. A.; MARQUES, R. M.; CAMARGO, P. H. G.; SANTOS, N. P. S.; BIAGIOTT, D. Comparison of non-linear models adjustment in New Zealand rabbits growth curve. 2018. Disponível em: . Acesso em: 20 fev. 2019.

SCAPINELLO, C.; ANTUNES, E. B.; FURLAN, A. C.; JOBIM, C. C.; FARIA, H. G. Fenos de leucena (Leucaena leucocephala e Leucaena leucocephala cv. Cunningham) para coelhos em crescimento: digestibilidade e desempenho. Acta Scientiarum. Animal Sciences, Maringá, v. 25, n. 2, p. 301-306, 2003.

SCHWARZ, G. Estimating the dimension of a model. The Annals of Statistics, v. 6, n. 2, p, 461-464, 1978.

SOBRAL, T. E. L.; BARRETO, G. Análise dos critérios de informação para a seleção de ordem em modelos auto-regressivos. In.: X CONFERÊNCIA BRASILEIRA DE DINÂMICA, CONTROLE E AUTOMAÇÃO (DINCON 2011), p. 379–382, 2011.

SOUZA, G. B. Ajuste de modelos de degradabilidade ruminal por meio da técnica de produção de gases utilizando as metodologias clássica e bayesiana. Dissertação (Mestrado: Estatística e Experimentação Agronômica) – Escola Superior de Agricultura Luíz de Queiros, ESALQ/USP, Piracicaba, 2013.

SOUZA, G. S. Introdução aos modelos de regressão linear e não linear. Brasília: Embrapa-SPI/Embrapa-SEA, 1998. 489p.

SZENDRO, Z.; SZENDRO, K.; ZOTTE, A. D. Management of reproduction on small, medium and large rabbit farms: a review. Asian Australian Journal of Animal Sciences, v. 25, n. 5, p. 738-748, 2012.

TELEKEN, J. T.; GALVÃO, A. C.; ROBAZZA, W. S. Avaliação comparativa de modelos matemáticos não lineares para descrever o crescimento animal. Acta Scientiarum. Animal Sciences, v. 39, n. 1, p. 73-81, 2017.

TORAL, F. L. B. Número e intervalo de pesagens para estimação de parâmetros de curvas de crescimento em bovinos. Revista Brasileira de Zootecnia, v. 37, n. 12, p. 2120–2128, 2008.

ZOTTE, A. D.; SZENDRO, Z. The role of rabbit meat as functional food. Meat Science, v. 88, n. 3 p. 319-331, 2011.