A produtividade de ruínas da dissertação de vestibular/redação do Enem em resenhas na universidade

  • Maria Luiza Alves PG-Universidade Estadual de Campinas
Palavras-chave: Letramento. Escrita acadêmica. Redação escolar.

Resumo

Este trabalho objetiva analisar ruínas (CORRÊA, 2006) do gênero redação escolar presentes no gênero resenha. Especificamente, pretende-se, buscando refletir sobre como tem sido desenvolvido o ensino de escrita nesses níveis de escolarização: (a) analisar de que forma o escrevente se vale da estrutura composicional de outros gêneros na elaboração de uma resenha; (b) investigar em que medida o escrevente dialoga com práticas de letramentos escolares típicas da educação básica e de que forma se utiliza dessas práticas na elaboração do gênero resenha; (c) analisar como o escrevente se insere (ou tenta se inserir) em práticas de escrita da esfera acadêmica e (d) refletir sobre o ensino de escrita na educação básica e na universidade a partir dos indícios da imagem que o escrevente faz da escrita nesses níveis de escolarização. O corpus são resenhas produzidas por discentes de Letras em dois eventos: um curso de extensão e uma disciplina obrigatória do Curso de Letras de uma universidade pública. Para a análise, optou-se pelo paradigma indiciário (GINZBURG, 1991) a fim de identificar pistas linguísticas para a análise dos gestos do escrevente na produção do gênero resenha. Verificou-se, assim, por meio das escolhas lexicais e também da estrutura das resenhas produzidas, um trânsito na escrita do escrevente entre a redação de vestibular e a resenha, uma vez que ora se apresentou um diálogo com as práticas de letramentos escolares típicas da educação básica, ora com as práticas de escrita do contexto universitário. Tal aspecto reforça a ideia de que o trabalho com a escrita, de um modo geral, deveria se distanciar da noção de linguagem como adequação ao modelo para dar lugar à concepção de escrita como processo e à linguagem como acontecimento. Conclui-se que as ruínas de um gênero em outro podem se configurar um recurso positivo para a construção da prática de escrita do gênero resenha e, consequentemente, das práticas de letramentos desse escrevente.

Biografia do Autor

Maria Luiza Alves, PG-Universidade Estadual de Campinas

Possui graduação em Letras - Licenciatura em Língua Portuguesa e em Língua Espanhola, pela Universidade Federal de Alfenas (Unifal-MG), e mestrado em Linguística Aplicada, pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), na linha de pesquisa "Linguagens e Educação". Atuou como bolsista do Grupo PET/Conexões de Saberes - Letras, como voluntária do Programa de Extensão sou+tec e como preceptora do Programa de Residência Pedagógica, da Universidade Federal de Alfenas (Unifal-MG). Atualmente, é professora de Língua Portuguesa e de Redação na Educação Básica.

Referências

AZEVEDO, Adélia Maria Evangelista. “Procedimentos adequados” geram textos criativos – no subgênero redação de vestibular UFMS/inverno 2002? In: BERTOLDO, Ernesto Sergio; MUSSALIM, Fernanda. Análise do discurso: aspectos da discursividade no ensino. Goiânia: Trilhas Urbanas, 2006. p. 209-235.
BAKHTIN, M. M. (1895-1975). Estética da criação verbal. Tradução a partir do francês por Maria Emsantina Galvão G. Pereira. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1997.
BRASIL. A redação no Enem 2013 - Guia do Participante. Disponível em: http://download.inep.gov.br/educacao_basica/enem/guia_participante/2013/guia_participante_redacao_enem_2013.pdf Acesso em: 03 jun. 2021.
BUIN, Edilaine; CONCEIÇÃO, Rute Izabel Simões. Entre a forma e a função: gênero painel e exercício da escrita acadêmica na graduação em Letras. (no prelo).
CÁLIS, Orasir Guilherme Teche. Quando as memórias são a matéria: memoriais de professoras alfabetizadoras e instabilidade genérica. 2015. 303f. Tese (Doutorado em Letras) – Universidade de São Paulo, São Paulo.
CAPRISTANO, C. C.; OLIVEIRA, E. C. Escrita infantil: a circulação da criança por representações sobre gêneros discursivos. Alfa: Revista de Linguística, 2014 (Aceito para publicação: a sair no volume 58, n.1,2014).
CORRÊA, Manoel Luiz Gonçalves. A visão dialógica do enunciado: linguagem, língua e dialogia. In: ______. Linguagem e comunicação social: linguística para comunicadores. São Paulo: Parábola, 2002. Cap. 6. p. 66-71.
______. A visão saussuriana: linguagem, língua e fala. In: ______. Linguagem e comunicação social: linguística para comunicadores. São Paulo: Parábola, 2002. Cap. 2. p. 21-30.
______. Heterogeneidade da escrita: a novidade da adequação e a experiência do acontecimento. Filologia e Língua Portuguesa. Brasil, v.8, p. 269-286, 2007.
¬¬______. Relações intergenéricas na análise indiciária de textos escritos. Trab. Linguística Aplicada. Campinas, 45(2): 205-224, Jul./Dez. 2006.
DA SILVA, Elizabeth Maria. Gêneros textuais em provas de vestibular: correlação entre jogos enunciativos e histórico de letramento. In: REINALDO, Maria Augusta; MARCUSCHI, Beth; DIONISIO, Angela. (Orgs.) Gêneros textuais: práticas de pesquisa e práticas de ensino. Recife: Ed. Universitária da UFPE, 2012. p. 135-156.
FIAD, Raquel Salek. A escrita na universidade. Revista da ABRALIN, Belém, v. Eletrônico, n. Especial, p. 357-369, 2ª parte 2011. Disponível em: Acesso em: 16 maio. 2021.
GINZBURG, Carlo. Chaves do Mistério: Morelli, Freud e Sherlock Holmes. In: ECO, U.; SEBEOK, T. A. (Org.) O signo de três: Dupin, Holmes, Peirce. Tradução: Silvana Garcia. São Paulo: Perspectiva: 1991. p. 149-169.
MOTTA ROTH, Désiree; HENDGES, Graciela H. Apresentação. São Paulo: Parábola Editorial, 2010.
OLIVEIRA, Jorge Leite de. Resenha. In: ________. Texto acadêmico: técnicas de redação e de pesquisa científica. 6. ed. ampliada e atualizada. Petrópolis: Vozes, 2009. Cap. 3. p. 113-119.
SILVA, Marcelo Clemente. Gêneros da escrita acadêmica: questões sobre ensino e aprendizagem. In: REINALDO, Maria Augusta; MARCUSCHI, Beth; DIONISIO, Angela. (orgs.) Gêneros textuais: práticas de pesquisa e práticas de ensino. Recife: Ed. Universitária da UFPE, 2012. p. 97-115.
STREET, Brian. Perspectivas interculturais sobre o letramento. Filologia e Linguística Portuguesa, São Paulo, v. Eletrônico, n. 8, p. 465-488, 2007. Disponível em: Acesso em: 16 maio 2021.
TFOUNI, Leda Verdiani. A dispersão e a deriva na constituição da autoria e suas implicações para uma teoria do letramento. In: MARCUSCHI, Luiz Antônio et al; SIGNORINI, Inês (org.). Investigando a relação oral/escrito e as teorias do letramento. Campinas: Mercado de letras, 2001. Cap. 3, p. 77-94.
VOLOSHINOV, Valentin N.; BAKHTIN, Mikhail. M. Discurso na vida e discurso na arte (sobre poética sociológica). Tradução para uso didático da versão inglesa de 1976: Carlos Alberto Faraco e Cristóvão Tezza, s.d. (Texto originalmente publicado em russo, em 1926). Disponível em: . Acesso em: 04 maio 2021.
Publicado
30-06-2021
Como Citar
AlvesM. L. (2021). A produtividade de ruínas da dissertação de vestibular/redação do Enem em resenhas na universidade. Revista (Entre Parênteses), 10(1), e021013. https://doi.org/10.32988/rep.v10n1.1561