O Ensino de português como língua de acolhimento

uma análise de implementação do gênero bula de medicamentos

  • Élen Ramos Universidade Estadual do Paraná (UNESPAR)
Palavras-chave: português como língua estrangeira, gêneros textuais, modelo didático, sequência didática

Resumo

Em busca de melhores condições de vida os indivíduos têm migrado e, para perseverar em um novo país, precisam ter domínio da língua de acolhimento para garantir sua permanência. Em contrapartida, temos a necessidade de oportunizar experiência prática a alunos-professores do curso de Letras Português e Inglês e esses dois contextos se encontram em um projeto de extensão intitulado Português para Estrangeiros. Assim sendo, buscamos com esse trabalho analisar uma implementação do gênero bula de medicamentos no ensino de português como língua de acolhimento. Para tal, apresentamos de um modelo didático do gênero textual bula de medicamentos e analisamos uma sequência didática desenvolvida por alunos-professores nesse projeto de extensão com esse gênero textual. Definimos o gênero textual bula de medicamentos, seu contexto de produção, seus conteúdos temáticos, tipos de discursos, de sequências, mecanismos de textualização e enunciativos, delimitando as dimensões ensináveis desse gênero. Posterior, analisamos a transposição didática dessas dimensões para uma sequência didática. Com este estudo, pretendemos difundir a necessidade de produção e consultas à modelos didáticos e a utilização de gêneros textuais pertinentes ao contexto da língua de acolhimento para garantir a permanência do imigrante.

Biografia do Autor

Élen Ramos, Universidade Estadual do Paraná (UNESPAR)

Possui graduação em Letras com habilitação em Inglês (2014) e mestrado em Letras (2017) pela Universidade Estadual do Centro-Oeste (UNICENTRO). Doutoranda pelo Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade Estadual de Maringá (UEM). Participante dos grupos de pesquisa Gêneros Textuais e Práxis Docente – UNICENTRO e Estudos sobre a Aquisição da Escrita - UEM. Professora colaboradora no curso de Letras Português e Inglês da Universidade Estadual do Paraná (UNESPAR), campus de Paranavaí, e coordenadora do projeto de extensão “Português para Estrangeiros” (UNESPAR). Tem experiência na área de Letras, com ênfase em Línguas Estrangeiras Modernas, atuando principalmente nos seguintes temas: interacionismo sociodiscursivo, gêneros textuais, sequências didáticas, tiras em quadrinhos, RPG e português como língua de acolhimento. Ainda, atua nas disciplinas de língua inglesa e estágio supervisionado.

Referências

Agência Nacional de Vigilância Sanitária – ANVISA. Resolução RDC nº. 47/2009. Disponível em: < http://portal.anvisa.gov.br/documents/33836/2814380/RDC+47+09. pdf/c8e87008-a27d-435e-b137-f51e02e45858>. Acesso em: 13 de setembro de 2020.

BRASIL. LEI Nº 9.474, DE 22 DE JULHO DE 1997. Estatuto dos Refugiados de 1951. Disponível em: Acesso em: 17 out. 2019.

BRONCKART, Jean Paul. O agir nos discursos: das concepções teóricas às concepções dos trabalhadores. Trad. Ana Raquel Machado, Maria de Lourdes Meirelles Matêncio. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2008.

______. Atividade de linguagem, discurso e desenvolvimento humano. MACHADO, A. R.; MATENCIO, M. L. M (orgs. e trad.). Campinas, SP: Mercado de Letras, 2006a.

______. Atividade de linguagem, textos e discursos: Por um interacionismo sociodiscursivo. Trad. Ana Raquel Machado, Péricles Cunha. São Paulo: EDUC, 1999.

______. Interacionismo Sócio-discursivo: uma entrevista com Jean-Paul Bronckart. Revista Virtual de Estudos da Linguagem - ReVEL. Vol. 4, n. 6,março de 2006b. Tradução de Cassiano Ricardo Haag e Gabriel de Ávila Othero. ISSN 1678-8931 Disponível em: . Acesso em: 15 de janeiro de 2015.

CAPUCHO, Filomena. Intercompreensão - porquê e como? - Contributos para uma fundamentação teórica da noção. Redinter - Intercompreensão, 1, p. 85-102, 2010.

CHEVALLARD, Yves. On didactic transposition theory: some introductory notes. Comunicação ao l’International Symposium on Selected Domains of Research and Development in Mathematics Education (Bratislava, 3-7 agosto 1988). Publicado nos Anais do Simpósio (Bratislava, 1989), p. 51-62, 1989. Disponível em: < http://yves.chevallard.free.fr/spip/spip/IMG/pdf/On_Didactic_Transposition_Theory.pdf>. Acesso em: 31 ago 2016.

______. Readjusting Didactics to a Changing Epistemology. Comunicação à l’Invited Panel Session (com Neil Mercer, Université de Cambridge, et Stefan Thomas Hopman, Université de Vienne) 14 setembro 2006 no ambito da l’European Conference on Education Research (Faculté de psychologie et des sciences de l’éducation, Université de Genève, 13-15 setembro 2006). Publicado no jornal European Educational Research Journal, vol. 6, n. 2, 2007, p. 9-27, 2006. Disponível em: < http://yves.chevallard.free.fr/spip/spip/IMG/pdf/Readjusting_didactics_to_a_ changing _epistemology-2.pdf>. Acesso em: 31 ago 2016.

CRISTOVÃO, Vera Lúcia Lopes; STUTZ, Lidia. Sequências didáticas: semelhanças e especi-fidades no contexto francófono como L1 e no contexto brasileiro como LE. In: SZUNDY, Paula Tatiane Carréra; ARAÚJO, Júlio César; NICOLAIDES, Christine Siqueira; SILVA, Kleber Aparecido da (Orgs). Linguística aplicada e sociedade: Ensino e Aprendizagem de línguas. Campinas, SP: Pontes Editores, 2011.

DOLZ, Joaquim; NOVERRAZ, Michèle; SCHNEUWLY, Bernard. Sequências didáticas para o oral e a escrita: apresentação de um procedimento. In: SCHNEUWLY, Bernard; DOLZ, Joaquim. Gêneros orais e escritos na escola. Trad. e org. Roxane Rojo e Glaís Sales Cordeiro. Campinas: Mercado de Letras, 2004.

GROSSO, Maria José dos Reis. Língua de acolhimento, língua de integração. Horizontes de Linguística Aplicada, v. 9, n.2, p. 61-77, 2010.

MACHADO, Anna Raquel; BRONCKART, Jean-Paul. (Re-) configurações do trabalho do professor construídas nos e pelos textos: a perspectiva metodológica do grupo alter-lael. In: MACHADO, Anna Raquel. Linguagem e educação: o trabalho do professor em uma nova perspectiva. Campinas, SP: Mercadode Letras, 2009.

PIETRO, Jean-François de; SCNHEUWLY, Bernard. Le modèle didactique du genre: un concept de l‘ingénierie didactique. Théories-Didactique de la Lecture-Écriture. Réseau Didactique, Université Charles-de-Gaulle: Lille, 2003. Trad. Adair Gonçalves. Disponível em: Acesso em: 15 de janeiro de 2015.

SCHNEUWLY, Bernard. Gêneros e tipos de discurso: considerações psicológicas e ontogené-ticas. In: SCHNEUWLY, Bernard; DOLZ, Joaquim. Gêneros orais e escritos na escola. Trad. e org. Roxane Rojo e Glaís Sales Cordeiro. Campinas: Mercado de Letras, 2004.

SCHNEUWLY, Bernard; DOLZ, Joaquim. Gêneros orais e escritos na escola. Trad. e org. Roxane Rojo e Glaís Sales Cordeiro. Campinas: Mercado de Letras, 2004.
Publicado
24-06-2021
Como Citar
Ramos Élen. (2021). O Ensino de português como língua de acolhimento: uma análise de implementação do gênero bula de medicamentos. Revista (Entre Parênteses), 10(1), e021008. https://doi.org/10.32988/rep.v10n1.1235