OS DESDOBRAMENTOS COLONIAIS: PURPLE HIBISCUS COMO METÁFORA PARA A IDENTIDADE NIGERIANA

  • Fidelainy Sousa Silva Universidade Federal do Rio Grande do Sul
  • Lis Yana de Lima Martinez Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Palavras-chave: identidade, subalternidade, colonização, Purple Hibiscus

Resumo

Quando o lugar de silêncio é imposto ao subalterno, as tradições não só enfraquecidas, mas há uma anulação total desse sujeito. A partir de obras literárias como Purple Hibiscus, acreditamos ser viável conhecer as implicações da influência colonialista, mesmo no período pós-colonial, quanto ao processo de aculturação dos sujeitos colonizados. Neste artigo, portanto, nos propomos a investigar os conflitos e os paradoxos culturais narrados pela protagonista de Adichie. Para tanto, nos faremos valer de aspectos integrantes do discurso da narradora, mas também, de observações pautadas nos postulados pós-coloniais a partir do enredo. Nosso objetivo é questionar as responsabilidades do texto literário nesse processo de (re)interpretar os discursos sobre as imagens dos nigerianos

Biografia do Autor

Fidelainy Sousa Silva, Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Doutoranda em Estudos de Literatura pelo Programa de Pós-Graduação do Instituto de Letras UFRGS
Lis Yana de Lima Martinez, Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Doutoranda em Estudos de Literatura pelo Programa de Pós-Graduação do Instituto de Letras UFRGS. Atua na área de Teoria, Crítica e Comparatismo tendo sua pesquisa voltada aos estudos Intemidiáticos, Intertextuais e Interdisciplinares.

Referências

ADICHIE, Chimamanda Ngozi. Purple Hibiscus. London: 4th Estate, 2003.

______. The danger of a single story. TEDGlobal, 2009. Disponível em < www.ted.com/talks/chimamanda_adichie_the_danger_of_a_single_story/transcript >. Acesso em: 13 de abril de2018.

BENVENISTE, Emile. Problemas de Linguística Geral. São Paulo: Pontes, 2005.

BHABHA, Homi. A questão do “outro”: diferença, discriminação e o discurso do colonialismo. In: HOLLANDA, Heloisa Buarque de (Org.). Pós-modernismo e política. Rio de Janeiro: Rocco, 1992.

______. Of Mimicry and Man: The Ambivalence of Colonial Discourse. Discipleship: A Special Issue on Psychoanalysis, vol. 28, p.125-133. Cambridge: The MIT Press, 1984.

FANON, Frantz. Black skin, white masks. New York: Grove Press, 1967.

______. Os condenados da terra. Juiz de Fora: UFJF, 2010.

RANCIÈRE, Jacques. A partilha do sensível. São Paulo: Editora 34, 2009.

SHOHAT, Ella; STAM, Robert. Critica da imagem eurocêntrica: multiculturalismo e representação (trad. Mário Soares). São Paulo: Cosac e Naify, 2006.

SPIVAK, Gayatri Chakrabarty. Can the subaltern speak? In: NELCON, C.; GROSSBERG, L. (org.) Marxism and the interprerarions of culture. Basingstoke: University od Illinois Press, 1988.

TOIVANEN, Anna-Leena. Daddy’s Girls?: Father-Daughter Relations and the Failures of the Postcolonial Nation-State in Chimamanda Ngozi Adichie’s Purple Hibiscus and Véronique Tadjo’s Loin de mon père. Ariel: a review of international english literatur. Baltimore: The Johns Hopkins University Press and the University of Calgary, vol. 44, p. 99-126, 2013.

TUNCA, Daria. Ideology in Chimamanda Ngozi Adichie's Purple Hibiscus (2003). English Text construction, Amsterdam, 2.1, p. 121-131, 2009.

Publicado
08-05-2019
Como Citar
SilvaF. S., & MartinezL. Y. de L. (2019). OS DESDOBRAMENTOS COLONIAIS: PURPLE HIBISCUS COMO METÁFORA PARA A IDENTIDADE NIGERIANA. Revista (Entre Parênteses), 7(2). https://doi.org/10.32988/rep.v2i7.793
Seção
Dossiê Literatura e Subalternidade