As fronteiras porosas do contemporâneo: uma breve reflexão sobre o romance Becos da Memória

  • Denise Aparecida Nascimento Universidade Estadual da Paraíba – CAPES
Palavras-chave: Becos da Memória, Conceição Evaristo, Fronteras

Resumo

O presente trabalho tece uma breve reflexão sobre as fronteiras sociais vividas por alguns personagens do romance Becos da Memória, da escritora Conceição Evaristo, em especial a personagem Ditinha. Tal reflexão procura mostrar como a escritora utiliza a noção de fronteira para expor a condição do sujeito simultaneamente incluído e excluído de nossa sociedade. A partir da década de 1990, Conceição Evaristo surge no cenário literário brasileiro e introduz um modo de narrar que subverte as narrativas estereotipadas sobre o povo negro, principalmente da mulher. Desse modo, importa refletir sobre as fronteiras contemporâneas e suas múltiplas interpretações.

 

Biografia do Autor

Denise Aparecida Nascimento, Universidade Estadual da Paraíba – CAPES
Possui graduação em Letras pela Universidade Federal de Juiz de Fora (1999). Especialização em Estudos Literários pela Universidade Federal de Juiz de Fora (2004). Mestrado em Letras pela Universidade Federal de São João del Rei (2007), cuja área de concentração é Teoria Literária e Crítica da Cultura. Doutora em Letras - Estudos Literários (2014) - área de concentração: Teorias da Literatura e Representações Culturais pela Universidade Federal de Juiz de Fora (2014). Desde 2010, em função da pesquisa empreendida no curso de doutorado tem realizado palestras e conferências a respeito da autorrepresentação do sujeito negro no espaço literário brasileiro. Em 2010 participou como palestrante no I Fórum Municipal de Promoção da Igualdade Racial de São Lourenço (MG) e do evento interdisciplinar "África-Brasil Cartografias Identitárias na Diáspora" realizado na Universidade Federal de Itajubá (UNIFEI), também como palestrante.Em 2014 realizou conferência nas Universidades de Memphis, em Memphis (TN) e Vanderbilt, em Nashville (TN), além de comunicar no evento College Language Association (CLA) em New Orleans. Tem experiência com ensino de jovens e adultos (EJA), Português Técnico em cursos profissionalizantes (PRONATEC) e com o ensino de Literatura Afro-brasileira (UEPB). Tem publicado um livro de contos "Máscaras" (2014), disponível no site Wattpad e um livro de poesias "Um dedo de prosa" (2015) publicado pelo mesmo site. Atualmente cursa o pós-doutorado no Programa de Pós-Graduação em Literatura e Interculturalidade na Universidade Estadual da Paraíba (UEPB).

Referências

BAUMAN, Zygmunt. Confiança e medo na cidade. Trad. Eliana Aguiar. Rio de Janeiro: Zahar, 2009.

BENJAMIN, Walter. O narrador – Observações sobre a obra de Nikolai Leskov. In.: Textos escolhidos. 2ed. Trad. Modesto Carone. São Paulo: Abril Cultural, 1983, p. 57 – 74.

BRITO, Maria da Conceição Evaristo de. Literatura Negra: Uma poética de nossa afro-brasilidade. Dissertação de Mestrado, PUC/RJ, 1996.

DUARTE, Eduardo de Assis. O Bildungsroman afro-brasileiro de Conceição Evaristo. Revista de Estudos Feministas. vol.14 nº1 Florianópolis Jan./Abr. 2006.

EVARISTO, Conceição. Da grafia-desenho de minha mãe um dos lugares de nascimento de minha escrita. In: ALEXANDRE, Marcos Antônio (org.). Representações Performáticas Brasileiras: teorias, práticas e suas interfaces. Belo Horizonte, Mazza Edições, 2007, p 16-21.

FIGUEIREDO, Eurídice. Mulheres ao espelho: autobiografia, ficção, autoficção. Rio de Janeiro: EDUERJ, 2013

FOUCAULT, Michel. Outros Espaços. Trad. Pedro Moura. In.: Diacritics, vol.16, nº1, Primavera de 1986, [2005].

MACHADO, Lia Osório. Limites e fronteiras: da alta diplomacia aos circuitos da ilegalidade. Revista Território, Rio de Janeiro, ano V, nº 8, pp. 7-23, jan./jun., 2000.

ROCHA, Leandro Mendes. O Estado, as Fronteiras e o trinômio índios-deus-pátria! In: GUTIÉRREZ, Horacio; NAXARA, Marcia R. C. e LOPES, Maria Aparecida de S. (orgs.). Fronteiras: paisagens, personagens, identidades. Franca: UNESP; São Paulo: Olho D´Água, 2003.

RICOUER, Paul. Temps et récit III. Seuil, 1985, p.432.

SOUZA, Jessé (Org). A invisibilidade da desigualdade brasileira. Belo Horizonte: UFMG, 2006.

SPIVAK, Gayatri Chakravorty. Pode o subalterno falar? Trad. Sandra R. Goulart. BH: Ed. UFMG, 2010.

Publicado
08-05-2019
Como Citar
NascimentoD. A. (2019). As fronteiras porosas do contemporâneo: uma breve reflexão sobre o romance Becos da Memória. Revista (Entre Parênteses), 7(2). https://doi.org/10.32988/rep.v2i7.778
Seção
Dossiê Literatura e Subalternidade