Crítica de processo e ensino-aprendizagem de Língua Portuguesa

  • Eva Cristina Francisco Instituto Federal de São Paulo
Palavras-chave: crítica de processo; cinema; linguagem cinematográfica; ensino-aprendizagem de língua portuguesa

Resumo

A crítica genética tem ampliado seu campo de pesquisa no que diz respeito às novas reflexões sobre os processos de criação da obra de arte e faz jus a um novo conceito: a crítica de processo. No âmago destas reflexões deslumbram-se estratégias que podem trazer práticas inovadoras e exitosas para o ensino-aprendizagem da língua portuguesa, bem como das linguagens em geral. Nesse sentido, este artigo interpela reflexões sobre a crítica de processo no cinema, apresentando o papel da câmera como criadora da impressão da realidade e parte do processo criativo cinematográfico. A partir destas considerações, vislumbram-se possibilidades para a prática docente no ensino-aprendizagem do português brasileiro/linguagens. Para tanto, utilizamo-nos de referenciais teóricos sobre linguagem cinematográfica, pressupostos da crítica de processo, bem como da linguística aplicada.

Biografia do Autor

Eva Cristina Francisco, Instituto Federal de São Paulo

Possui Licenciatura em Letras Inglês pela Universidade Estadual do Norte do Paraná (2004), Licenciatura em Letras/Espanhol pelo Instituto Superior de Educação Alvorada Plus (2014), Especialização em Metodologia de ensino de Língua Portuguesa e Estrangeira pelo Centro Universitário Internacional -UNINTER (2011) Mestrado em Comunicação pela Universidade de Marília (2010), é Doutora em Estudos da Linguagem pela Universidade Estadual de Londrina - UEL (2016) . Possui pós-doutorado em Estudos da Linguagem pela Universidade Estadual de Londrina (2018). Constitui o corpo docente do Instituto Federal de São Paulo - Câmpus Avaré. Tem experiência na área de Letras, com concentração em Estudos da Linguagem. Atuou como docente dos cursos de Licenciatura em Letras da Univerisdade Estadual do Norte do Paraná.. Atuou também como coordenadora e docente do curso de Pós- Graduação em Estudos Linguísticos e Literários, no programa de pós-graduação lato sensu da Universidade Estadual do Norte do Paraná (UENP). É líder do Grupo de Pesquisas do curso de Letras (EALIFP). Atualmente é coordenadora do curso de Letras Português e Espanhol no IFSP - Câmpus Avaré e coordenadora do PIBID de Língua Portuguesa. Também foi consultora dos currículos de referência dos cursos superiores de tecnologia e licenciatura do IFSP e analista técnico-pedagógico de currículos. É autora dos livros Os signos educativos em Felicidade por um fio: uma abordagem às relações étnico-raciais e Nos bastdores do cinema: a trajetória do papel às telas no filme Primo Basílio. Participou da organização de diversas obras acadêmico-científicas da area de Letras/Linguagens. É docente bolsista do curso de Especialização em Docência para a Educação Profissional e Tecnológica do IFSP pelo sistema UAB (Universidade Aberta do Brasil) na modalidade EAD). É docente permanente da pós-graduação stricto-sensu do IFSP (ProfEPT). Atua como colaboradora da DAEX (Diretoria Adjunta de Avaliação Externa) na reitoria da instituição em que atua .

Referências

CÂMARA JR., Joaquim Mattoso. História e Estrutura da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Padrão, 1985.

CANÇADO, Márcia. Manual de semântica: noções básicas e exercícios. 2. ed. revisada. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2008.

CHARAUDEAU, Patrick. Linguagem e discurso: modos de organização. Trad. Angela M. S. Correa & Ida Lúcia Machado. São Paulo: Contexto, 2008.

CHESHIRE, David. Manual de Cinematografía. H-Blume Ediciones, Madrid, 1979.

FIORIN, J. L.; SAVIOLI, F. P. Lições de texto. Leitura e redação. São Paulo: Ática, 1996.
FRANCISCO, Eva Cristina. Nos bastidores do Cinema: a trajetória do papel às telas no filme Primo Basílio. 1. ed. Londrina: EDUEL, 2021.

JOLY, Martine. Introdução à análise da imagem.14 ed. Campinas:Papirus, 2010.

MARTIN, Marcel. A Linguagem cinematográfica. São Paulo: Brasiliense, 2003.

OSTROWER, Fayga. Criatividade e Processo de Criação. Rio de Janeiro: Vozes, 1977.

PÊCHEUX, M.; FUCHS, C. A propósito da Análise Automática do Discurso: atualização e perspectivas. Tradução de Péricles Cunha. In: GADET, F.; HAK, T. (Org.). Por uma análise automática do discurso: uma introdução à obra de Michel Pêcheux. 3. ed. Campinas: Unicamp, 1997 [1975].

PEIRCE, Charles Sanders. Semiótica. São Paulo: Perspectiva, 2005

SALLES, Cecília de Almeida. Redes da Criação: construção da obra de arte. São Paulo: Edit. Horizonte, 2006.
Publicado
30-06-2021
Como Citar
FranciscoE. C. (2021). Crítica de processo e ensino-aprendizagem de Língua Portuguesa. Revista (Entre Parênteses), 10(1), e021011. https://doi.org/10.32988/rep.v10n1.1560