MEMÓRIAS DA DITADURA CHILENA EM LA DIMENSIÓN DESCONOCIDA, de NONA FERNÁNDEZ

Palavras-chave: Literatura e Ditadura, Memórias da Ditadura Chilena, Literatura Chilena Contemporânea, Literatura Latino-americana, Nona Fernández

Resumo

Este ensaio analisa o romance La Dimensión Desconocida (2018), de Nona Fernández, a partir da discussão sobre as memórias da ditadura cívico-militar chilena no que concerne aos meios de memória (JELIN, 2002; ASSMAN, 2011) e às memórias transgeracionais (HIRSCH, 2015; SOLOMONE, 2017). Examina-se como, por um lado, a obra revela várias perspectivas narrativas e tece reflexões sobre a memória entre as gerações e, por outro, vale-se do testemunho de um torturador arrependido em suas diversas manifestações por meio das mídias da recordação. Com a pesquisa, observo como a narradora-protagonista, que também é escritora, está em um permanente exercício sobre o que fazer com as recordações, as próprias e as alheias, conjungando a sua experiência pessoal com um  oceano de informações documentais e produtos artísticos da memória coletiva. É dessa junção que a narradora de La Dimensión Desconocida escreve seu livro, o que consideramos um reflexo autoficcional do próprio trabalho de Nona Fernández. De modo que seja no interior da trama literária, seja em uma perspectiva da trajetória artística de Fernández, pode-se ver a ampla rede de trabalhos de memória em que a arte vai desempenhar um papel único no dever ético de recordação.

Biografia do Autor

Thays Keylla de Albuquerque, Universidade Estadual da Paraíba

Graduada em Letras com habilitação em Português-Espanhol pela Universidade Federal de Pernambuco (2008). Na mesma instituição, cursou mestrado em Teoria da Literatura no Programa de Pós-Graduação em Letras (2011). É professora efetiva de Língua Espanhola na Universidade Estadual da Paraíba (UEPB - Campina Grande) desde 2011, onde ensina Língua Castelhana e Literaturas Hispânicas. Concluiu doutorado no PPGL/UFPE (2020). Pesquisa questões relacionadas à literatura contemporânea latino-americana a partir do entrecruzamento entre memória, história e literatura. Organiza e participa de eventos acadêmicos e artísticos ligados à literatura. E integra o Grupo de Estudos de Literatura e Crítica Contemporâneas (GELCCO, CNPq/UEPB). E-mail para contato: tk.albuquerque@gmail.com.

Referências

ALBUQUERQUE, Thays Keylla de. Nos fios da memória latino-americana: narrativas da pós-ditadura na Argentina, no Brasil e no Chile. Recife: UFPE, 2020. Tese (Doutorado em Letras. Teoria da Literatura). Disponível em: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/39381 Acesso em: 22 de maio 2021.

AMARO, Lorena. La pose autobiográfica: Ensayos sobre narrativa chilena. Santiago de Chile: Ediciones Universidad Alberto Hurtado (Diagramación Digital: Ebook Patagonia), 2018.

ARENDT, Hannah. Eichmann em Jerusalém. Tradução José Rubens Siqueira. São Paulo: Companhia das Letras, 1999.

ASSMANN, Aleida. Espaços da Recordação: formas e transformações da memória cultural. Tradução de Paulo Soethe. Campinas: Editora da Unicamp, 2011.

AVELAR, Idelber. Figuras da violência: ensaios sobre narrativa, ética e música popular. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2011.

BARTHES, Roland. A câmera clara: notas sobre fotografia. Tradução de Julio Castañon Guimarães. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1984.

BISAMA, Álvaro. Estrellas Muertas. Santiago de Chile: Alfaguara, 2010.

Ruido. Santiago de Chile: Alfaguara, 2012.

COÑUECAR, Ivonne. Coyhaiqueer. Coyhaique: Ñire Negro, 2018.

DIDI-HUBERMAN, Georges. Imágenes pese a todo. Barcelona: Planeta, 2018.

FERNÁNDEZ, Nona. Mapocho. Santiago de Chile: Uqbar editores, 2008.

______. Space Invaders. Santiago de Chile: Editorial LOM, 2013.

______. La Dimensión Desconocida. Santiago de Chile: Random House, 2018.

GINZBURG, Jaime. Crítica em tempos de violência. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo (FAPESP), 2012.

HIRSCH, Marienne. La Generación de la posmemoria. Escritura y cultura visual después del Holocausto. Madrid: Carpe Noctem, 2015.

JELIN, Elizabeth. Los trabajos de la memoria. Madrid: Siglo Veintiuno Editores, 2002.

KEHL, Maria Rita. Tortura e Sintoma Social. In: TELES, Edson; SAFATLE, Vladimir. (Orgs.). O que resta da ditadura? A exceção brasileira. São Paulo: Boitempo, 2010.

LUDMER, Josefina. Notas para Literaturas Posautónomas III. Blog da Autora. Jul. 2010. Disponível em: https://josefinaludmer.wordpress.com/2010/07/31/notas-para-literaturas-posautonomas-iii/. Acesso em: 21 out. 2019.

RICOEUR, Paul. A memória, a história, o esquecimento. Tradução de Alain François et.al. Campinas: Editora da UNICAMP, 2007.

ROBIN, Régine. A memória saturada. Tradução de Cristiana Dias e Greciely Costa. Campinas: Editora da UNICAMP, 2016.

ROJO, Grínor. Las novelas de la dictadura y postdictadura chilena: ¿Qué y cómo leer? Santiago: LOM ediciones, 2016.

SALOMONE, Alicia; GALLARDO, Milena. Memoria transgeneracional, resistencia y resiliencia en producciones artístico-literarias de autoras chilenas contemporáneas. In: HELIX. DOSSIERS ZUR ROMANISCHEN LITERATURWISSENSCHAFT. HeLix 10, pp. 193-213, 2017. Disponível em: https://journals.ub.uni-heidelberg.de/index.php/helix/article/view/42031/35748. Acesso em: 5 jan. 2019.

ZAMBRA, Alejandro. Formas de volver a casa. Barcelona: Anagrama, 2011.

ZÚÑIGA, Diego. Camanchaca. Santiago de Chile: Random House Mondadori, 2012.

Publicado
21-12-2021
Como Citar
de AlbuquerqueT. K. (2021). MEMÓRIAS DA DITADURA CHILENA EM LA DIMENSIÓN DESCONOCIDA, de NONA FERNÁNDEZ. Revista (Entre Parênteses), 10(2), 01-31. https://doi.org/10.32988/rep.v10n2.1535
Seção
DOSSIÊ LITERATURA DE AUTORIA FEMININA EM LÍNGUA ESPANHOLA EM PERSPECTIVA