ESPAÇOS ESTRANHOS E IDENTIDADES EM CONSTRUÇÃO: UMA LEITURA DO CONTO “A CASA DE AÇÚCAR”, DE SILVINA OCAMPO

Palavras-chave: mulheres e literatura; o estranho; A casa de açúcar; Silvina Ocampo.

Resumo

Este artigo analisa a representação do espaço no conto “A Casa de açúcar” (1959), em função da relação do estranho freudiano (1919) e do olhar doméstico que atravessam a narrativa. O efeito de estranheza e familiaridade promovido pelo ambiente do lar corresponde ao inquietante, que vem a ser uma experiência que evoca um sentido ambivalente, que desperta ao mesmo tempo um horror oculto, e que remonta a algo bastante familiar. Nesse sentido, o olhar doméstico de Silvina Ocampo para a tradição da casa mal-assombrada agrega uma nova maneira de se imaginar a casa na tradição literária sul-americana. Ao passo que se desdobram as transformações insólitas na casa e na protagonista do conto, admite-se a possibilidade de que exista uma interação profunda entre a casa e seus habitantes (sendo a metamorfose entre as personagens uma forma de problematização do gênero feminino). O efeito da dúvida é sustentado ao longo do conto, pela focalização de um narrador questionável que conta uma história da qual se pode desconfiar; o leitor não tem condições de afirmar se o que aconteceu foi um delírio do narrador, ou se a casa e as personagens teriam sido enfeitiçadas.

Biografia do Autor

Rafaela Fernanda Leandro, Universidade Federal de São Carlos

Graduanda em Letras/Espanhol pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), bolsista PIBIC/CNPq (2020-2021) e integrante do grupo de pesquisa "Arquipélago, Literatura latino-americana dos séculos 20 e 21"

Wilson Alves-Bezerra, Universidade Federal de São Carlos (UFSCar)

Wilson Alves-Bezerra é doutor em literatura comparada pela UERJ e mestre em literatura hispano-americana pela USP, onde também se graduou. É autor dos seguintes ensaios: Reverberações da fronteira em Horacio Quiroga (Humanitas/FAPESP, 2008) e Da clínica do desejo a sua escrita (Mercado de Letras/FAPESP, 2012). É autor ainda de literatura: Histórias zoófilas e outras atrocidades (EDUFSCar / Oitava Rima, 2013). Traduziu autores latino-americanos como Horacio Quiroga, Luis Gusmán e Alfonsina Storni. É professor de Departamento de Letras da UFSCar, onde atua na graduação e no mestrado. 

Referências

BEAUVOIR, Simone. O Segundo Sexo: fatos e mitos. Trad. Sergio Milliet. Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira, 5ed, 2019.

BONACCORSI, Nélida. Repensar la historia de las mujeres. In: La Aljaba, Segunda época, Revista de estudios de la Mujer. vol.1. Buenos Aires: Universidades de La Pampa, Luján y Comahue. 1996. p. 20-26.

CORTÁZAR, Júlio. Notas sobre el gótico en el Río de la Plata. In: Cahiers du monde hispanique et luso-brésilien, nº 25, 1975, p. 145-151. Disponível em: https://www.persee.fr/doc/carav_0008-0152_1975_num_25_1_1993. Acesso em: 11 jan. 2021.

_________. O estado atual da narrativa na América Hispânica. In: SOSNOWSKI, S. (Org). Obra Crítica, 3. Tradução: Paulina Watch e Ari Roitman. Rio de Janeiro: Editora Civilização Brasileira, 2001, p. 81-101.

CHINCHILLA, Verónica. Silvina Ocampo: lo siniestro está en casa. In: Revista de Lenguas Modernas, 2011. N° 15. p. 61-75.

ERBURU, Vanessa. Capítulo XII, “La casa de azúcar”: los agridulces cimientos de la identidad femenina. Del lado de acá. Estudios literarios hispanoamericanos. Editores: Miguel Soler Gallo, María Teresa Navarrete Navarrete. 2013, p. 167-176.

FERNANDEZ, Belén I. La obra narrativa de Silvina Ocampo en su contexto: confluencias y divergencias con una época. (Tesis doctoral en Estudios Filológicos) Universidad de Sevilla, 2017, Departamento de Literatura española e hispanoamericana.

FREUD, Sigmund. O Inquietante. In: Obras completas, v. 14: História de uma neurose infantil (“O homem dos lobos”), além do princípio do prazer e outros textos. São Paulo: Companhia das Letras, 2013. p. 329-376.

HABRA, Hedy. Escisión y liberación en “La casa de azúcar” de Silvina Ocampo. In: Revista Hispanófila: Literatura - Ensayos, Nº 145, 2005, p. 47-60.

HOSIASSON, Laura. Posfácio “Um chamado à lucidez e à imaginação”. In: A Fúria e outros contos. Tradução: Livia Deorsola. São Paulo: Companhia das Letras, 1 ed, 2019, p. 213-219.

MACHADO, Paula. A mãe, a menina, a roupa: Configurações femininas e (im)posições de gênero na contística de Silvina Ocampo. (Dissertação de Mestrado em Literatura). Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas. Campinas, 2020.

MANCINI, Adriana. Sobre los limites: Un análisis de La Furia y otros relatos de Silvina Ocampo. In: América: Cahiers du CRICCAL, n°17, 1997. Le fantastique argentin: Silvina Ocampo, Julio Cortázar. p. 271-284.

MARTINEZ, Juana. El cuento hispanoamericano del siglo XIX. In: Historia de la literatura hispanoamericana, Tomo II, Del neoclasicismo al modernismo. MADRIGAL, Luis I. (coord) 3 ed. Madrid: Catedra, 1999. p. 229-243

MATAMORO, Blas. Apuntes para un derrumbe (Sobre los cuentos de Silvina Ocampo). El cuento hispanoamericano del siglo XX: teoría y práctica. coord. Eva Valcárcel, 1997, p. 255-264.

OCAMPO, Silvina. La Casa de Azúcar. In: Cuentos completos. 3 ed. Buenos Aires: Emecé, 2010. p. 92-98.

__________. A casa de açúcar. In: A Fúria e outros contos. Tradução: Livia Deorsola. São Paulo: Companhia das Letras, 1 ed, 2019, p. 213-219.

TODOROV, Tzvetan. Introdução à literatura fantástica. Tradução: Maria Clara Correa Castello. São Paulo: Editora Perspectiva, 2 ed, 1992.

Publicado
21-12-2021
Como Citar
LeandroR. F., & Alves-BezerraW. (2021). ESPAÇOS ESTRANHOS E IDENTIDADES EM CONSTRUÇÃO: UMA LEITURA DO CONTO “A CASA DE AÇÚCAR”, DE SILVINA OCAMPO. Revista (Entre Parênteses), 10(2), 01-19. https://doi.org/10.32988/rep.v10n2.1512
Seção
DOSSIÊ LITERATURA DE AUTORIA FEMININA EM LÍNGUA ESPANHOLA EM PERSPECTIVA