A A FICÇÃO TRANSFORMA A HISTÓRIA: LAURA ESQUIVEL, JORDI CASTELLS E A REESCRITA DA IMAGEM DE MALINALLI, A MAL APELIDADA MALINCHE

Palavras-chave: Malinalli;, História;, Ficção;, Iconografia;, Reescrita;

Resumo

Este artigo, busca refletir acerca da figura de Malinalli, a mulher indígena que atuou como intérprete durante a invasão das terras do atual México, em especial, como sua imagem é reescrita no romance Malinche (2006), de Laura Esquivel. Através da ficção, pela narrativa de Esquivel e em parceria com as iconografias de Jordi Castells, presente na obra, a imagem dessa mulher indígena é transformada. A leitura da obra é observada em contraste com as representações iconográficas de Malinalli nas pinturas: O sonho de Malinche de Antonio Ruíz (1892-1964); Hernán Cortés e Malinche, de Jesús Helguera (1910-1971); e O encontro de Moctezuma II e Cortés, de Roberto Cueva del Río (1908-1988), sendo possível questionar as ideologias que permeiam a imagem dessa mulher mexica subalternizada e sexualizada. Malinalli remete “[...] o peregrinar de mulheres vendidas e transportadas de uma região para outra, de um homem para outro, de uma maneira de viver para outra, todas incertas.” (ROBLES, 2019, p. 291). As discussões estarão ancoradas nos seguintes estudos críticos: Margo Glantz (2001); Cristina González (2002); León-Portilla (2003); Ana Maria Colling (2015) entre outros. O revisitar a imagem de Malinalli, por meio da ficção, nos ajuda a transformar a história dos sujeitos silenciados.

Biografia do Autor

Walquíria Rodrigues Pereira, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Possui mestrado em Letras Neolatinas (Opção Literaturas Hispânicas), com bolsa CAPES pela UFRJ, cuja pesquisa está vinculada aos trabalhos do Grupo de Pesquisa MAR (Modernidade, Alteridade, Representação) / CNPq; e Especialização em Práticas de Letramento pelo IFRJ/SJM. Licenciada em Letras Português/Espanhol/Literaturas pela UFRRJ. Foi bolsista de Iniciação Científica - PIBIC/CNPq - na área de Literaturas Pós-coloniais Latino Americana, e também, bolsista PIBID/CAPES no subprojeto de Espanhol na UFRRJ. Desempenhou a função docente nas séries iniciais da educação básica e, em pré vestibular, ensino fundamental II e médio, através do espanhol. Atuou como bolsista de apoio técnico no NAGRAD na UFRRJ - IM. Integrou o grupo de pesquisa cadastrado no CNPq: Literaturas pós-coloniais: paradigmas de cambio na descolonização cultural latino-americana, pertencente ao grupo VARIUS - Variação e uso da UFRRJ/IM (2016 a 2018) e atualmente integra o grupo do CNPq: CARDILA - Cartografias do discurso literário latino-americano. Possui interesse no ensino da Língua Espanhola como LE e suas respectivas literaturas. Busca através de pesquisas agregar conhecimento na área para seguir acadêmica e profissionalmente.

Cláudia Luna, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Professora Titular de Literatura Hispano-americana da UFRJ. PÓS-DOUTORADO em História da América pela USP. DOUTORADO em Língua Espanhola e Literaturas Hispânicas pela UFRJ e pela UBA (UNIVERSIDAD DE BUENOS AIRES (Bolsa PDEE CAPES). Mestrado em Letras Neolatinas pela UFRJ (1989). Bacharelado e Licenciatura pela UFRJ (982). Chefia o Diretório de Pesquisa MAR (Modernidade/ alteridade/ representação) e coordena o Projeto de Pesquisa PALAVRAS EM RISTE: LUTA, DISCURSO E IMAGINÁRIO DE E SOBRE MULHERES LATINO-AMERICANAS (início em 2020). Participa fo GT Mulher e Literatura (ANPOLL), da REDE DE ESTUDOS ANDINOS e do CEMHAL, onde é uma dos coordenadores do GT sobre Mulher e Interculturalidade e do GT de Traduções e Edições Críticas de obras de Autoria Feminina. Atua na área de Letras, com ênfase em Literatura Latino-americana, priorizando os temas: imaginário e representação, literatura hispano-americana, literatura e história, literatura de autoria feminina e formação dos imaginários nacionais, indigenismo e protagonismo indígena, heterogeneidade e interculturalidade, gêneros híbridos, historiografia literária e revisão do cânone, a partir do século XIX. Bolsa de Produtividade em Pesquisa - PQ 2015 CNPQ (2016 a 2019). Foi Coordenadora do Programa de Pós-graduação em Letras Neolatinas da UFRJ no biênio 2018-2020.

Referências

BURKE, P. A História dos acontecimentos e o novo renascimento da narrativa. In: _______ (Org.). A escrita da história novas perspectivas. Tradução Magda Lopes. São Paulo: Unesp, 2011. p. 335-356.

CLÍMACO, A. O. História e ficção em Santa Evita. 2012. Dissertação (Mestrado em Letras Neolatinas) – Faculdade de Letras, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2012.

COLLING, A. M. Tempos diferentes, discursos iguais. A construção histórica do corpo feminino. Caderno Espaço Feminino, v. 28, n. 2, p. 180-200, jul./dez. 2015.

DEL RÍO, R. C. O encontro de Moctezuma II e Cortés. Disponível em: http://www.mexicolore.co.uk/aztecs/spanish-conquest/dona-marina-part-2. Acesso em: 02 maio 2021.

ELIADE, M [1963]. Mitos y realidad. Barcelona: Editorial Labor, 1991.

ESQUIVEL, L. Malinche. Buenos Aires: Alfaguara, 2006.

GLANTZ, M. Malinche y el capitán Malinche. In: GLANTZ, M. Malinche, sus padres y sus hijos. México: Santillana Ediciones Generales, 2001.

GRILLO, R. M. El mito de un nombre: Malinche, Malinalli, Malintzin. Mitologías hoy. Barcelona, n. 4, p. 15-27, 2011.

HALL, S [1992]. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: Lamparina, 2015.

HELGUERA, J. Hernán Cortés y La Malinche. Disponível em: https://es.slideshare.net/carlitosrangel/jess-helguera-artista-mexicano-porlauraelenafuentesrosas-carlitosrangel-mexico. Acesso em: 02 maio 2021.

HERNÁNDEZ, C. G. Doña Marina (la Malinche) y la formación de la identidad mexicana. Madrid: Ediciones Encuentros, 2002.

LEÓN-PORTILLA, M [2003]. Códices: os antigos livros do Novo Mundo. Tradução Carla Carbone. Florianópolis: Ed. UFSC, 2012.

MONSIVÁIS, C. La Malinche y el malinchismo. In: GLANTZ, Margo. Malinche, sus padres y sus hijos. México: Santillana Ediciones Generales, 2001.

PALMA, M. Malinche, el malinchismo o el lado femenino de la sociedad mestiza. In: LUNA, Lola G. (Coord.). Género, clase y raza en América Latina: algunas apontaciones. Edición del Seminario Interdisciplinar Mujeres y Sociedad, Barcelona, 1991, p. 131-164.

PEREIRA, W. R. A presença de Malinche no lienzo de tlaxcala sob a ótica do patrimônio cultural histórico nacional. In: MIRANDA, D. N; MERINO, X. A. D. Literatura, Decolonialidade e Patrimônio Cultural na América Latina. Divinópolis: Meus Ritmos, 2021. p. 37-49.

ROBLES, M. Mulheres, mitos e deusas. Tradução Willian Lagos e Débora Vieira. 3 ed. São Paulo: Aleph, 2019.

RUÍZ, A. O sonho da Malinche. Disponível em https://atendimentoeducacionalespecial.blogspot.com/2013/12/descricao.html. Acesso em: 02 maio 2021.

SERRÃO, R. A. A hora e a vez do rosa no pós-Boom latino-americano: a ficcionalização da história sob a ótica feminina. Olho d’água, São José do Rio Preto, v. 5, n. 1, p. 103-118, 2013.

Publicado
21-12-2021
Como Citar
Rodrigues PereiraW., & Impellizieri Luna Ferreira da SilvaC. H. (2021). A A FICÇÃO TRANSFORMA A HISTÓRIA: LAURA ESQUIVEL, JORDI CASTELLS E A REESCRITA DA IMAGEM DE MALINALLI, A MAL APELIDADA MALINCHE. Revista (Entre Parênteses), 10(2), 01-19. https://doi.org/10.32988/rep.v10n2.1510
Seção
DOSSIÊ LITERATURA DE AUTORIA FEMININA EM LÍNGUA ESPANHOLA EM PERSPECTIVA