DO “ALL IS TRUE” À DESCRIÇÃO DAS ILUSÕES: OS REALISMOS DE BALZAC E FLAUBERT

  • Hêmille Raquel Santos Perdigão Universidade Federal de Ouro Preto
Palavras-chave: Prosa Realista, Contiguidade, Metonímias, Sinédoques

Resumo

Partindo da comum associação de Balzac e Flaubert à série literária do Realismo, o presente trabalho propõe uma análise comparativa dos romances O Pai Goriot e Madame Bovary. Primeiramente, há uma discussão acerca das concepções de realismo e realidade segundo Flaubert e Balzac. Em seguida, é feita uma leitura de excertos dos romances em busca de cenas semelhantes. O resultado é a identificação de que em ambos há cenas de baile. A comparação de tais cenas possibilita a constatação de uma característica comum entre as obras, a saber, a predominância das relações de contiguidade estabelecidas a partir do vestuário dos personagens. Isso leva à discussão da presença de metonímias e sinédoques nos romances, tendo como base o texto Linguística e Comunicação, de Roman Jakobson (2003). A conclusão é que os conceitos de realidade em Balzac e Flaubert são distintos, o que transparece no estilo das narrativas. Todavia, a classificação em comum como realistas se justifica, uma vez que os dois textos são permeados por metonímias e sinédoques que estabelecem semelhantes relações de contiguidade.

Biografia do Autor

Hêmille Raquel Santos Perdigão, Universidade Federal de Ouro Preto

Bacharela em Letras: Estudos Literários pela Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP). Mestranda em Letras: Estudos da Linguagem pela mesma universidade, com apoio e financiamento da CAPES.

Referências

AUERBACH, Erich. Mimesis: a representação da realidade na literatura ocidental. São Paulo: Perspectiva, 1987.

BALZAC, Honoré. Le Père Goriot: Paris: Librairie Gründ, 1939.

______ O Pai Goriot. Tradução de Gomes da Silveira. Porto Alegre: Globo, 1952.

BORGES, Jorge Luís. Discussão (1932). Tradução de Josely Vianna Baptista. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.

BROOKS, Peter. Reading for the plot: design and intention in narrative. New York: Harvard University Press, 1992.

CARPEAUX, Otto Maria. Madame Bovary. In: FLAUBERT, Gustave. Madame Bovary. Tradução de Sérgio Duarte. Rio de Janeiro: Edições de Ouro, 1967.

CULLER, Jonathan. Literary Theory: A Very Short Introduction. Oxford: New York, 1997.

FLAUBERT, Gustave. Madame Bovary. Tradução de Araújo Nabuco. São Paulo: Abril Cultural, 1979.

_____Cartas Exemplares. Tradução de Carlos Eduardo Machado. Rio de Janeiro: Imago, 2005.

_____ Madame Bovary. Paris: Flammarion, 2006.

_____ Madame Bovary. Tradução de Mário Laranjeira. São Paulo: Penguin Classics Companhia das Letras, 2017.

GIRARD, René. Mentira Romântica e Verdade Romanesca. São Paulo: É Realizações Editora, Livraria e Distribuidora Ltda, 2009.

JAKOBSON, Roman. Linguística e Comunicação. Tradução de Izidoro Blikstein e José Paulo Paes. São Paulo: Cultrix, 2003.

KENNER, Hugh. Flaubert, Joyce and Beckett: The Stoic Comedians. London: Dalkey Archive Press, 2005.

MORETTI, Franco. The Way of the World: The Bildungsroman in European Culture. New York: Verso, 2000.

PROUST, Marcel. Contra Sainte-Beuve. Tradução de Luciana Persice Nogueira. Belo Horizonte: Âyné, 2017.

STENDHAL. O Vermelho e o Negro: Crônica do século XX. Tradução de Raquel Prado. São Paulo: Cosac Naify, 2015.

THORLBY, Anthony. Gustave Flaubert and the Art of Realism. London: Bowes & Bowes, 1956.

Publicado
21-12-2021
Como Citar
Santos PerdigãoH. R. (2021). DO “ALL IS TRUE” À DESCRIÇÃO DAS ILUSÕES: OS REALISMOS DE BALZAC E FLAUBERT . Revista (Entre Parênteses), 10(2), 01-20. https://doi.org/10.32988/rep.v10n2.1311