Precisamos falar sobre ensino de gramática? Percepções e perspectivas da abordagem gramatical no Seridó-RN

percepções e perspectivas da abordagem gramatical no Seridó-RN

Palavras-chave: Ensino de gramática. Aula de língua portuguesa. Gramática contextualizada.

Resumo

Este trabalho discute aspectos relacionados ao ensino e aprendizagem de gramática no âmbito da Educação Básica na região do Seridó, no estado do Rio Grande de Norte (RN). Para isso, objetivou mapear as discussões e percepções acerca do ensino de gramática oriundas de dissertações produzidas no âmbito do Programa de Mestrado Profissional em Letras. Teoricamente, o estudo baseia-se nas discussões de Travaglia (2002), Antunes (2003), Faraco (2006), Neves (2010), Bispo e Silva (2011), Vieira e Brandão (2019), dentre outros. Os resultados obtidos demonstram que, apesar dos avanços quanto à abordagem do fenômeno gramatical nas aulas de língua portuguesa, percebe-se, ainda, uma dificuldade de atrelar a reflexão gramatical às práticas de leitura e produção de textos.

Biografia do Autor

Jakeline Simões Gomes, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Graduada em Letras - Língua Portuguesa (2021), pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte - UFRN. Atuou como Bolsista de Iniciação Científica - PIBIC/UFRN (2019-2020) na área de Linguística, desenvolvendo estudos sobre a interface entre ensino e gramática. Atuou como Bolsista de Monitoria nas disciplinas de Morfologia e Sintaxe da Língua Portuguesa - UFRN (2020-2021). Membro do Grupo de Estudos Discurso & Gramática - UFRN.

Nedja Lucena , Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Graduada em Letras - Língua Portuguesa (2007), Mestre em Estudos da Linguagem (2010) e Doutora em Estudos da Linguagem (2016), na área de Linguística - com foco em Linguística Aplicada, pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). Interessa-se, em especial, por temas afetos à Linguística Funcional Centrada no Uso (interface entre Funcionalismo norte-americano e Linguística Cognitiva), tais como: transitividade; estrutura argumental; tipos semânticos de verbos; relações gramaticais; Gramática de Construções; interface sintaxe-semântica; descrição, análise e reflexão de fenômenos gramaticais e suas implicações para o ensino de Língua Portuguesa. É professora adjunta de Língua Portuguesa da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, na cidade de Currais Novos. Membro do Grupo de Estudos Discurso & Gramática - UFRN. Contato: lucenedja@gmail.com

Referências

ANTUNES, I. Aula de português: encontro & interação. São Paulo: Parábola, 2003.

_____. Muito além da gramática: por um ensino de línguas sem pedras no caminho. São Paulo: Parábola, 2007.

_____. Muito além da gramática. São Paulo: Parábola Editorial, 2013.

_____. Gramática contextualizada: limpando o pó das ideias simples. São Paulo: Parábola Editorial, 2014.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular: Educação Infantil e Ensino Fundamental. Brasília: MEC/Secretaria de Educação Básica, 2017. BRASIL.

BEZERRA, M. A.; REINALDO, M.A. Análise linguística: afinal, a que se refere? São Paulo: Cortez, 2013a.

BEZERRA, M. A. Conceitos de análise linguística associados a teorias de gênero. In: SILVA, Sílvio Ribeiro da; APARÍCIO, A. S. M. (Org.). Ensino de língua materna e formação docente: teoria, didática e prática. Campinas: Pontes Editores, 2013b.

BISPO, E. B.; SILVA, J. R. Análise linguística na educação básica: entre o real e o possível. In: Simpósio Internacional de Ensino da Língua Portuguesa, 2011, Uberlândia. Anais do SIELP. Uberlândia: EDUFU, 2011. v. 1, n. 1, p. 282-294.

DOLZ, Joaquim; NOVERRAZ, Michele; SCHNEUWLY, Bernard. Seqüências didáticas para o oral e a escrita: apresentação de um procedimento. In: SCHNEUWLY, Bernard; DOLZ, Joaquim. Gêneros orais e escritos na escola. Tradução de Roxane Rojo e Glaís Sales Cordeiro. Campinas, SP: Mercado das Letras, 2004, p. 95-128.

FARACO, C. A. Ensinar x Não ensinar gramática: ainda cabe essa questão?. Calidoscópio, v. 4, n. 1, p. 15-26, 2006.

FRANCHI, C.; NEGRÃO, E. V.; MULLER, A. L. P. Mas o que é mesmo gramática? São Paulo: Parábola, 2006.

GERALDI, J. W. (Org.). O texto na sala de aula: leitura e produção. Cascavel: Assoeste, 1984.

KRIPKA, R. M.; SCHELLER, M; BONOTTO, D. L. Pesquisa documental na pesquisa qualitativa: conceitos e caracterização. Revista de investigaciones UNAD, v. 14, n. 1, p. 55-73, 2015.

MARTINS, M. A. Em defesa do ensino de gramática. Revista do GELNE, v. 19, n.1, p. 103-117, 2017.

MENDONÇA, M. (Orgs.). Português no ensino médio e formação do professor. São Paulo: Parábola Editorial, 2006. p.199-226.

MONTEIRO, J. L. A estilística: manual de análise e criação do estilo literário. Edição: 2. ed. Petrópolis-RJ: Vozes, 2009.

NEVES, M. H. M. Que gramática estudar na escola? Norma e uso na língua portuguesa. São Paulo: Contexto, 2003.

_____. Gramática na escola: renovação do ensino da gramática, formalismo x funcionalismo, análise da gramática escolar. Edição: 8. ed. São Paulo: Contexto, 2010.

POSSENTI, S. Por que (não) ensinar gramática na escola. Campinas: Mercado das Letras, 1996.

RAMALHO, Christina. Fio de teNsão. São Paulo: Benfazeja, 2017.

SILVA, E.; MENEZES, E. Metodologia da Pesquisa e elaboração de dissertação. Florianópolis: UFSC, 2005.

TRAVAGLIA, L. C. Para que ensinar teoria gramatical. Revista de Estudos da Linguagem, v.10, n. 2, p.135-231, 2002.

VIEIRA, S. R; BRANDÃO, S. F. Ensino de gramática: descrição e uso. São Paulo: Contexto, 2019.

Publicado
30-06-2021
Como Citar
GomesJ. S., & LucenaN. (2021). Precisamos falar sobre ensino de gramática? Percepções e perspectivas da abordagem gramatical no Seridó-RN: percepções e perspectivas da abordagem gramatical no Seridó-RN. Revista (Entre Parênteses), 10(1), e021005. https://doi.org/10.32988/rep.v10n1.1269