Hoje não tem música?

Canções do Grupo Teatro Mágico na Educação Básica

  • Jéssica Pimentel de Lima Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul https://orcid.org/0000-0002-0534-0026
  • Giana Amaral Yamin Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul
  • Juliane Ferreira Vieira Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul
Palavras-chave: Extensão. Formação de professores. Linguagens. Gêneros textuais. Ensino Fundamental.

Resumo

Este artigo objetiva apresentar as percepções de acadêmicas do curso de Pedagogia, da Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS), acerca das aprendizagens das crianças do quarto ano, do Ensino Fundamental, de uma escola pública de Dourados (MS). Em 2017, as licenciandas desenvolveram uma sequência didática, resultante de ações de ensino e extensão, tendo como aporte teórico estudos que discutem a inserção de múltiplas linguagens no cotidiano de crianças (FRIEDMANN, 2013) e o trabalho com os gêneros textuais (MARCUSCHI, 2005, 2001). Os dados, que retratam o processo das vivências, foram extraídos dos relatórios das licenciandas e revelam que as crianças mergulharam nas canções do grupo Teatro Mágico e expressaram sentidos por meio da oralidade e de desenhos, esculturas, pinturas, escrita. Verificou-se que a proposta foi significativa para as graduandas pelo fato de elas terem desenvolvido vivências que contemplaram diferentes linguagens, tendo a música como a principal. Evidenciaram que as crianças aprendem com a análise de letras de música, com a apreciação de vídeos e de artes visuais. Ainda constataram que a leitura e a escrita com função social motivam e impulsionam os estudantes a interagirem com diferentes gêneros textuais, o que contribui para a própria formação docente das graduandas.

Biografia do Autor

Jéssica Pimentel de Lima, Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul

Graduada em Pedagogia pela Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul. Bolsista do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência, da UEMS (2016 a  2018) . Colaboradora dos Projeto de Extensão "A linguagem musical na Educação Infantil: uma contribuição à implantação da Lei 11.769/08" (2017 a 2019) e "Teatro para bebês"  (2019). Professora da rede Estadual no município de Dourados -MS (2020).

Giana Amaral Yamin, Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul

Pedagoga. Doutora em Educação pela Universidade Federal de São Carlos. Docente do Curso de Pedagogia da Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul. Pesquisadora do Grupo de Pesquisa “A criança e as instituições sociais”. Coordenadora de área do PIBID/UEMS (2010-2018). Membro do grupo Gestor do Fórum Permanente de Educação Infantil de Mato Grosso do Sul. Coordenadora do Programa Residência Pedagógica do Curso de Pedagogia UEMS. Orientadora de Estágio Supervisionado na Educação Infantil.

Juliane Ferreira Vieira, Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul

Professora Adjunta do curso de Letras da Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul - UEMS, Unidade de Cassilândia. Professora de Estágio Supervisionado em Língua Portuguesa e orientadora do Projeto de Residência Pedagógica no Curso de Letras-UEMS-Cassilândia. Desenvolve estudos nas áreas de Alfabetização e Letramento, Letramento Literário, Estágio Curricular Supervisionado de Língua Portuguesa, Ensino-Aprendizagem de Língua Portuguesa: Leitura, Produção de Texto, Análise Linguística. E também em Análise Dialógica do Discurso, tendo os estudos do Círculo de Bakhtin como a teoria norteadora.

Referências

BAKHTIN, Mikhail. Estética da criação verbal. Trad. Paulo Bezerra. 6ª ed. São Paulo: Ed. Martins Fontes, 2011.

______. Marxismo e filosofia da linguagem. Trad. Michel Lahud e Yara Frateschi Vieira. 9. ed. São Paulo: Hucitec, [1992] 2002.

BEZERRA, Maria Auxiliadora. Por que cartas do leitor na sala de aula? In: DIONÍSIO, Ângela Paiva; Machado, Anna R. (org.) Gêneros textuais & Ensino. São Paulo: Parábola Editorial, 2010.

DALL'ACQUA, Maria Júlia Canazza; PREVIATO, Daniel; SOUZA, Simone Regina de Musicalização na Educação Infantil. In: ANGOTTI, Maristela. (Org.). Educação Infantil: da condição de direito à condição de qualidade no atendimento. 1ed.Campinas: Alínea, 2009, v., p. 79-88.

FERNANDES, MARIA Lúcia Outeiro. O texto literário na formação da criança. In: ANGOTTI, Maristela. (Org.). Educação Infantil: da condição de direito à condição de qualidade no atendimento. Campinas, SP: Alínea, 2009, v., p. 89-104.

FRIEDMANN, Adriana. Linguagens e culturas infantis. São Paulo: Cortes, 2013. GOBBI, Márcia Aparecida. Múltiplas linguagens de meninos e meninas na educação infantil. In: ANAIS... I Seminário Nacional Currículo em Movimento Perspectivas Atuais, 2010, Belo Horizonte. Currículo em Movimento Perspectivas Atuais. Belo Horizonte: UFMG, 2010. v. 1.

JOLIBERT, Josette. Formando crianças leitoras. Porto Alegre: Artes Médicas, 1994.

KRAMER, Sonia. A infância e sua singularidade. In: BRASIL. MEC/SEB/DPE/COEF. Ensino fundamental de nove anos. Orientações para a inclusão das crianças de seis anos de idade. Brasília: FNDE, Estação Gráfica. 2006. p. 13-24.

LIMA. Jéssica Pimentel de. Relatório. Programa de Iniciação à Docência. Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul, Dourados, 2017.

LUGLE, Andreia Maria Cavaminami; MELLO, Suely Amaral. Educação, Pesquisa e Transformações das Práticas Pedagógicas Produção de sentido para a linguagem escrita e formação da atitude leitora. Rev. Educ. PUC, Campinas, 20(3), p. 187-199. 2015. Disponível em: <http://periodicos.puc- campinas.edu.br/seer/index.php/reveducacao/article/view/2901/2200> Acesso em: 10 out. 2019.

MANZONI, Ahiranie Sales. ROSA, Daniela Botti da. Gênero canção: múltiplos olhares. V Congresso de Pesquisa e Inovação da Rede Norte Nordeste de Educação Tecnológica. Maceió (AL), 2010. Disponível em: http://connepi.ifal.edu.br/ocs/index.php/connepi/CONNEPI2010/paper/viewFile/322/230.Acesso: 2 set. 2019.

MARCUSCHI, Luiz Antônio. Gêneros textuais: Configuração, dinamicidade e circulação. Gêneros textuais: Reflexões e Ensino. 1ed. União da Vitória - PR: Kaygangue, 2005, p. 17-34.

______. Letramento e oralidade no contexto das práticas sociais e eventos comunicativos. In: SIGNORINI, Inês (Org.). Investigando a relação oral/escrito e as teorias do letramento. Campinas: Mercado de Letras, 2001.

MELLO, Suely Amaral. A apropriação da escrita como instrumento cultural complexo. In: Mendonça, Sueli Guadelupe de Lima; MILLER, Stella. 2 ed. (Orgs). Vygotski e a escola atual: fundamentos teóricos e implicações pedagógicas. 2 ed. Araraquara: J.M. Editora e Cultura Acadêmica Editora, 2010, p. 181-192.

NERY, Alfredina. Modalidades organizativas do trabalho pedagógico: uma possibilidade. In: BRASIL. MEC/SEB/DPE/COEF. Ensino fundamental de nove anos. Orientações para a inclusão das crianças de seis anos de idade. Brasília: FNDE, Estação Gráfica. 2006. p. 109-135.

OSTETTO, Luciana Esmeralda. “Mais as crianças gostam!”, ou sobre gostos e repertórios musicais”. In: OSTETTO, Luciana Esmeralda; e LEITE, Maria Isabel. (Orgs). Arte, infância e formação de professores: Autoria e transgressão. Campinas: Papirus, 2004.

SILVA, Saimonton Tinôco da. Música e Infância: notas sobre vida, arte, ciência e cotidiano escolar. In: JALLES, Antonia Fernanda; ARAÚJO, Keila Barreto de. (Org.). Arte e Cultura na Infância. 1ed. Natal: EDUFRN, 2011, p. 107-116.

YAMIN. Giana Amaral. Relatório. Programa de Iniciação à Docência. Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul, Dourados, 2017.

Publicado
30-06-2021
Como Citar
LimaJ. P. de, YaminG. A., & VieiraJ. F. (2021). Hoje não tem música? Canções do Grupo Teatro Mágico na Educação Básica. Revista (Entre Parênteses), 10(1), e021006. https://doi.org/10.32988/rep.v10n1.1252