RESISTÊNCIA DECOLONIAL E REARTICULAÇÕES IDENTITÁRIAS EM AMERICANAH, DE CHIMAMANDA NGOZI ADICHIE

  • Dayse Rayane e Silva Muniz Universidade de Brasília
Palavras-chave: Americanah, resistência descolonial, rearticulações identitárias

Resumo

O presente artigo pretende abordar a resistência decolonial e as rearticulações identitárias na obra da escritora nigeriana Chimamanda Ngozi Adichie, focando principalmente no romance Americanah, publicado no Brasil em 2014. Levando em consideração os estudos de Gayatri Spivak (2017) acerca da literatura e da representação, Grada Kilomba (2019) e as novas pedagogias do racismo, Bernardino-Costa (2019) e os conceitos de decolonialidade e pensamento afro-diaspórico e Cláudio Braga (2019), que articula uma definição de descolonização cultural atrelada ao contexto literário e o romance Americanah, este artigo busca analisar o papel da internet como um novo locus enunciativo de resistência na trajetória da Ifemelu, protagonista da narrativa. Ao investigar a vida de Ifemelu em um contexto diaspórico, em que ela se rearticula identitariamente em busca de felicidade e maior conhecimento de si mesma, este trabalho aponta como a descolonização cultural é essencial para que os povos negros sejam concebidos como sujeitos das próprias narrativas, ao contrário do que pressupõe o cânone. A importância da voz negra, feminina e imigrante da protagonista norteia todo o processo investigativo, trazendo novos sujeitos para o campo representativo, implicando também na cultura e sociedade contemporâneas.

Referências

ADICHIE, Chimamanda Ngozi. Americanah. Companhia das Letras, 2014.

BERNARDINO-COSTA, MALDONADO-TORRES E GROSFOGUEL. Decolonialidade e pensamento afrodiaspórico. In: Decolonialdiade e Pensamento afro-diaspórico. Org. ______. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2019.

BRAGA, Cláudio R. V. A literatura movente de Chimamanda Adichie: pós-colonialidade, descolonização cultural e diáspora. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2019.

COMPAGNON, Antoine. O demônio da teoria. Trad. Cleonice Paes Barreto Mourão. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2010.

FOUCAULT, Michel. A ordem do discurso. Trad. Laura Fraga de Almeida Sampaio. São Paulo: Edições Loyola, 1996.

HOOKS, bell. O olhar oposicional: espectadoras negras. In: Traduções da Cultura: Perspectivas críticas feministas (1970-2010). Org. BRANDÃO, Izabel. Florianópolis: EDUFAL; Editora da UFSC, 2017.

KAPOOR, Ilan. Hyper-Self-Reflexive Development: Spivak on representing the Third World 'Other'. In: ________. The postcolonial politics of development. New York: Routledge, 2008.

KILOMBA, Grada. Memórias da plantação: episódios de racismo cotidiano. Trad. Jess Oliveira. Rio de Janeiro: Cobogó, 2019.

REIS, Eliana Lourenço de Lima. Pós-colonialismo, Identidade e Mestiçagem Cultural: A Literatura de Wole Soyinka. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2011.

SPIVAK, Gayatri. Literatura. In: Traduções da Cultura: Perspectivas críticas feministas (1970-2010). Org. BRANDÃO, Izabel. Florianópolis: EDUFAL; Editora da UFSC, 2017.
Publicado
10-12-2020
Como Citar
e Silva MunizD. R. (2020). RESISTÊNCIA DECOLONIAL E REARTICULAÇÕES IDENTITÁRIAS EM AMERICANAH, DE CHIMAMANDA NGOZI ADICHIE. Revista (Entre Parênteses), 2(9). https://doi.org/10.32988/rep.v2n9.1212
Seção
DOSSIÊ ESCRITORES (E) MIGRANTES NA NARRATIVA DE LÍNGUA INGLESA CONTEMPORÂNEA