Levantamento sobre hábitos de leitura e escrita entre estudantes de engenharia

Palavras-chave: Competências. Habilidade de comunicação. Gêneros textuais/discursivos.

Resumo

Este artigo, produto da experiência de uma sequência didática para aprendizagem de gêneros acadêmicos, visa a apresentar dados de um levantamento sobre os hábitos de leitura e escrita entre estudantes de engenharia. Foi aplicado um instrumento online (Google Forms) com cinco questões (abertas e fechadas) sobre o tema. Verificou-se que grande parte dos estudantes possuem o hábito de leitura, sendo que a maioria se dedica a ler artigos e livros acadêmicos. A respeito do hábito de escrita, observou-se que ocorre em frequência menor e está vinculada às necessidades do curso, destacando-se como maiores dificuldades: a) transferir as ideias para o papel; b) organizar as ideias de forma coerente. De maneira geral, a existência de disciplinas que enfoquem escrita específica para estudantes de engenharia, juntamente com o esforço do próprio aluno, auxiliaria utilização de técnicas para desenvolver a escrita tanto pessoal quanto profissionalmente, como produção de textos técnicos, manuais de instrução ou normas operacionais.

Biografia do Autor

Rafaela Giani de Resende , Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM)

Estudante de GRaduação de Engenharia Elétrica da Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM).

Sofia Pelegrini Tristão , Universidade Federal do Triangulo Mineiro (UFTM)

Estudante do curso de Engenharia de Química da Universidade Federal do Triangulo Mineiro (UFTM).

José Thiago da Rocha Neto , Universidade Federal do Triangulo Mineiro (UFTM)

Estudante de Graduação em Engenharia Mecânica da Universidade Federal do Triangulo Mineiro (UFTM).

Beatriz Gaydeczka , Universidade Federal do Triângulo Mineiro

Graduada em Pedagogia pela Universidade do Contestado (UnC, 2003), em Licenciada em Letras pela Universidade Estadual do Paraná (UNESPAR, 2003), mestrado em Linguística Aplicada pela Universidade de Taubaté (UNITAU, 2006) e doutorado em Letras na Universidade de São Paulo (USP, 2012). É Professora Associada na Universidade Federal do Triângulo Mineiro - UFTM, no Instituto de Ciências Tecnológicas e Exatas (ICTE). Atua na Graduação e na Pós-Graduação (Programa de Mestrado Profissional em Inovação Tecnológica) enfocando metodologia científica, comunicação, leitura e produção de textos técnicos para as engenharias, discurso acadêmico e propriedade intelectual.

Referências

BARRASS, R. Cientistas precisam escrever: guia de redação para cientistas, engenheiros e estudantes. São Paulo: EDUSP, 1979.

BAZERMAN, C. O que é interessante? In: BAZERMAN, C.; HOFFNAGEL, J. C.; DIONÍSIO, A. P. (org.). Gênero, agência e escrita. São Paulo: Cortez, 2006.

BEER, D.; McMURREY, D. A guide to writing as an engineer. 3. ed. Danvers, MA: Wiley, 2009.

BLIKSTEIN, I. Técnicas de comunicação escrita. São Paulo: Ática, 1985.

BORK, A. V. et al. Mapeamento das iniciativas de escrita em língua materna na educação superior: resultados preliminares. Revista Prolíngua, v. 9, n. 1, p. 2-14, 2014. Disponível em: https://bazerman.education.ucsb.edu/sites/default/files/docs/Bazerman2014ARTetalProlinguaMapeamento.pdf. Acesso em: 29 dez. 2020.

BRASIL. Resolução n. 2, de 24 de abril de 2019. Institui as diretrizes curriculares nacionais do curso de graduação em Engenharia. Brasília: DOU, 26 de abril de 2019, Seção 1, p. 43-44. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=112681- rces002-19&category_slug=abril-2019-pdf&Itemid=30192. Acesso em 11 mai. 2020.

COSCARELLI, C. V.; MITRE, D. Oficina de leitura e produção de textos: livro do professor. 1. reimp. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2012.

FISCHER, A.; COLAÇO, S. F. Práticas de escrita em Ciências Biológicas: letramentos acadêmicos (re)contextualizados. Raído, v. 11, n. 27, p. 438, 18 ago. 2017. DOI: https://doi.org/10.30612/raido.v11i27.6751. Disponível em: https://ojs.ufgd.edu.br/index.php/Raido/article/view/6751. Acesso em: 29 dez. 2020.

FRANZEN, B. A; HEINIG, O. L. de O. M. Letramentos situados: a linguagem no campo de trabalho de engenheiros. Atos de Pesquisa em Educação, 2012. Disponível em: https://bu.furb.br/ojs/index.php/atosdepesquisa/article/view/3466. Acesso em: 29 dez. 2020.

FRANZEN, B. A.; SCHLICHTING, T. D. S.; HEINIG, O. L. O. M. A leitura e a escrita no mundo do trabalho: o que dizem os engenheiros. In: Anais do 39º Congresso Brasileiro de Educação em Engenharia de Produção, 2011. Disponível em: http://www.abenge.org.br/cobenge/arquivos/8/sessoestec/art1772.pdf. Acesso em: 29 dez. 2020.

FRANZEN, B. A.; SCHLICHTING, T. S.; HEINIG, O. L. O. M. Engenheiros: uma construção de múltiplas identidades. In: XLI Congresso Brasileiro de Educação em Engenharia. Gramado, 2013. Disponível em: https://www.fadep.br/engenharia-eletrica/congresso/pdf/117101_1.pdf. Acesso em: 29 dez. 2020.

GRAY, A. Top 10 skills you need to thrive in the fourth industrial revolution. World Economic Forum. 19 jan. 2016. Disponível em: https://www.weforum.org/agenda/2016/01/the-10-skills-you-need-to-thrive-in-the-fourth-industrial-revolution/. Acesso em: 29 dez. 2020.

GUIMARÃES, T. C. Comunicação e linguagem. São Paulo: Pearson, 2012.

MACHADO, A. R.; LOUSADA, E.; ABREU-TARDELLI, L. S. Planejar gêneros acadêmicos. São Paulo: Parábola, 2005.

MOTTA-ROTH, D.; HENDGES, G. R. Produção textual na universidade. São Paulo: Parábola Editorial, 2010.

RIBEIRO, A. E.; GUIMARÃES, F.I.; COSTA DA SILVA, e. S. Aulas de Português na formação de engenheiros: expectativas e concepções de alunos e professores de instituição pública em Minas Gerais. Scripta, v. 16, n. 30, p. 117-136, 17 jul. 2012. Disponível em: http://periodicos.pucminas.br/index.php/scripta/article/view/4243. Acesso em: 29 dez. 2020.

ROLIM, C.; MACHADO-TAYLOR, M. L. Hard X Soft Skills e Desemprego entre Graduados Universitários. 2016. Fórum da Gestão do Ensino Superior nos Países e Regiões de Língua Portuguesa, Ilhéus, 2016. Disponível em:

http://www.aforges.org/wp-content/uploads/2016/11/1-Cassio-Romim-Maria-de-Lourdes-Taylor_-Hard-X-soft-skills.pdf. Acesso em: 29 dez. 2020.

SANTOS, V. L. C.; SANTOS, J. E. As redes sociais digitais e sua influência na sociedade e educação contemporâneas. HOLOS, v. 6, 2014, pp. 307-328. DOI: https://doi.org/10.15628/holos.2014.1936 Disponível em: https://www.redalyc.org/pdf/4815/481547175023.pdf. Acesso em: 29 dez. 2020.

SERAFIM, M. P. Como será o cenário da Educação Superior em 2030? Avaliação: Revista da Avaliação da Educação Superior (Campinas), v. 24, n. 3, p. 569–572, 2019. DOI: https://doi.org/10.1590/s1414-40772019000300001 Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-40772019000300569&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt . Acesso em: 29 dez. 2020.

VIEIRA, F. E.; FARACO, C. A. Escrever na universidade: fundamentos. São Paulo: Parábola, 2019a.

______. Escrever na universidade: texto e discurso. 1. ed. São Paulo: Parábola, 2019b.

ZANOTELLO, M.; ALMEIDA, M. J. P. de. Leitura de um texto de divulgação científica em uma disciplina de física básica na educação superior. Ensaio Pesquisa em Educação em Ciências, v. 15, n. 3, set-dez, 2013, pp. 113- 130. DOI: https://doi.org/10.1590/1983-21172013150307. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1983-21172013000300113&lng=en&nrm=iso&tlng=pt. Acesso em: 29 dez. 2020.

Publicado
30-06-2021
Como Citar
Giani de ResendeR., Pelegrini TristãoS., Rocha NetoJ. T. da, & GaydeczkaB. (2021). Levantamento sobre hábitos de leitura e escrita entre estudantes de engenharia. Revista (Entre Parênteses), 10(1), e021002. https://doi.org/10.32988/rep.v10n1.1118