EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA: uma análise das práticas desenvolvidas na UNIFAL – MG

Juliane Suellen Moreira Borges, Gabriel Rodrigo Gomes Pessanha, Adílio Renê Almeida Miranda

Resumo


A universidade é pautada em três áreas distintas, porém complementares. São elas o ensino, a pesquisa e a extensão. A extensão foi a última a surgir e a ser incorporada nos ambientes acadêmicos. O texto a seguir propõe-se a descrever a construção da extensão universitária desde o seu surgimento na Inglaterra e sua incorporação no Brasil (PAULA, 2013;), para então observar como a prática da extensão é aplicada e desenvolvida na Universidade de Federal de Alfenas – MG, a partir do campus Avançado de Varginha. De acordo com Gurgel (1986) a extensão é o elo de ligação entre ensino, e a pesquisa realizada dentro das universidades, com a sociedade externa, articulando os saberes desenvolvidos nos campos científicos, tecnológicos e culturais. Gurgel ainda afirma que, quando o equilíbrio entre ensino, pesquisa e extensão é alcançado, propicia a formação de profissionais com pensamentos e conhecimentos mais amplos, além de divulgar a universidade externamente do meio acadêmico. Entretanto encontrar o equilíbrio entre ensino, pesquisa e extensão não é tão simples assim, as universidades e a sociedade possuíam nesse momento três grandes conflitos a respeito de suas atividades, são eles: produção de cultura e conhecimentos especializados úteis ao mercado de trabalho; a hierarquização dos saberes e os critérios de seleção dos estudantes; e a autonomia das instituições. Para Arroyo e Rocha (2010), a universidade propõe o aprofundamento do conhecimento que o ensino fundamental e médio não alcançam. Para tal, o conhecimento pode ser organizado em duas subdivisões: a “intramuros” onde atividades e projetos desenvolvidos no âmbito da universidade e o “extramuros”, onde as atividades são desenvolvidas em ambientes não acadêmicos, formando assim a extensão universitária. Para a realização deste texto, realizou-se uma pesquisa qualitativa, com caráter predominante descritivo com o intuito de observar e discutir a interação e o desenvolvimento dos modelos de extensão universitária aplicados na Universidade Federal de Alfenas – MG, campus avançado de Varginha – MG, para tal utilizou-se de um roteiro de entrevista estruturada, aplicado em docentes e discentes para coletar os dados, os entrevistados foram escolhidos através de amostragem por conveniência, para melhor aproximação da amostra com a realidade, foram entrevistados alunos escolhidos aleatoriamente de todas as turmas nos quatro cursos existentes no campus, e professores também escolhidos aleatoriamente. De acordo com os dados coletados pode observar-se até o momento que que parte dos discentes e docentes do campus avançado de Varginha, possuem dificuldade de expressar o que de fato entendem por extensão universitária e como está deve ser desenvolvida dentro do contexto interdisciplinar que o a extensão necessita e que os cursos oferecidos no curso pregam. Pode-se observar portanto que um dos principais obstáculos que a extensão enfrenta dentro da universidade é a própria falta de conhecimento e para sua expansão é necessário uma maior democratização de seus conceitos dentro do universo acadêmico e na comunidade ali próxima.


Referências


ALMEIDA, Maria Zeneide Carneiro Magalhães de. A extensão universitária: uma terceira função. 1991. 214 p. Dissertação (Mestrado em Educação) - Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas – UNICAMP. Campinas, 1991.

ARROYO, Daniela Munerato Piccolo; ROCHA, Maria Silva Pinto de Moura Librandi da. Meta-avaliação de uma extensão universitária: Estudo de caso. Avaliação (Campinas) [online]. 2010, vol.15, n.2, pp. 131-157.

BARBOSA, Valeska Cristina. Extensão Universitária: proposição e validação de um instrumento de avaliação da percepção dos discentes. Dissertação (Mestrado em Administração) – Fundação Mineira de Educação e Cultura/ Faculdade de Ciências Empresariais. Belo Horizonte, 2012.

BENZAQUEN, Júlia F. A universidade popular dos movimentos sociais: entrevista com o prof. Boaventura de Sousa Santos. Educ. Soc. [online]. 2012, vol.33, n.120, pp. 917-927.

CABRAL, Nara Grivot. Saberes Em Extensão Universitária: Contradições, tensões, desafios e desassossegos. Programa de Pós-Graduação em Educação. Universidade Federal Do Rio Grande Do Sul – Faculdade de Educação. Porto Alegre, 2012.

CAMPOS, Claudinei José Gomes. Método de Análise de Conteúdo: ferramenta para a análise de dados qualitativos no campo da saúde. Revista Brasileira de Enfermagem. V. 57. N. 5. Brasília. Set/out. 2004. P.611-614.

Fórum de Pró-Reitores de Extensão das Universidades Brasileiras. Extensão Universitária: Organização e Sistematização. COOPMED. Belo Horizonte, 2007.

FREIRE, P. Extensão ou comunicação? 8. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1985. 65p.

GIL, Antonio Carlos. Métodos e Técnicas de Pesquisa Social. 6. Ed. São Paulo: Atlas, 2010.

GURGEL, Roberto Mauro. Extensão Universitária: Comunicação ou domesticação. São Paulo: Cortez, 1986. 182p.

JEZINE, Edineide. A extensão universitária como prática social. Temas em Educação, v. 15, p. 118-129, 2006.

MARTHINS, Gilberto de Andrade; THEÓPHILO, Carlos Renato. Metodologia da Investigação Científica Para Ciências Sociais Aplicadas. 2.Ed. São Paulo: Atlas. 2009.

MONTEIRO, Estela Maria Leite Meirelles. et al. Extensão Universitária: Opinião De Estudantes Do Campus Saúde De Uma Instituição Pública Da Região Metropolitana De Recife – PE. reme - Revista Mineira de Enfermagem, V. 13, n. 3, p. 349 – 357, jul./set., 2009.

NOGUEIRA, Maria das Dores Pimentel. Extensão Universitária no Brasil: uma Revisão Conceitual. In: FARIA, Dóris Santos de. (Org.). Construção Conceitual da Extensão na América Latina. Brasília. Editora UNB. 2001.p. 57- 73.

PAULA, João Antônio de. A Extensão Universitária: História, Conceito e Propostas. Interfaces – Revista de Extensão, V.1, n.1, p. 05-23, jul./nov. 2013.

Universidade federal de Alfenas – MG. Disponível On-Line em < http://www.unifal-mg.edu.br/portal/>. Acesso em 18.dez.2016.

VILAÇA, P. L. A; TEIXEIRA, M. C. S; TEIXEIRA, E. G. Três Perspectivas Sobre Um Projeto de Extensão Universitária: Sala de Situação da Criança e do Adolescente. Lato & Sensu, Belém, v.4. n. 1, p. 3-5. out, 2003.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .