A escolaridade em 1991 permite prever a renda em 2010? Uma análise de regressão usando dados municipais dos censos demográficos do IBGE

  • Leda Grasiele Oliveira Universidade Federal de Alfenas
  • Patrícia de Siqueira Ramos Universidade Federal de Alfenas
  • Lincoln Frias Universidade Federal de Alfenas

Resumo

Há um consenso em torno da ideia de que a educação é o principal mecanismo de desenvolvimento econômico de um país e também de mobilidade social individual. O objetivo desta pesquisa foi tomar esse consenso como hipótese e buscar evidências empíricas que pudessem confirmar sua veracidade, pois é fundamental que os municípios monitorem a situação educacional de seus cidadãos e planejem políticas públicas de acordo com a situação identificada. Além da análise do coeficiente de correlação, foi utilizada a análise de regressão múltipla para mensurar a associação entre escolaridade e renda. A análise, feita por meio da linguagem R, investigou o estado de Minas Gerais e o Brasil como um todo. A variável explicada – renda – foi avaliada a partir do censo demográfico de 2010, enquanto as variáveis explicativas – indicadores educacionais – foram avaliadas a partir do censo de 1991. Os resultados confirmaram a hipótese de que a escolaridade no ano de 1991 influencia a renda em 2010, denotando, inclusive, que o estado de Minas Gerais pode ser considerado um retrato do Brasil. A confirmação de que os indicadores educacionais são capazes de prever a renda aponta para a importância do investimento em políticas públicas de educação.

Referências

BANERJEE, A. V.; DUFLO, E. A economia dos pobres: repensar de modo radical a luta contra a pobreza global. Portugal: Círculo de leitores. 2012.

CHATTERJEE, S.; HADI, A. S. Regression analysis by example. New Jersey: John Wiley & sons, 2006.

CURI, A. Z.; FILHO, N. A. M. Determinantes dos gastos com educação no Brasil. Pesquisa e planejamento econômico, vol. 40, n. 1, 2010.

DRAPER, N. R.; SMITH, H. Applied regression analysis. 3.ed. Nova York: John Wiley & Sons, Inc., 1998

FILHO, F. H. B.; PESSÔA, S. Retorno da educação no Brasil. Pesquisa e Planejamento econômico, vol. 38, n. 1, 2008.

GOLDIN, C.; KATZ, L. The race between education and technology. New York: Harvard University Press, 2009.

IPEA; PNUD; FJP. Atlas do desenvolvimento humano no Brasil, 2013.

MACIEL, M. C; CAMPELO, A. K.; RAPOSO, M. C. F. A dinâmica das mudanças na distribuição salarial e no retorno em educação para mulheres: uma aplicação de regressão quantílica. Anais do XXIX Encontro Nacional de Economia, 2001.

MINCER, J. B. Schooling, experience and earnings. New York: Columbia University Press, 1974.

R DEVELOPMENT CORE TEAM. R: A language and environment for statistical computing. R Foundation for Statistical Computing, Vienna, Austria, 2015. Disponível em: http://www.rproject.org/. Acesso em: 15 nov. 2015.

RESENDE, M.; WYLLIE, R. Retornos para educação no Brasil: evidências empíricas adicionais. Revista de Economia Aplicada, vol. 10, n. 3, pág. 349-365, 2006.

ROCHA, F. et al. Retornos à educação e discriminação no mercado de trabalho brasileiro: evidências por regressões quantílicas em categorias ocupacionais. Anais do 40º Encontro Nacional de Economia, ANPEC, 2012.

RSTUDIO. Rstudio: integrated development for R 2015. Disponível em: http://rstudio.org/. Acesso em: 22 ago 2015.

SEN, A. K. Desenvolvimento como liberdade. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

SILVA, N. D. V.; KASSOUF, A. L. Mercados de trabalho formal e informal: uma análise da discriminação e da segmentação. Revista nova economia, vol. 10, n. 1, 2000.

SOARES, R. R.; GONZAGA, G. Determinação de salários no Brasil: dualidade ou não-linearidade no retorno à educação?. Texto para discussão n. 380, Pontifícia Universidade Católica de Rio de Janeiro, Departamento de Economia, 1997.

SOUZA, P.; CARVALHAES, F. Estrutura de classes, educação e queda da desigualdade de renda (2002-2011). Dados-Revista de Ciências Sociais, v. 57, n. 1, p. 101-128, 2014.

Publicado
15-01-2019