FORMAÇÃO DE FARMACÊUTICOS PARA ATENDIMENTO AOS SURDOS: LIBRAS E O PRINCÍPIO DA UNIVERSALIDADE

  • Luciene Alves Moreira Marques Universidade Federal de Alfenas -UNIFAL-MG
  • Angélica Carolina Savelis Rodrigues

Resumo

O farmacêutico atualmente possui contato direto com o paciente por meio do cuidado farmacêutico, buscando a promoção e garantia da saúde. Buscou-se, por meio deste trabalho, identificar, na literatura, a importância da preparação do farmacêutico durante sua formação para o atendimento de surdos que utilizam a Língua Brasileira de Sinais como primeira língua para a comunicação. Por meio de uma revisão narrativa, analisou-se, inicialmente, 82 materiais agrupados em três categorias. Em seguida, uma filtragem foi realizada utilizando-se palavras-chave e uma leitura crítica quanto à relevância a respeito do tema deste trabalho, obtendo-se ao final 45 materiais. Observou-se a falha na comunicação entre surdos sinalizantes e profissionais de saúde gerando uma enorme dificuldade dos surdos em obter o atendimento no sistema de saúde, incluindo o cuidado farmacêutico. Após análise crítica de todo o conteúdo coletado e relatado nesse estudo, foi possível constatar a falta de preparo do farmacêutico no atendimento do surdo devido a uma falha em sua formação.

Publicado
30-06-2021
Como Citar
Alves Moreira MarquesL., & Carolina Savelis RodriguesA. (2021). FORMAÇÃO DE FARMACÊUTICOS PARA ATENDIMENTO AOS SURDOS: LIBRAS E O PRINCÍPIO DA UNIVERSALIDADE. Revista Farmácia Generalista / Generalist Pharmacy Journal, 3(1), 62-76. Recuperado de https://publicacoes.unifal-mg.edu.br/revistas/index.php/revistafarmaciageneralista/article/view/1313
Seção
Artigos de Revisão