ORGANIZAÇÃO SOCIAL DO TRABALHO E A FORMAÇÃO DE SUJEITOS EMPREENDEDORES
PDF

Palavras-chave

Palavras chave: Capital; Educação; Trabalho; Empreendedor.

Como Citar

RufatoG. (2022). ORGANIZAÇÃO SOCIAL DO TRABALHO E A FORMAÇÃO DE SUJEITOS EMPREENDEDORES. Indagações Em Educação, 2(1), 16-38. Recuperado de https://publicacoes.unifal-mg.edu.br/revistas/index.php/indagacoesemeducacao/article/view/1643

Resumo

Resumo: Este artigo reflete sobre as formas de organização do trabalho no processo de produção, a partir do século XX, caracterizadas pelo fordismo, taylorismo e toyotismo e suas implicações na formação dos indivíduos. A mundialização do capital, entendida como a expansão mundial da sociabilidade capitalista, acarretou particularidades na forma de organização do trabalho e ultrapassaram a dinâmica produtiva e chega às escolas, provocando profundas transformações na educação. A depender do tipo de formação que se prioriza na organização do trabalho, a educação, na ânsia de formar para a adaptabilidade, alinha-se aos princípios da economia de mercado. Nesse sentido, nosso objetivo é apresentar como as formas de organização do trabalho influenciam diretamente na educação, atribuindo características empresariais à escola, que acaba fundamentando-se numa proposta de educação para o capital, numa pragmática burguesa, moldando os alunos pelos valores do mercado, ora numa formação especializada limitadora, ora numa formação empreendedora, flexível, na qual os imperativos do capital exigem um trabalhador proativo, autônomo e sobretudo, empreendedor.

PDF

Referências

REFERÊNCIAS
ADORNO, Theodor W. Dialética do esclarecimento: fragmentos filosóficos. TheodorAdorno, Max Horkheimer; tradução, Guido Antônio de Almeida. Rio de Janeiro: Zahar,1985.
________________. Educação e emancipação. Rio de Janeiro : Paz E Terra, 1995.
AMESTOY, Micheli Bordoli; TOLENTINO-NETO, Luiz Caldeira Brant de. Políticas públicas e a influência dos organismos internacionais: a educação básica no foco do debate. Research, Society and Development, Itabira, v. 9, n. 2, p. e152922189, jan. 2020. ISSN 2525-3409. Disponível em: . Acesso em: 20 julho 2021. doi:http://dx.doi.org/10.33448/rsd-v9i2.2189.
ANTUNES, Ricardo e PINTO, Geraldo Augusto. A fábrica da educação: da especialização taylorista à flexibilização toyotista. São Paulo: Cortez, 2017.

_______________.OS SENTIDOS DO TRABALHO: Ensaio sobre a afirmação e a negação do trabalho. Coleção Mundo do Trabalho. Boitempo Editorial: 1999.
_______________.Da pragmática da especialização fragmentada à pragmática da liofilização flexibilizada: as formas da educação no modo de produção capitalista. Germinal: marxismo e educação em debate, Londrina, PR, v. 1, n. 1, p. 25-33, jun. 2007.

ARANHA, Maria Lúcia de Arruda. Filosofia da educação. 2. ed. São Paulo: Moderna, 1989.
BANCO MUNDIAL. Prioridades e estratégias para a educação. Washington, DC: World Bank, 1995.
BRITTO, Denise Fernandes. Trabalho e cultura organizacional no discurso da mídia: uma análise da revista Você S/A. 2014. 219 f. Tese (Doutorado em Ciências Humanas) - Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2014.
DARDOT, Pierre; LAVAL, Christian. A nova razão do mundo: ensaios sobre a sociedade neoliberal. 1.ed. São Paulo: Boitempo, 2016.

DELORS, J. Educação um tesouro a descobrir. Relatório para a Unesco da Comissão Internacional sobre a Educação para o Século XXI. 6. ed. TraduçãoJosé Carlos Eufrázio. São Paulo: Cortez, 2001.

FORD, Henry.O homem e a machina. In: Minha vida e minha obra. Rio de Janeiro: Livraria Freitas Bastos, 1967, p.72-79. Formato ePub: LEBOOKS EBOOK, 2018
FREITAS, Luiz Carlos de. Os reformadores empresariais da educação: da desmoralização do magistério à destruição do sistema público de educação. Revista Educação e Sociedade, Campinas, v. 33, n. 119, p. 379-404, abr./jun., 2012.
GALUCH, Maria Terezinha Bellanda; SFORNI, Marta Sueli de Faria. Interfaces entre políticas educacionais, prática pedagógica e formação humana. Práxis Educativa, Ponta Grossa, v.6. n.1, p. 55-66, jan.-jun.2011. Acesso em: 27/07/2021.
GALUCH, Maria Terezinha; PALANGANA, Isilda Campaner. Experiência, Cultura Formação no Contexto das Relações de Produção Capitalistas. InterMeio: revista do Programa de Pós-Graduação em Educação, Campo Grande, MS, v. 14, n. 28, p. 64-79, jul.-dez./2008
GIROUX, H. Teoria crítica e resistência em educação. Petrópolis: Vozes, 1986.
GRAMSCI, Antonio. Escritos políticos. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2004. V.1

HARVEY, David. Condição Pós-Moderna. Uma pesquisa sobre as origens da mudança cultural. Tradução de Adail Ubirajara Sobral e Maria Stela Gonçalves. 10 Ed. São Paulo: Edições Loyola, 2001.
_____________. Condição Pós-Moderna. 17ª. ed; São Paulo: Loyola, 2008.
LAVAL, C. A escola não é uma empresa: o neo-liberalismo em ataque ao ensino público. Londrina : Editora Planta, 2004.
MARTINS, A. S.; PINA, L. D. Crítica à concepção empresarial de educação: uma contribuição da pedagogia histórico-crítica. Germinal: Marxismo e Educação em Debate, Salvador, v. 7, n. 1, p. 100-109, jun. 2015. Disponível em: https://portalseer.ufba.br/index.php/revistagerminal/article/view/12410 Acesso em: 10 de abril 2020.

MARTINS, André Silva. Todos pela educação: o projeto educacional de empresários para o século XXI. In: XXXI Reunião da Associação Nacional de Pós-graduação e pesquisa em educação (Anped), 2008, Caxambu, MG. Disponível em: .Acesso em: 5 jan. 2021.
MARTINS, André Silva; NEVES, Lúcia Maria Wanderley (orgs.). Apresentação. In: Educação básica: tragédia anunciada. São Paulo: Xamã, 2015.
MARTINS, A. S. A educação básica no século XXI: o projeto do organismo “Todos pela Educação”. Práxis Educativa, Ponta Grossa, v.4, n.1, p.21-28 , jan.-jun. 2009. Disponível em: http://www.revistas2.uepg.br/index.php/praxiseducativa/article/view/467 Acesso em: 10 de abril 2021.

_____________. Condição Pós-Moderna. 17ª. ed; São Paulo: Loyola, 2008.

MARX, K. O capital. V. I, tomo 1. São Paulo: Abril Cultural, 1983.
________. O capital. V. I, tomo 2. São Paulo: Abril Cultural, 1984.
________. O capital: crítica da economia política (vols. 1 e 2). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. 2002.

MARX, Karl; ENGELS, F. A ideologia alemã. São Paulo: Boitempo, 2007.
MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. Manifesto do partido comunista. Petrópolis: Vozes,1996.
________. O capital: crítica da economia política (vols. 1 e 2). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. 2002.
NETTO, José Paulo; BRAZ, Marcelo. Economia Política: uma introdução crítica. 6ª edição. São Paulo: Cortez, 2010. (Biblioteca Básica de Serviço Social; v.1).
MÉSZÁROS, István. A educação para além do capital. São Paulo:Boitempo, 2005.
TAYLOR, F. W. Princípios de administração científica. São Paulo: Atlas, 1990.
SANTOS, Helaine Monique Araújo dos. Educação empreendedora no ensino fundamental: o programa jovens empreendedores primeiros passos (jepp). 2017. 47 f. Trabalho de Conclusão de Curso (graduação em Administração) - Universidade Federal do Ceará, Faculdade de Economia, Administração, Atuária e Contabilidade, Fortaleza, 2017.
SAVIANI, Dermeval. Escola e democracia. Campinas, SP: Autores Associados, 2008.
___________.D. A nova Lei da Educação: LDB: Trajetória, Limites e Perspectivas.Campinas, Sp: Autores Associados, 1997.
___________. História das ideias pedagógicas no Brasil. Campinas, SP: Autores Associados, 2012.
___________. .Democracia, educação e emancipação humana: desafios do atual momento brasileiro. Universidade Estadual de Campinas- Campinas- São Paulo. Psicologia escolar e Educacional. Vol. 21. N.3. Dec. 2017.
UNESCO. Educação para todos fazendo face aos nossos compromissos coletivos – Fórum Mundial de Dakar, UNESCO: Brasília, 2000. Disponível em: www. unesco.org. br/publicações/livros/educatodosdakar/mostra_padrao>. Acesso em: 17 agosto. 2021.
________.A UNESCO e a educação na América Latina e Caribe (1987-1997). Santiago, Chile: UNESCO-SANTIAGO, 1998. UNESCO. A UNESCO no Brasil: consolidando compromissos. Brasília: UNESCO, 2004.
Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 4.0 International License.