EM NOME DA AGRICULTURA FAMILIAR: CONSIDERAÇÕES ACERCA DA MODERNIZAÇÃO DO CAMPESINATO

Autores

  • Pedro Argolo Caldas Sampaio Universidade Federal De São João Del Rei
  • João Francisco de Oliveira Neto Universidade Federal de São João Del Rei

DOI:

https://doi.org/10.29327/243949.3.6-8

Palavras-chave:

Agricultura familiar, campesinato, Geografia agrária, debate paradigmático

Resumo

Embora a definição de “agricultor familiar” se encontre estabelecida em termos normativos, no âmbito acadêmico, o termo ainda é amplamente debatido, sobretudo, no que diz respeito às divergências entre as categorias “campesinato” e “agricultura familiar”. Este artigo explora como diferentes representações dos termos supracitados se inserem no debate mais amplo sobre desenvolvimento territorial. A análise revela dois paradigmas distintos e suas respectivas referências teóricas para a proposição de modelos de desenvolvimento territorial. Concluímos que, apesar de seu caráter revolucionário, o uso do termo “agricultura familiar” evoca teorias que conferem destaque a uma dimensão estritamente econômica dos territórios, desconsiderando seu caráter multidimensional, multiescalar e, sobretudo, suas conflitualidades.

Biografia do Autor

Pedro Argolo Caldas Sampaio, Universidade Federal De São João Del Rei

Graduação em Geografia - UFSJ

Especialização em Geoprocessamento - PUC Minas

Mestrado em Geografia - UFSJ

João Francisco de Oliveira Neto, Universidade Federal de São João Del Rei

Graduado em Geografia (Bacharel), licenciando em Geografia (Licenciatura - UFSJ) e pesquisador do PPGEO - UFSJ, na linha de pesquisa Dinâmica do Espaço Rural e Urbano. Atualmente desenvolve pesquisas na área da Geografia Agrária com ênfase em Analise Territorial. Faz parte do GHAP (Grupo de Pesquisa em Geografia Humana Aplicada) e do Programa de Extensão Diálogos de Saberes. Também residente na Escola Estadual Professor Iago Pimentel.

Referências

ABRAMOVAY, R. Agricultura familiar y desarrollo territorial. Reforma agraria – FAO, Roma, v. 1, p. 28-43, 2001.

ABRAMOVAY, R. O capital social dos territórios: repensando o desenvolvimento rural. Economia aplicada, São Paulo, v. 4, n. 2, p. 379-397, 2000.

ABRAMOVAY, R. Paradigmas do Capitalismo Agrário em Questão. 2. ed. São Paulo: Hucitec/Edunicamp, 1992. 275p.

AZEVEDO, R.; SANTOS, A. P. R. Camponês e agricultor familiar: mesmos sujeitos?. Geografia, Londrina, v. 26, n. 2, p. 58-77, 2017.

BOURDIEU, P. O poder simbólico. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2001.

CHAYANOV, A. V. La organización de la unidad económica campesina. Buenos Aires: Ediciones Nueva Visión, 1974.

ELLIS, F. Peasant economics: Farm households in agrarian development. Cambridge: University Press, 1993.

FAVARETO, A. A abordagem territorial do desenvolvimento rural - mudança institucional ou" inovação por adição"?. Estudos avançados, São Paulo, v. 24, p. 299-319, 2010.

FERNANDES, B. M. Construindo um estilo de pensamento na questão agrária: o debate paradigmático e o conhecimento geográfico.Tese (Livre-docência) – Uiversidade Estadual Paulista – SP, São Paulo, 2013.

Fernandes, B. M. Os campos da pesquisa em educação do campo: espaço e território como categorias essenciais. In: MOLINA, M.C (Org.) Educação do campo e pesquisa: questões para reflexão. Brasília: Ministério do Desenvolvimento Agrário, 2006. p. 27-39.

FERNANDES, B.M. Políticas públicas, questão agrária e desenvolvimento territorial rural no Brasil. In: GRISA, C.; SCHNEIDER, S. Políticas públicas de desenvolvimento rural no Brasil. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2015. p. 381-400.

GONÇALVES, C.W.P. A Territorialidade Seringueira. GEOgraphia, Niterói, v. 1, n. 2, p. 67-88, 1999.

HAESBAERT, R. Armadilhas do território. In: SILVA, J.B.; SILVA, C.N.M.; DANTAS, E. W. C. (Orgs.). Território: modo de pensar e usar. Fortaleza: EdUFC, 2016, p.19-42.

HAESBAERT, R. Território e descolonialidade: sobre o giro (multi) territorial/de (s) colonial na “América Latina”. Buenos Aires: CLACSO. 2021.

IBGE-Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo Agropecuário 2017. Disponível em: https://sidra.ibge.gov.br/pesquisa/censo-agropecuario/censo-agropecuario-2017/resultados-definitivos Acesso em: 10 de outubro de 2023.

KAUTSKY, K. A questão agrária. São Paulo: Nova Cultural, 1986.

KUHN, T. Revoluções Científicas. São Paulo: Perspectiva, 1978.

LUXEMBURG, R. A acumulação do capital: contribuição ao estudo econômico do imperialismo. Nova Cultural, 1985.

MARTINS, J.S.. Capitalismo e tradicionalismo: estudos sobre as contradições da sociedade agrária no Brasil. São Paulo: Livraria Pioneira Editora, 1975.

MARTINS, J.S. Os camponeses e a política no Brasil. Petrópolis: Editora Vozes, 1981.

MIGNOLO, W. D. Histórias locais-projetos globais: colonialidade, saberes subalternos e pensamento liminar. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2003.

NAVARRO, Z.; PEDROSO, M.T.M. Agricultura familiar: é preciso mudar para avançar. Brasília: Embrapa Informação Tecnológica, 2011.

NEVES, D. P. Agricultura familiar: quantos ancoradouros. Geografia Agrária: teoria e poder, v. 1, p. 211-270, 2007.

NEVES, D. P. Agricultura familiar: quantos ancoradouros!. In: FERNANDES, B.M.; MARQUES, M.I.M; SUZUKI, J.C (Orgs.). Geografia Agrária: teoria e poder. São Paulo: Expressão Popular, 2007. p. 211-270.

OLIVEIRA, A. U.; FARIAS, C. S. O Processo de constituição da propriedade privada da terra no Brasil. In: XII Encontro de Geógrafos da América Latina. Anais... Montevidéu: Universidad de La República, 2009. 01-15.

OLIVEIRA, A.U. A pequena produção agrícola mercantil do Brasil. Boletim Goiano de Geografia, Goiânia v. 2, n. 2, p. 165-195, 1982.

OLIVEIRA, A. U. Agronegócio nas américas: o mito do desenvolvimento e a resistência do campesinato. In: X Encontro de Geógrafos de América Latina. Anais... São Paulo: USP, 2005. p. 4859-4874.

ORTEGA, A.C. As políticas territoriais rurais no Brasil: as ações do governo federal. In: ORTEGA, A.C.; PIRES, M.J.S (Orgs.). As Políticas Territoriais Rurais e a Articulação Governo Federal e Estadual: Um Estudo de Caso da Bahia. Brasília: Ipea, 2016. p. 31-54.

QUINTANEIRO, T. Um toque de clássicos-Marx, Durkheim, Weber. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2003

REIS, J. Uma epistemologia do território. Estudos sociedade e agricultura, Rio de Janeiro, v. 13, n. 1, p. 51-74, 2005.

REIS, M. C. Representações do desenvolvimento e estratégias de desenvolvimento local. In: HERNÁNDEZ, M.L.; MIRANDA, A. R. (Orgs.). Nuevas Rutas Hacia el Bienestar Social, Económico y Medioambiental: II Foro Bienal de Estudios del Desarrollo. Montevideu: RIED; IECON, 2014, p. 231-262.

SANTOS, M.A. O retorno do território. In: SANTOS, M.A et al. (Orgs.): Território: Globalização e fragmentação. São Paulo: Hucitec/Anpur, p. 15 – 20, 1994.

SANTOS, M.A. Objetos e ações: dinâmica espacial e dinâmica social. Geosul, Florianópolis, v. 7, n. 14, p. 49-59, 1992.

SANTOS, T.A. Marxismo e campesinato: abordagens teóricas sobre a “classe incômoda”. Campo.Território, Uberlândia, v. 11, p. 46-69, 2016.

SCHNEIDER, S.; TARTARUGA, I.G.P. Território e abordagem territorial: das referências cognitivas aos aportes aplicados à análise dos processos sociais rurais. Raizes, Campina Grande, v. 23, n.01 e 02, p. 99-116, 2004.

SCHNEIDER, S. A abordagem territorial do desenvolvimento rural e suas articulações externas. Sociologias, Porto Alegre, v. 11, p. 88-125, 2004.

SHANIN, T. A definição de camponês: conceituações e desconceituações – o velho e o novo em uma discussão marxista. Revista Nera, Presidente Prudente, n. 7, p. 1-21, 2012.

SHANIN, T. La clase incómoda: sociología política del campesinado en una sociedad en desarrollo (Russia 1990-1923). Madrid: Alianza Editorial, 1983.

THOMPSON, E. P. A Miséria da Teoria. Rio de Janeiro: Zahar, 1983

THOMPSON, E. P. Exploração. In: Thompson, E. P. A formação da classe operária inglesa: a maldição de Adão. Rio de janeiro: Paz e terra, 2002, p. 11-38.

VALÉRIO, V. J.O. Questão agrária: campesinato e desenvolvimento da agricultura no capitalismo. Pegada - A Revista da Geografia do Trabalho, Presidente Prudente, v. 22, n. 1, p. 238-261, 2021.

VEIGA, J. E. O Desenvolvimento Agrícola: uma visão histórica. São Paulo: Hucitec, 1991.

Downloads

Publicado

22-11-2023

Como Citar

ARGOLO CALDAS SAMPAIO, Pedro; DE OLIVEIRA NETO, João Francisco. EM NOME DA AGRICULTURA FAMILIAR: CONSIDERAÇÕES ACERCA DA MODERNIZAÇÃO DO CAMPESINATO. Boletim Alfenense de Geografia, [S. l.], v. 3, n. 6, p. 115–133, 2023. DOI: 10.29327/243949.3.6-8. Disponível em: https://publicacoes.unifal-mg.edu.br/revistas/index.php/boletimalfenensedegeografia/article/view/2281. Acesso em: 1 mar. 2024.