RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS, TERRITORIALIDADES E SEGREGAÇÃO SOCIOESPACIAL: CONFLITOS IDENTITÁRIOS NOS GERAIS DO SERTÃO MINEIRO

Autores

DOI:

https://doi.org/10.29327/243949.2.4-1

Palavras-chave:

TERRITORIALIDADES, SEGREGAÇÃO, IDENTITÁRIOS, CONFLITOS, SERTÃO MINEIRO

Resumo

“Relações étnico-raciais, Territorialidades e Segregação Socioespacial: conflitos identitários nos Gerais do Sertão Mineiro”, objetiva apresentar conflitos identitários ao reconhecer as territorialidades dadas historicamente e atuais por povos originários (Xakriabá; Tuxá e Pankararu-Pataxó), quilombolas (Buriti do Campo e Páu de Légua) e assentados do Movimento do Sem Terra (Assentamento Estrela do Norte).

Metodologicamente apresenta-se os conflitos identitários, suas relações epistêmicas e conteudistas dada às duas categorias, “étnico-raciais” e contextualizações antropológicas, sociológicas, históricas e geográficas com base na literatura.  Às categorias, “territorialidades e segregações”, são apresentadas diante das práxis e vivências dos movimentos sociais e as possibilidades de suas representações nas espacialidades atuais.

Considera-se que no Sertão dos Gerais Mineiro, as territorialidades reafirmam-se nas representações das relações espacializadas em cada lugar-território de resistência nos campos político, econômico, ambiental, jurídico e social.

Palavras-chave: Territorialidades, Segregação, Identitários, Conflitos, Sertão Mineiro.

Biografia do Autor

Joyce Nayara Wanderley Correia , Mestranda da Universidade Estadual de Montes Claros-PPGEO/NEPGeR/Unimontes

Joyce Nayara Wanderley Correia - joycenwc@gmail.com

Mestranda da Universidade Estadual de Montes Claros-PPGEO/NEPGeR/Unimontes

https: //orcid.org/0000-0001-6847-5107

Karine Siqueira Camilo Silva , Mestranda da Universidade Estadual de Montes Claros-PPGEO/NEPGeR /Unimontes

Karine Siqueira Camilo Silva - karine.siqueira@yahoo.com.br

Mestranda da Universidade Estadual de Montes Claros-PPGEO/NEPGeR /Unimontes

https://orcid.org/0000-0002-3649-524

Referências

ACOSTA, Alberto. O bem Viver: uma Oportunidade Para Imaginar Outros Mundos. Tradução de Tadeu Breda. São Paulo: Autonomia Literária, Elefante, 2016.

ARAÚJO, Gilvan Charles Cerqueira. REIS JUNIOR, Dante Flávio da Costa. As Representações Sociais no Espaço Geográfico. Geotemas. Pau dos Feros, Rio Grande do Norte. Brasil. v 2, n.1.p.87-98. Jan/jun.2012.

AUGE, Marc. Não lugares: Introdução a uma antropologia da supermodernidade. Tradução Maria Lúcia Pereira. 9ª Ed. Campinas – SP:Papirus, 2012.

BARBIERI, Samia Roges Jordy. Os direitos constitucionais dos índios e o direito à diferença, face ao princípio da dignidade da pessoa humana. Coimbra: Edições Almedina, 2008.

BONIN, Iara Tatiana. As faces do racismo contra povos indígenas no Brasil. In: RELATÓRIO - Violência Contra os Povos Indígenas no Brasil – Dados de 2020. Conselho Indigenista Missionário (Cimi), organismo vinculado à Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB). p.28-32. Disponível em: https://cimi.org.br/wp-content/uploads/2021/11/relatorio-violencia-povos-indigenas-2020-cimi.pdf. Acesso em: 15/07/2022.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil, 1988. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm Acesso em : dez.2012

DAYRELL, Carlos Alberto. De nativos e de caboclos: reconfiguração do poder de representação de comunidades que lutam pelo lugar. PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO SOCIAL – PPGDS, 2019.(Tese de Doutorado).

DEL ROIO, Marcos. (Org.). Gramsci: periferia e subalternidade. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2017.

DIAS, Edmundo Fernandes. Como Pode o Subalterno Falar? In: DEL ROIO, Marcos. (Org.). Gramsci: periferia e subalternidade. São Paulo: Editora da Universidade de são Paulo, 2017. p.65-88.

HEIDEGGER, Martin. Identidade e diferença. Tradução e notas de Ernildo Stein. 1ª Ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2018 (Coleção de Bolso).

LIGUORI, Guido. O Uso do Termo “Subalternos”em Gramsci e na Atualidade. In: DEL ROIO, Marcos. (Org.). Gramsci: periferia e subalternidade. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2017. p.23-40.

MOVIMENTO Catrumano: O Norte de Minas como Berço de Minas Gerais– Universidade Estadual de Montes Claros – Associação dos Municípios da área Mineira da SUDENE – Prefeitura Municipal de Montes Claros. Imprensa Universitária – Unimontes, Janeiro de 2006. (Cartilha).

NASCIMENTO, Taiane Flores do, COSTA, Benhur Pinós da Costa. Fenomenologia e geografia: teorias e reflexões. Geografia, Ensino & Pesquisa, Vol. 20 n.3, p. 43-50. 2016.

QUIJANO, Aníbal. Colonialidad Del poder y classificación social. Journ of world-system research, v. 11, n. 2, p. 342-386, 2000.

RAFFESTIN, Claude. Por uma Geografia do Poder. Tradução de Maria Cecília França. São Paulo: Ática, 1993.

RIBEIRO, Maria Teresa F. & MILANI. Carlos Roberto. (Orgs.). Compreendendo a complexidade socioespacial contemporânea: O território como categoria de diálogo interdisciplinar. Salvador: EDUFBA, 2009.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Para uma revolução democrática da Justiça. 3ª edição. São Paulo: Cortez, 2011.

SANTOS, Ronaldo Pereira FEITOSA, Savio Silveira FREDDO, André DESAPROPRIAÇÕES PARA FINS DE REFORMA AGRÁRIA: um olhar nos últimos 25 anos. CAMPO-TERRITÓRIO: revista de geografia agrária, v. 17, n. 46, p. 84-108, ago., 2022.

SEMERARO, Giovanni. O Protagonismo das Periferias e dos Subalternos na Alternativa Desenhada por Gramsci. In: DEL ROIO, Marcos. (Org.). Gramsci: periferia e subalternidade. São Paulo: Editora da Universidade de são Paulo, 2017. p.107-126.

SITES:
Disponível em: https://globoplay.globo.com/v/8761349/ Acesso em: 15/07/2022

Downloads

Publicado

03-10-2022

Como Citar

ALEXANDRE DA SILVA, Cássio; UAKYRÊ PANKARARU BRAZ; JOYCE NAYARA WANDERLEY CORREIA; KARINE SIQUEIRA CAMILO SILVA. RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS, TERRITORIALIDADES E SEGREGAÇÃO SOCIOESPACIAL: CONFLITOS IDENTITÁRIOS NOS GERAIS DO SERTÃO MINEIRO. Boletim Alfenense de Geografia, [S. l.], v. 2, n. 4, p. 3–18, 2022. DOI: 10.29327/243949.2.4-1. Disponível em: https://publicacoes.unifal-mg.edu.br/revistas/index.php/boletimalfenensedegeografia/article/view/1950. Acesso em: 15 abr. 2024.

Edição

Seção

Dossiê Temático

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)