O USO CORPORATIVO DO TERRITÓRIO: ABORDAGEM NO INÍCIO DO SÉCULO XXI

Palavras-chave: Uso do território, Corporações, Brasil, Geografia

Resumo

A análise do uso que grandes empresas fazem do território brasileiro se ampliou a partir do final da década de 1980. Estes apontaram questões ainda em sua fase inicial, como a ampliação do poder destes agentes diante do modelo de desenvolvimento econômico neoliberal por parte do Estado brasileiro trazendo consequências econômicas, sociais e territoriais para o país. Assim, analisar como o estudo sobre o assunto tem sido realizado no Brasil nos anos recentes permite identificar a situação atual e como as pesquisas vem sendo desenvolvidas. Este foi o objetivo deste artigo, que analisou estudos relacionados à temática em quatro Revistas Científicas no período 2001-2020. Foram identificadas mudanças em aspectos relacionados ao uso corporativo do território, mas também permanências, como a atuação do Estado diante da questão. Os artigos apresentaram a temática a partir da perspectiva crítica tendo em seu referencial teórico autores que contribuíram para se pensar a temática nas décadas anteriores. Estas são contribuições importantes para se entender o aprofundamento do uso corporativo do território nacional ao longo dos dezenove anos do século XXI.

Biografia do Autor

Raquel Maria Alves, Universidade Federal de São João del-Rei (UFSJ)

Graduada em Geografia Bacharelado e Mestranda em Geografia pela Universidade Federal de São João del-Rei. Atualmente é membro do Grupo de Pesquisa em Geografia Humana Aplicada (GHAP) e Grupo de Estudos e Pesquisa em Geografia, Educação e Riscos GEPEGER (UFSJ).

Igor Silvério Macedo , Universidade Federal de São João del-Rei (UFSJ)

Graduado em Geografia Licenciatura e Mestrando em Geografia pela Universidade Federal de São João del-Rei.  Atualmente integra o Grupo de Estudos e Pesquisas em Geografia, Educação e Riscos (GEPEGER).

Referências

BRAGA, Rhalf M. Arranjos estratégicos territoriais e redes de poder no circuito espacial leiteiro: o exemplo da Perdigão Agroindustrial S. A. ACTA Geográfica, Boa Vista, v.5, n.9,p. 15-32, jan./jun., 2011. Disponível em: https://revista.ufrr.br/actageo/article/viewFile/371/437 . Acesso em julho de 2021.

BERNARDES, Adriana. CASTILLO, Ricardo. Dinâmicas atuais da metrópole paulista: a promoção imobiliária para empresas. Boletim de Geografia, Maringá, v.19, n.1, p.59-70, 2001. Disponível em: https://periodicos.uem.br/ojs/index.php/BolGeogr/article/view/12053/7279 . Acesso em julho de 2021.

CORRÊA, Roberto L. A. Corporação e organização espacial: em estudo de caso. Revista Brasileira Geografia, Rio de Janeiro, v.53, nº 3, p.33-66, jul/set, 1991.

DANTES, Maria Amélia M. SANTOS, Joseleide Souza. Siderurgia e tecnologia (1918-1964). In: MOTOYAMA, Shozo (Org.) Tecnologia e Industrialização no Brasil: Perspectiva histórica.1a ed. São Paulo: Editora UNESP, 1994, Parte II, Cap. 1, p.209-232.

DEAK, Csaba. O processo de urbanização no Brasil: Falas e Façanhas. In: DEAK, C; SCHIFFER, S.R (Org.). O processo de urbanização no Brasil. 2ª ed. São Paulo: EDUSP, 2010, p.9-18.

DIAS, B. B.; VIDEIRA, S. L. Corporações Financeiras: uma análise do banco Santander no Brasil (2006 - 2012). Boletim de Geografia, Maringá, v. 33, n. 3, p. 84-105, 24 mar. 2016. Disponível em: https://periodicos.uem.br/ojs/index.php/BolGeogr/article/view/23981. Acesso em julho de 2021.

DINIZ, Clélio Campolina; CROCCO, Marco Aurélio. Reestruturação econômica e impacto regional: o mapa da indústria brasileira. Nova Economia, Belo Horizonte, v.6, no1, p.77-100,jul. 1996.

DULCI, João Assis. Configurações do desenvolvimento em duas novas regiões automobilísticas: Sul Fluminense e Camaçari (BA). Revista de Ciências Sociais, n° 48, janeiro/junho de 2018, p. 75-94.

FREDERICO, Samuel. Imperativo das exportações e especialização Agrícola do território brasileiro: das regiões competitivas à necessidade de regiões cooperativas. GEOGRAFIA, Rio Claro, v. 37, n. 1, p. 5-18, jan./abr. 2012.

HERRERA, José A. NETO, José Q. de M. MOREIRA, Rodolfo P. Integração E estruturação do território amazônico como consequência da expansão capitalista no Brasil. Boletim de Geografia, Maringá, v. 31, n.2, p.19 -36, mio-ago, 2013. Disponível em: https://periodicos.uem.br/ojs/index.php/BolGeogr/article/view/18880/10953 . Acesso em julho de 2021.

IBAÑEZ, Pablo. Território e Guerra fiscal: A perversidade dos incentivos territoriais.2006.174f. Dissertação (Mestrado em Geografia Humana) – Universidade de São Paulo. São Paulo/SP.

MARICATO, Ermínia. Metrópole, Legislação e desigualdade. Estudos avançados. São Paulo, v. 17, n; 48, p.151-167. mai./ago. 2003.

MONTESSORO, Cláudia C. L. Shopping Centers: novas formas de comercialização e estratégias locacionais em Presidente Prudente –SP. Boletim Goiano de Geografia, v.22, n.1, p.73-96, jan./jun., 2002. Disponível em: https://revistas.ufg.br/bgg/article/view/15379 . Acesso em julho de 2021.

MORAES, Antônio Carlos Robert de. Ideologias Geográficas e Projetos Nacionais no Brasil. In: MORAES, Antônio Carlos Robert de. Território e História no Brasil. 2aed.São Paulo: Anablume. 2005. Cap.6, p.91-103.

SANTOS, Milton; SILVEIRA, Maria Laura. Uma reorganização produtiva do território. In: SANTOS, Milton; SILVEIRA, Maria Laura. O Brasil: território e sociedade no início do século XXI. 9a ed. Rio de Janeiro: Record, 2006. p.105-140.

SANTOS, Milton; SILVEIRA, Maria Laura. Uma ordem espacial: a economia política do território. In: SANTOS, Milton; SILVEIRA, Maria Laura. O Brasil: território e sociedade no início do século XXI. 9a ed. Rio de Janeiro: Record, 2006. p.289-325.

SILVA, Clayton Luiz. Alienação e uso corporativo do território de São Paulo: incentivos territoriais e investimentos privados. Dissertação (Mestrado) -Universidade Federal de Campinas, Instituto de Geociências. Campinas/SP. 2005.

SILVA, Ronaldo da. Indústria automobilística brasileira nos anos de 1990: uma nova territorialização. Boletim Goiano de Geografia, v. 23, n; 1, p.59 -82, 2003. Disponível em: https://revistas.ufg.br/bgg/article/view/4184 . Acesso em julho de 2021.

SILVEIRA, Maria Laura. Território usado: Dinâmicas de especialização, dinâmicas de diversidade. Ciência Geográfica, Bauru, vol. XV - (1) p.4-12. Janeiro/Dezembro - 2011.

SILVEIRA, Maria Laura. Território Usado como categoria de análise social. Aula Magna proferida no Programa de Pós-Graduação em Geografia da UNESP/Rio Claro, organizado pela Comissão de Eventos do Programa de Pós-Graduação em Geografia - UNESP Rio Claro, em 8 de abril de 2021. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=_ndFI0F98rg . Acesso em abril de 2021.

SOUZA, E. A.; JESUS, J. N. de; CALAÇA, M. Região do Centro-Oeste brasileiro: Apropriação da “Terra Prometida” pelo capitalismo agrário nos territórios do Cerrado. Boletim de Geografia, Maringá, v. 37, n. 2, p. 43-56, 17 abr. 2020. Disponível em: https://periodicos.uem.br/ojs/index.php/BolGeogr/article/view/47944 . Acesso em junho de 2021.

TAVARES, Rayla de L. CONCEIÇÃO, Francilene S. da. FILHO, Antonio C. S. de C. Resistencias dos movimentos sociais e ONGs frente ao avanço do agronegócio no oeste da Amazônia paraense. Geografia, Londrina, v.29, n.1, p.45-64, jan/ 2020. Disponível em: https://www.uel.br/revistas/uel/index.php/geografia/article/view/36990 . Acesso em junho de 2021.

TEIXEIRA, Sérgio H. de O. SILVA, Adriana M. B. Informação e planejamento corporativo: a consultora Deloitte e suas articulações no território brasileiro. Boletim Goiano de Geografia, v. 39, p.1-22, 2019. Disponível em: https://revistas.ufg.br/bgg/article/view/56606 . Acesso em julho de 2021.

TOLEDO, Marcio R. Especialização Regional Produtiva e a atual Organização da Agricultura no Brasil. Geografia, Londrina, v.26, n.2, p.98-115, jul./dez., 2017. Disponível em: https://www.uel.br/revistas/uel/index.php/geografia/article/view/28204 . Acesso em junho de 2021.

TOZZI, Fábio; O território como recurso: a privatização das telecomunicações no Brasil. Do leilão dos fragmentos à totalidade do território. Geosul, Florianópolis, v. 24, n. 48, p 47-66, jul./dez. 2009.

Publicado
14-06-2022
Como Citar
Raquel Maria Alves; Igor Silvério Macedo. O USO CORPORATIVO DO TERRITÓRIO: ABORDAGEM NO INÍCIO DO SÉCULO XXI. Boletim Alfenense de Geografia, v. 2, n. 3, p. 3-24, 14 jun. 2022.