OCUPAÇÕES E RE_EXISTÊNCIAS
PDF

Palavras-chave

Ocupações. Resistências. Práticas educativas, artísticas e políticas. Juvenis. Cidade.

Como Citar

SHARA JANE HOLANDA COSTA ADAD, LUCIANA DE LIMA LOPES LEITE, & KRICIA DE SOUSA SILVA. (2022). OCUPAÇÕES E RE_EXISTÊNCIAS : PRÁTICAS EDUCATIVAS, ARTÍSTICAS E POLÍTICAS DE COLETIVOS JUVENIS NA CIDADE DE TERESINA/PIAUÍ/BRASIL (2012-2021). Indagações Em Educação, 1-17. Recuperado de https://publicacoes.unifal-mg.edu.br/revistas/index.php/indagacoesemeducacao/article/view/1915

Resumo

Este relato de experiência integra as investigações do Observatório das Juventudes e Violências na Escola – OBJUVE inserido no Núcleo de Estudos e Pesquisas “Educação, Gênero e Cidadania” – NEPEGECI e se propõe a dar visibilidade para as práticas de resistência de coletivos juvenis ARTEVistas, consideradas micropolíticas que possibilitam práticas educativas, artísticas e políticas de juventudes frente às inúmeras exclusões e violações de direitos humanos, formas biopolíticas e necropolíticas dos diversos poderes institucionalizados. A metodologia desenvolvida tem como base a observação direta do intenso movimento das experiVivências de jovens nas ocupações existentes e atuantes nos espaços públicos e privados de Teresina/PI, entre os anos de 2012-2021, a partir de uma etnografia dos atravessamentos e da criação de afetos e dos conhecimentos produzidos no/com o campo e seus sujeites - vozes que se [re]constroem e se misturam em meio ao ARTEvismo e a reXistência. É possível concluir que nas ocupações coletivas de resistência outros/novos espaços sociais e relacionais são inventados, criando linguagens, tecnologias e práticas educativas, artísticas e políticas que re_conectam os jovens às pessoas de diferentes gerações e de outros lugares da cidade. É também um convite a re_pensar o cotidiano e as relações de poder que envolvem a todes, especialmente às/aos jovens, sonhando outros mundos possíveis através da arte que inventa afetos e os possibilitam re_eXistir nos espaços que atuam e vivem. 

PDF

Referências

RETIRADO PARA PRESERVAÇÃO DO ANONIMATO.

RETIRADO PARA PRESERVAÇÃO DO ANONIMATO.

RETIRADO PARA PRESERVAÇÃO DO ANONIMATO.

RETIRADO PARA PRESERVAÇÃO DO ANONIMATO.

CERTEAU, M. A invenção do cotidiano. Petrópolis: Vozes, 2008.

DELEUZE, G; GUATTARI, F. Mil Platôs: capitalismo e esquizofrenia 1, Vol. 3. São Paulo: Ed. 34, 1996.

FREITAS, J. C. C. de. As zonas autônomas temporais enquanto espaço de produção do conhecimento e da ciência alternativa. Disponível em: < https://cienciaeanarquismo.milharal.org/ files/2013/12/Jan.pdf> Acesso em 24 de junho de 2017.

GROPPO, Luis Antonio. A pesquisa. In: GROPPO et al. Coletivos juvenis na universidade e práticas formativas: política, educação, cultura e religião. São Carlos: Pedro & João, 2020.

GUATTARI, F. Caosmose. Rio de Janeiro: Ed. 34, 1992.

GUATTARI, Félix; ROLNIK, Suely. Micropolítica: Cartografias do Desejo. 4.ed. Petropólis, RJ: Vozes, 1996.

GORCZEVSKI, D. Arte que inventa afetos. Fortaleza: Imprensa Universitária, 2017.

RETIRADO PARA PRESERVAÇÃO DO ANONIMATO.

KRENAK, Ailton. Ideais para adiar o fim do mundo. São Paulo: Companhia das letras, 2019.

NAJIMA, Fabiana Mitsue. Coletivos em arte: novas formas de organização. 151fl. Dissertação (Mestrado) - Universidade de São Paulo. São Paulo: USP, 2010. Disponível em: https://fabianamitsue.files.wordpress.com/2011/05/fabiana-mitsue-najima_coletivos-em-rede_-pgeha_usp-final.pdf Acesso em: 15 mai de 2022.

NAJIMANOVICH, Denise. O sujeito encarnado: questões para pesquisa no/do cotidiano. Rio de Janeiro: DP&A, 2001.

PAIM, Claudia. Táticas de artistas na América Latina: coletivos, iniciativas coletivas e espaços autogestionados. Porto Alegre: Panorama Crítico Ed., 2012.

RANCIÈRE, Jacques. O mestre ignorante: cinco lições sobre a emancipação intelectual. Belo Horizonte: Autêntica, 2007.

ROCHA, Lúcia Naser. Coletivos Artísticos Brasileiros: um estudo de caso sobre discursos e subjetividade política nos processos colaborativos em artes. 248fl. Dissertação (Mestrado). Universidade Federal da Bahia. Salvador: UFBA, 2009. Disponível em:
https://repositorio.ufba.br/bitstream/ri/9619/1/Dissertacao%2520Rocha%2520_seg.pdf
Acesso em: 20 abr 2022

RETIRADO PARA PRESERVAÇÃO DO ANONIMATO.

SILVA, M. S. B. Vida nua, Direitos Humanos e Educação em tempos de Tanatopolítica. Research, Society and Development, v. 9, n. 8, p. 1-16, Agosto/2020. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/6780/6043 Acesso em: 15 jun. 2021.
Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 4.0 International License.