MAPAS CONCEITUAIS E OS SENTIDOS DE JUVENTUDE(S) NAS PESQUISAS EM EDUCAÇÃO
PDF

Palavras-chave

Juventudes, mapas conceituais, pesquisa em educação, escola.

Como Citar

CRUZ BORGES L. P., LUNA DE CARVALHOA. C., NASCIMENTO DA SILVAC. M., & DA SILVA COSTAJ. P. (2022). MAPAS CONCEITUAIS E OS SENTIDOS DE JUVENTUDE(S) NAS PESQUISAS EM EDUCAÇÃO . Indagações Em Educação, 102-117. Recuperado de https://publicacoes.unifal-mg.edu.br/revistas/index.php/indagacoesemeducacao/article/view/1853

Resumo

O presente artigo apresenta umas das etapas de uma pesquisa, revisão de literatura, ainda em andamento. O principal objetivo deste trabalho é realizar investigações de diversas pesquisas e produções, a partir de artigos acadêmicos nos últimos anos, com foco na(s) juventude(s), afim de analisar quais conceitos ligados à juventude são encontrados. Para isso, foram elaborados Mapas Conceituais como escolha do caminho metodológico, pensando também a sua relevância e contribuição à educação. As teorizações se fundamentam na Sociologia da Educação nos auxiliando nos processos analíticos e descritivos dos dados. Em linhas gerais, a pesquisa mostrou que, através da revisão de literatura e da produção de mapas conceituais, foi possível a problematização dos conceitos de juventudes no âmbito do campo educacional. O artigo apresenta reflexões e uma análise crítica sobre a produção de conhecimento na área, possibilitando uma polissemia das ideias de juventude e redimensionamento do olhar para o tema. As conclusões indicam que esse processo permitiu estabelecer novas relações entre significados e significantes do objeto de estudo, evidenciando complexidades que se materializam na pluralidade do conceito em diálogo com as categorias de classe social, gênero e sexualidade, raça/cor, ensino médio e território.

PDF

Referências

ARAUJO, Adriane Matos de. Instrumentos metodológicos para análise de conteúdo de pesquisa: mapa conceitual, Endnote e Atlas.ti formas e usos. In: Álvaro Daniel Costa. (Org.). Cultura, cidadania e políticas públicas 3. 1ed.Ponta Grossa Parana: Antonella Carvalho de Oliveira, 2019, v. 3, p. 46-54.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011.

BRAGANÇA, G. A. (2008) A produção do saber nas pesquisas sobre o Fracasso Escolar (1997-2007). Dissertação (Mestrado em Programa de Pós Graduação Em Educação) - Universidade do Estado do Rio de Janeiro.

BOURDIEU, Pierre. Os usos sociais da ciência: por uma sociologia clínica do campo científico. São Paulo: UNESP, 2004. 86 p.

BORGES, L.P.C. O futuro da escola: uma etnografia sobre a relação dos jovens com o conhecimento escolar. 2018. 151 f. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2018.

CARRANO, Paulo; BRENNER, Ana Karina. Os sentidos da presença dos jovens no Ensino Médio: representações da escola em três filmes de estudantes. Educação & Sociedade (Impresso), v. 35, p. 1223-1240, 2014.

CASTRO, P. de A. Controlar pra quê? Uma análise etnográfica da interação professor e aluno na sala de aula. Dissertação (Mestrado em Educação). Rio de Janeiro: Universidade do Estado do Rio de Janeiro, 2006.

CASTRO, P. A de. Tornar-se aluno: identidade e pertencimento – um estudo etnográfico. 2011. 157f. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2011.

DAYRELL, Juarez . A juventude no contexto do ensino da sociologia: questões e desafios. IN: Sociologia: ensino médio (Coleção Explorando o Ensino). 1ed.Brasilia: MEC Secretaria de Educação Básica, 2010, v. 15, p. 65-85.

DAYRELL, Juarez. A escola “faz” as juventudes? reflexões em torno da socialização juvenil. Educação e Sociedade, Campinas, vol. 28, n. 100, especial, p. 1105-1128, 2007.

DAYRELL, Juarez. O jovem como sujeito social. Revista Brasileira de Educação, n.24, p. 40-52, 2003.

FIGUEIREDO, I de L. Procedimentos de tematização e figuratização na produção textual de alunos de terceiro grau. Revista do GELNE. Ano 01, n. 01, p. 49-51, 1999.

FONTOURA, H. A. Formando Professores que aprendem a partir dos relatos: uma experiência da Faculdade de Formação de Professores (FFP) da UERJ. Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, vol. 17, n. 29, p. 137-146, 2008.

HALL, Stuart. A centralidade da cultura: notas sobre as revoluções culturais do nosso tempo. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 22, nº2, p. 15-46, jul./dez. 1997.

IPEA – INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA. Millennials na América e no Caribe: trabalhar ou estudar?. Brasília: Ipea, 2018. Disponível: https://www.ipea.gov.br/portal/index.php?option=com_content&view=article&id=34460 Acessado em 02/02/2020.

MATTOS, C. L. G. de; BORGES, L. P. C. ; CASTRO, P. A. de . Conceptual maps as a methodological approach at educational research. Open and Interdisciplinary Journal of Technology Culture, v. 8, p. 32-43, 2013.

MBEMBE, Achille. Necropolítica. 3. ed. São Paulo: n-1 edições, 2018. 80 p.

MIGUEL, Ana Maria. Laço da laje: jovens produtores de cultura. Dissertação (Programa de Pós-Graduação em Educação, Cultura e Comunicação, da Faculdade de Educação da Baixada Fluminense) da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, p. 79, 2013.

MILLS, C. Wright. A Imaginação Sociológica. 4.ª ed. Tradução de Waltensir Dutra. Rio de Janeiro, Zahar, 1975. 246pp.

NOVAK, J. D. Clarify with concept maps. Science Teacher. 58(7): p. 44-49, 1991.

PAIS, J. Buscas de si: expressividades e identidades juvenis. In: ALMEIDA, M. I. M; EUGENIA, F. (Orgs.) Culturas jovens: novos mapas do afeto. Rio de Janeiro: Zahar, p. 07-24, 2006.

SENNA, L. A. G. Categorias e sistemas metafóricos. Um estudo sobre a pesquisa etnográfica. In: CLARETO, S. M. (Org.). Pesquisa Qualitativa: Atualidades e perspectivas. Educação em Foco, v. 11, n. 01, Editora UFJF, Juiz de Fora, mar./ago., p. 56-76, 2006.

SPOSITO. Marilia Pontes; SOUZA Raquel; SILVA, Fernanda Arantes. A pesquisa sobre jovens no Brasil: traçando novos desafios a partir de dados quantitativos. Educ. Pesquisa, São Paulo, v. 44, p.170-308, 2018.

SPOSITO, M. P.; TRANSVERSALIDADES NO ESTUDO SOBRE JOVENS NO BRASIL: EDUCAÇÃO, AÇÃO COLETIVA E CULTURA. Educação e Pesquisa, São Paulo, v.36, n. especial, p. 095-106, 2010.

ZAGO, Nadir; CARVALHO, Maria e VILELA, Rita. Itinerários de Pesquisa: perspectivas qualitativas em sociologia da educação. Rio de Janeiro: DP&A, p. 287-309, 2003.
Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 4.0 International License.