MAPAS CONCEITUAIS E OS SENTIDOS DE JUVENTUDE(S) NAS PESQUISAS EM EDUCAÇÃO

Autores

  • Luis Paulo Cruz Borges Instituto Fernando Rodrigues da Silveira dada Universidade do Estado do Rio de Janeiro
  • Aline Carla Luna de Carvalho Instituto Fernando Rodrigues da Silveira dada Universidade do Estado do Rio de Janeiro
  • Camila Maria Nascimento da Silva Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ)
  • João Pedro da Silva Costa Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ)

Palavras-chave:

juventudes, mapas conceituaiss, escola, pesquisa em educação

Resumo

O presente artigo apresenta umas das etapas de uma pesquisa, revisão de literatura, ainda em andamento. O principal objetivo deste trabalho é realizar investigações de diversas pesquisas e produções, a partir de artigos acadêmicos nos últimos anos, com foco na(s) juventude(s), afim de analisar quais conceitos ligados à juventude são encontrados. Para isso, foram elaborados Mapas Conceituais como escolha do caminho metodológico, pensando também a sua relevância e contribuição à educação. As teorizações se fundamentam na Sociologia da Educação nos auxiliando nos processos analíticos e descritivos dos dados. Em linhas gerais, a pesquisa mostrou que, através da revisão de literatura e da produção de mapas conceituais, foi possível a problematização dos conceitos de juventudes no âmbito do campo educacional. O artigo apresenta reflexões e uma análise crítica sobre a produção de conhecimento na área, possibilitando uma polissemia das ideias de juventude e redimensionamento do olhar para o tema. As conclusões indicam que esse processo permitiu estabelecer novas relações entre significados e significantes do objeto de estudo, evidenciando complexidades que se materializam na pluralidade do conceito em diálogo com as categorias de classe social, gênero e sexualidade, raça/cor, ensino médio e território.

Biografia do Autor

Luis Paulo Cruz Borges, Instituto Fernando Rodrigues da Silveira dada Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Professor Adjunto do Instituto Fernando Rodrigues da Silveira da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (CAp-UERJ).

Aline Carla Luna de Carvalho, Instituto Fernando Rodrigues da Silveira dada Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Estudante do Ensino Médio do CAp-UERJ e bolsista de IC Jr. CNPq. 

Camila Maria Nascimento da Silva, Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ)

Graduada em Pedagogia pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) e bolsista IC - CNPq

João Pedro da Silva Costa, Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ)

Graduando em Artes pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) e bolsista IC - CNPq.

Referências

ARAUJO, Adriane Matos de. Instrumentos metodológicos para análise de conteúdo de pesquisa: mapa conceitual, Endnote e Atlas.ti formas e usos. In: Álvaro Daniel Costa. (Org.). Cultura, cidadania e políticas públicas 3. 1ed.Ponta Grossa Parana: Antonella Carvalho de Oliveira, 2019, v. 3, p. 46-54.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011.

BRAGANÇA, G. A. (2008) A produção do saber nas pesquisas sobre o Fracasso Escolar (1997-2007). Dissertação (Mestrado em Programa de Pós Graduação Em Educação) - Universidade do Estado do Rio de Janeiro.

BOURDIEU, Pierre. Os usos sociais da ciência: por uma sociologia clínica do campo científico. São Paulo: UNESP, 2004. 86 p.

BORGES, L.P.C. O futuro da escola: uma etnografia sobre a relação dos jovens com o conhecimento escolar. 2018. 151 f. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2018.

CARRANO, Paulo; BRENNER, Ana Karina. Os sentidos da presença dos jovens no Ensino Médio: representações da escola em três filmes de estudantes. Educação & Sociedade (Impresso), v. 35, p. 1223-1240, 2014.

CASTRO, P. de A. Controlar pra quê? Uma análise etnográfica da interação professor e aluno na sala de aula. Dissertação (Mestrado em Educação). Rio de Janeiro: Universidade do Estado do Rio de Janeiro, 2006.

CASTRO, P. A de. Tornar-se aluno: identidade e pertencimento – um estudo etnográfico. 2011. 157f. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2011.

DAYRELL, Juarez . A juventude no contexto do ensino da sociologia: questões e desafios. IN: Sociologia: ensino médio (Coleção Explorando o Ensino). 1ed.Brasilia: MEC Secretaria de Educação Básica, 2010, v. 15, p. 65-85.

DAYRELL, Juarez. A escola “faz” as juventudes? reflexões em torno da socialização juvenil. Educação e Sociedade, Campinas, vol. 28, n. 100, especial, p. 1105-1128, 2007.

DAYRELL, Juarez. O jovem como sujeito social. Revista Brasileira de Educação, n.24, p. 40-52, 2003.

FIGUEIREDO, I de L. Procedimentos de tematização e figuratização na produção textual de alunos de terceiro grau. Revista do GELNE. Ano 01, n. 01, p. 49-51, 1999.

FONTOURA, H. A. Formando Professores que aprendem a partir dos relatos: uma experiência da Faculdade de Formação de Professores (FFP) da UERJ. Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, vol. 17, n. 29, p. 137-146, 2008.

HALL, Stuart. A centralidade da cultura: notas sobre as revoluções culturais do nosso tempo. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 22, nº2, p. 15-46, jul./dez. 1997.

IPEA – INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA. Millennials na América e no Caribe: trabalhar ou estudar?. Brasília: Ipea, 2018. Disponível: https://www.ipea.gov.br/portal/index.php?option=com_content&view=article&id=34460 Acessado em 02/02/2020.

MATTOS, C. L. G. de; BORGES, L. P. C. ; CASTRO, P. A. de . Conceptual maps as a methodological approach at educational research. Open and Interdisciplinary Journal of Technology Culture, v. 8, p. 32-43, 2013.

MBEMBE, Achille. Necropolítica. 3. ed. São Paulo: n-1 edições, 2018. 80 p.

MIGUEL, Ana Maria. Laço da laje: jovens produtores de cultura. Dissertação (Programa de Pós-Graduação em Educação, Cultura e Comunicação, da Faculdade de Educação da Baixada Fluminense) da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, p. 79, 2013.

MILLS, C. Wright. A Imaginação Sociológica. 4.ª ed. Tradução de Waltensir Dutra. Rio de Janeiro, Zahar, 1975. 246pp.

NOVAK, J. D. Clarify with concept maps. Science Teacher. 58(7): p. 44-49, 1991.

PAIS, J. Buscas de si: expressividades e identidades juvenis. In: ALMEIDA, M. I. M; EUGENIA, F. (Orgs.) Culturas jovens: novos mapas do afeto. Rio de Janeiro: Zahar, p. 07-24, 2006.

SENNA, L. A. G. Categorias e sistemas metafóricos. Um estudo sobre a pesquisa etnográfica. In: CLARETO, S. M. (Org.). Pesquisa Qualitativa: Atualidades e perspectivas. Educação em Foco, v. 11, n. 01, Editora UFJF, Juiz de Fora, mar./ago., p. 56-76, 2006.

SPOSITO. Marilia Pontes; SOUZA Raquel; SILVA, Fernanda Arantes. A pesquisa sobre jovens no Brasil: traçando novos desafios a partir de dados quantitativos. Educ. Pesquisa, São Paulo, v. 44, p.170-308, 2018.

SPOSITO, M. P.; TRANSVERSALIDADES NO ESTUDO SOBRE JOVENS NO BRASIL: EDUCAÇÃO, AÇÃO COLETIVA E CULTURA. Educação e Pesquisa, São Paulo, v.36, n. especial, p. 095-106, 2010.

ZAGO, Nadir; CARVALHO, Maria e VILELA, Rita. Itinerários de Pesquisa: perspectivas qualitativas em sociologia da educação. Rio de Janeiro: DP&A, p. 287-309, 2003.

Downloads

Publicado

25-08-2022

Como Citar

Cruz Borges, L. P. ., Luna de Carvalho, A. C., Nascimento da Silva, C. M., & da Silva Costa, J. P. (2022). MAPAS CONCEITUAIS E OS SENTIDOS DE JUVENTUDE(S) NAS PESQUISAS EM EDUCAÇÃO . Indagações Em Educação, 2(2), 102–117. Recuperado de https://publicacoes.unifal-mg.edu.br/revistas/index.php/indagacoesemeducacao/article/view/1853