LITERATURA DE CORDEL NA ESCOLA PÚBLICA: PERSPECTIVAS PARA A PRÁTICA DE LEITURA ORAL E O ENSINO DE ESCRITA
Capa da Revista Indagações em Educação
PDF

Palavras-chave

Literatura de Cordel. Letramento. Prática de leitura. Ensino de escrita.

Como Citar

Isis Parise Silva, & Ana Lúcia Guedes-Pinto. (2021). LITERATURA DE CORDEL NA ESCOLA PÚBLICA: PERSPECTIVAS PARA A PRÁTICA DE LEITURA ORAL E O ENSINO DE ESCRITA. Indagações Em Educação, 1(1), 46-65. Recuperado de https://publicacoes.unifal-mg.edu.br/revistas/index.php/indagacoesemeducacao/article/view/1621

Resumo

A Literatura de Cordel do Nordeste brasileiro surge como uma poética da tradição oral e, posteriormente, se consolida por meio da escrita. Suas regras de estilo e composição são únicas. Não restringe abordagens temáticas: de pelejas a contos encantados, de política a romances, as possibilidades de leitura são muitas. Propusemos uma investigação qualitativa, de abordagem participante, com alunos de uma escola pública do interior de São Paulo, estudantes de 4º e 5º ano do Ensino Fundamental e desenvolvemos como eixo principal a leitura da Literatura de Cordel, de forma oral. Vinculamos outros métodos como rodas de conversa e composições escritas, com o intuito de indagar quais impactos poderia trazer a leitura oralizada dos folhetos de cordel para o ensino da escrita, a prática de leitura, o repertório cultural e criativo das crianças. O trabalho com a escrita poética e a leitura oral de cordéis ressaltou a importância de uma ação pedagógica interessada em ser interessante (SNYDERS, 2005).

Palavras-chave: Literatura de Cordel. Letramento. Prática de leitura. Ensino de escrita.

PDF

Referências

ABREU, Márcia A. de. Cordel português / Folhetos nordestinos: Confrontos: um estudo histórico-comparativo. 1993. 360f. Tese (Doutorado em Teoria Literária) – UNICAMP, Campinas.

BAGNO, Marcos. A norma oculta: língua e poder na sociedade brasileira. São Paulo: Parábola, 2003.
BARBOSA, Giovana T. C. A sala de aula como espaço de interlocução e produção de sentidos. 2018. 83f. Dissertação (Mestrado em Educação) – UNICAMP, Campinas.
CANDIDO, Antonio. Vários Escritos. 4ª ed. São Paulo: Duas cidades; Rio de Janeiro: Ouro sobre Azul, 2004.

CARVALHO, Francisco G. C. de. Cordel, cordão, coração. Revista do Gelne, Fortaleza (CE): UFC; Editor: Revista do Gelne, v.4, n. 1/2, 2002. Disponível em: . Acesso em: 18 nov. 2020.
EZPELETA, Justa; ROCKWELL, Elsie. Pesquisa Participante. 2ª.ed. São Paulo: Cortez: Autores Associados, 1989.
FREIRE, Paulo. A importância do ato de ler: em três artigos que se completam. 23ªed. São Paulo: Cortez: Autores Associados, 1989.
GALVÃO, Ana M. de O. Cordel: leitores e ouvintes. Belo Horizonte: Autêntica, 2001.
KLEIMAN, Angela. Preciso “ensinar” o letramento?: Não basta ensinar a ler e a escrever? Campinas (SP): CEFIEL, 2005.
LAJOLO, Marisa. Meus alunos não gostam de ler… o que eu faço? Campinas (SP): CEFIEL, 2005.
MACHADO, Irene A. Texto como enunciação. A abordagem de Mikhail Bakhtin. Língua e Literatura, São Paulo: FFLCH/USP; Editora USP, n. 22, 1996. Disponível em: . Acesso em: 18 nov. 2020.
MARTINS, M. F.; VARANI, Adriana. Professor e pesquisador: considerações sobre a problemática relação entre ensino e pesquisa. Revista Diálogo Educacional, Curitiba (PR): PUCPR; Editora Universitária Champagnat, v.12, n.37, set./dez. 2012. Disponível em: . Acesso em: 18 nov. 2020.
POSSENTI, Sírio. Aprender a escrever (re)escrevendo. Campinas (SP): CEFIEL, 2005.
RODRIGUES, L. P.; SILVA, R. N da. Aula de leitura no contexto sociocultural do cordel. Leitura: Teoria & Prática, Campinas (SP): ALB; Editora ALB, v.37, n.77, 2019. Disponível em: . Acesso em: 18 nov. 2020.
SNYDERS, G. Alunos Felizes: reflexões sobre a alegria na escola a partir de textos literários. 4ªed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2005.
SORDI. M. R. L. de; MALAVAZI, M. M. S. As duas faces da avaliação: da realidade à utopia. Revista de Educação PUC-Campinas, Campinas (SP): PUC-Campinas; Editora PUC-Campinas, n. 17, nov. 2004. Disponível em: . Acesso em: 18 nov. 2020.
SORDI, Mara R. L. de. Por uma aprendizagem “maiúscula” da avaliação da aprendizagem. In.: DALBEN, A. I. L. de F. (org). Convergências e tensões no campo da formação e do trabalho docente. Belo Horizonte: Autêntica, 2010. (p.22-35).
Folhetos citados
AMARAL, Firmino Teixeira do. A Peleja do Cego Aderaldo com Zé Pretinho do Tucum. Bahia: Ed. Prop. Rodolfo Coelho Cavalcante, [s.d.]. Disponível em: Acesso em: 19 dez 2020. (CNFCP/online).
COSTA, Pedro. A Matemática em Cordel. Teresina (PI): Pro Campus, 2003. Disponível em: . Acesso em: 19 dez 2020. (CNFCP/online).
LEITE, José Costa. O casamento de Camões com a filha do rei. [S.I.]: Mec/Pronasec Rural – SEC/Pb UFPB – Funape, 1981. Disponível em: . Acesso em: 19 dez 2020. (CNFCP/online).
MAIA, Virgílio. As horas sertanejas: nomenclatura completa que segundo Luís da Câmara Cascudo mais antigamente se dava no sertão as horas do dia. Fortaleza: Colégio Nordestino de Heráldica Sertaneja, 1994. Disponível em: . Acesso em: 19 dez 2020. (CNFCP/online).
OLIVEIRA, Maria José de. A Casa de cavaco e o padre e o sacristão. Maceió (AL): Museu Théo Brandão - UFAL, 1975, 20p. Disponível em: . Acesso em: 30 nov 2020. (CNFCP/online).

PACHECO, José. A chegada de Lampião no inferno. [s.ed., s.d.] 8p. Disponível em: . Acesso em: 12 dez 2020. (ABLC/online).
PEDRA, Chico. A carta do patrão e a resposta do vaqueiro. Natal: UFRN, 1980. Disponível em: . Acesso em 19 dez 2020. (CNFCP/online).
PIRAUÁ, Silvino. E Tudo Vem a Ser Nada. [s.ed., s.d.]. Disponível em: . Acesso em: 19 abr 2021. (ABLC/online)
RESENDE, José Camelo de Melo. AS GRANDES aventuras de Armando e Rosa conhecidos por "Coco Verde" e "Melancia". Juazeiro do Norte (CE): João Martins de Athayde: José Bernardo da Silva, 1977. 32 p. Disponível em: . Acesso em: 29 nov. 2020. (RUBI/online).
SANTA MARIA, Manoel. O Cometa de Halley. Araruama: [s.n.], 1985. Disponível em: . Acesso em 19 dez 2020. (CNFCP/online).
SANTOS, Valeriano Félix dos. A mulher que se casou dezoito vezes… Salvador: Tip. Bahiana, [s.d.]. Disponível em: . Acesso em 19 dez 2020. (CNFCP/online).
SILVA, Severino Milanês da. O príncipe do Barro Branco e a princesa do Reino do Vai-Não-Torna. Juazeiro do Norte: Ed. Prop. Filhos de José Bernardo da Silva: Tip. São Francisco, 1974. Disponível em: . Acesso em: 19 dez 2020. (CNFCP/online).
Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 4.0 International License.