ADULTOS DE TRADIÇÕES DISCURSIVAS ORAIS E OS ESTUDOS DE SUAS RACIONALIDADES: UMA LEITURA CRÍTICA
Capa da Revista Indagações em Educação
PDF

Palavras-chave

racionalidade; cultura; educação de jovens e adultos

Como Citar

Marisol Barenco de Mello. (2021). ADULTOS DE TRADIÇÕES DISCURSIVAS ORAIS E OS ESTUDOS DE SUAS RACIONALIDADES: UMA LEITURA CRÍTICA . Indagações Em Educação, 1(1), 16-29. Recuperado de https://publicacoes.unifal-mg.edu.br/revistas/index.php/indagacoesemeducacao/article/view/1614

Resumo

A presente discussão tem como objetivo refletir sobre as tradições orais e os estudos de suas racionalidades tomando como sujeitos os adultos considerados não alfabetizados a partir de uma lógica de racionalidade produzida historicamente como verdadeira e legítima. A escola e demais sistemas da sociedade se pautam em tal racionalidade que avalia os discursos e jogam fora todos os que são considerados desviantes a partir desta norma instituída pelo pensamento ocidental moderno. A reflexão se pauta em quatro pontos que buscam desconstruir essa “verdade” racionalizada chamando a atenção para a necessidade da ruptura com a ordem unificante que se pretende única, monológica, e reconhecer a multiplicidade das formas de ser humano, bem como, a revisão do conceito de letramento, pois os sujeitos adultos considerados por este sistema “não alfabetizados” reconhecem a ordem discursiva oficial e seus instrumentos e formas, mas as inserem em suas próprias formas de pensar e dizer o mundo. Carecendo assim, de serem melhor investigadas as diversas formas deles se relacionarem com a escrita, que alguns sujeitos de outras tradições de escritura revelam. Como, neste caso, a educação de jovens e adultos sofre pelo conflito de racionalidades.

Palavras-chaves: racionalidade; cultura; educação de jovens e adultos

 

PDF

Referências

BAKHTIN, Mikhail. Estética da criação verbal. Trad. Paulo Bezerra. 6.ed. São Paulo: Ed. Martins Fontes, 2011.
FOUCAULT, Michel. A ordem do discurso: aula inaugural no Collège de France, pronunciada em 2 de dezembro de 1970. São Paulo: Edições Loyola, 1996.
GALEANO, Eduardo. Quatro frases que fazem o nariz do Pinóquio crescer. Disponível em https://mst.org.br/2011/05/16/quatro-frases-que-fazem-o-nariz-do-pinoquio-crescer/.
GERALDI. João Wanderley. O ensino de língua portuguesa e a Base Nacional Comum Curricular. Revista Retratos da Escola, Brasília, v. 9, n. 17, p. 381-396, jul./dez. 2015.
LARROSA, Jorge. Pedagogia Profana: danças, piruetas e mascaradas. Trad. Alfredo Veiga-Neto. 4.ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2006.
LIMA, Denise. Uma leitura bakhtiniana do ensino de Língua Portuguesa no Ensino Fundamental. Tese de doutorado em desenvolvimento no Programa de Pós-graduação em Educação da Universidade Federal Fluminense. Niterói, 2021.
LURIA, Alexsander R. Desenvolvimento Cognitivo: seus fundamentos culturais e sociais. 2.ed. São Paulo: Ícone, 1994.
MELLO, Marisol B. A multiplicidade de formas de ser racional: escrita e racionalidade. Dissertação de Mestrado. Programa de Pós-graduação em Educação da Universidade Federal Fluminense. Niterói, 1998.
MELLO, Marisol B. Relendo Luria: os limites de uma perspectiva. Cadernos de Pesquisa (Fundação Carlos Chagas), v.112, 2000, p.99 – 124.
PONZIO, Augusto. Livre Mente: processos cognitivos e educação para a linguagem. Trad. Marcus V. B. Oliveira e Marisol Barenco de Mello. São Carlos: Pedro & João Editores, 2020.
SEBEOK, Thomas A. Signs: an introduction to semiotics. Toronto University Press, Toronto, 2001.
VIEIRA, Juliane F. Vozes ideológicas na BNCC de Língua Portuguesa do Ensino Fundamental – anos iniciais (práticas de linguagem, objetos de conhecimento e habilidades): uma análise bakhtiniana. Projeto de pós-doutorado em desenvolvimento no Programa de Pós-graduação em Educação da Universidade Federal Fluminense. Niterói, 2021.
VYGOTSKY, Lev S. Pensamento e linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 1993.
Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 4.0 International License.