HISTÓRIA POLÍTICA, MOVIMENTO NEGRO, MULHERES E FEMINISMO NEGRO COM BEATRIZ NASCIMENTO: RAÇA, GÊNERO E CLASSE

Palavras-chave: Nova História Política, Movimento Negro, Feminismo Negro, Maria Beatriz Nascimento, Raça, Gênero, Classe

Resumo

Com base no aporte da Nova História Política e das epistemologias do Sul, especificamente das epistemologias negras, objetiva-se analisar o discurso e as escrevivências políticas e poéticas de Maria Beatriz Nascimento difundidos na mídia, estabelecendo o diálogo interseccional raça, gênero e classe. A proposta é apresentar as possibilidades de se revisitar a História das mulheres, das mulheres negras no Brasil, a partir da trajetória de vida de Beatriz Nascimento, expondo seu ativismo no âmbito do Movimento Negro e do Feminismo Negro.

Referências

ACADÊMICOS DA ABOLIÇÃO. Enredo e samba-enredo “Conceição Evaristo - a "escrevivência" abolicionista em versos, poemas e contos". Disponível no site:< https://www.letras.mus.br/sambas/academicos-da-abolicao-samba-enredo-2019/> Acesso em: 10 set. 2022

ARRAES, Jarid. Antonieta de Barros. In: Heroínas negras em 15 cordéis. São Paulo: Pólen, 2017. p. 17 - 23.

BARRETO, Raquel. Introdução. In: UCPA - União dos Coletivos Pan-Africanistas (org.). Beatriz Nascimento, quilombola e intelectual: possibilidade nos dias da destruição. Diáspora Africana: Editora Filhos da África, 2018. p. 26 - 39.

BENTO, Cida. O pacto da branquitude. São Paulo: Companhia das Letras, 2022.

BRASIL. Agência do Senado. Promulgada lei para distribuição de absorventes às mulheres de baixa renda. Disponível no site:< https://www12.senado.leg.br/noticias/materias/2022/03/18/promulgada-lei-para-distribuicao-de-absorventes-as-mulheres-de-baixa-renda> Acesso em: 10 set. 2022

BITTENCOURT, Circe Maria. Ensino de História: fundamentos e métodos. São Paulo: Cortez, 2011.

BORGES, Juliana. Encarceramento em massa. São Paulo: Sueli Carneiro; Pólen, 2019.

CALSAVARA, Fábio. Reportagem “Ações da Cufa minimizam impacto da pandemia em famílias de baixa renda no PR”. Gazeta do Povo, 20 de abril de 2021. Disponível no site:< https://www.gazetadopovo.com.br/parana/cufa-impacto-pandemia-familias-baixa-renda-parana/> Acesso em: 09 set. 2022

CARNEIRO, Sueli. Escritos de uma vida: Sueli Carneiro. Belo Horizonte, MG: Letramento, 2018.

CARNEIRO, Sueli. Racismo, sexismo e desigualdade no Brasil. São Paulo: Selo Negro, 2011. (Consciência em debate)

COLLINS, Patrícia Hill. Pensamento Feminista Negro: conhecimento, consciência e a política do empoderamento. Trad. Jamille Pinheiro Dias. São Paulo: Boitempo, 2019.

COSTA, Andréa Lopes da. Prefácio. Gerações em diálogos, mulheres negras em resistência. In: LOURENÇO, Ana Carolina. FRANCO, Anielle (orgas.). A radical imaginação política das mulheres negras brasileiras. São Paulo: Oralituras; Fundação Rosa Luxemburgo, 2021. p. 10 - 18.

CUFA. Sobre as ações e práticas políticas da Central Única de Favelas (CUFA), principalmente nesse contexto da pandemia da COVID-19, acessar o site oficial da organização <https://www.cufa.org.br/> Acesso em: 09 set. 2022

DAVIS, Angela. Mulheres, raça e classe. Trad. Heci Regina Candiani. São Paulo: Boitempo, 2016.

DOCUMENTÁRIO. “O negro da senzala ao Soul” (1977), Disponível no site: < https://youtu.be/5AVPrXwxh1A> Acesso em: 10 set. 2022

EHMANN, Márcia. Beatriz Nascimento é doutora honoris causa in memoriam pela UFRJ, de 29 out. 2021. Disponível no site:<https://ct.ufrj.br/beatriz-nascimento-e-doutora-honoris-causa-in-memoriam-pela-ufrj/> Acesso em: 14 set. 2022

ESTADÃO CONTEÚDO. Reportagem “Manifestantes pedem saída de Bolsonaro e mais vacinas em todo o país”. Estadão Conteúdo, 19 de junho de 2021. Disponível no site:< https://www.em.com.br/app/noticia/politica/2021/06/19/interna_politica,1278427/manifestantes-pedem-saida-de-bolsonaro-e-mais-vacinas-em-todo-o-pais.shtml> Acesso em: 09 set. 2022

EVARISTO, Conceição. Becos da memória. 3. ed. Rio de Janeiro: Pallas, 2017.

EVARISTO, Conceição. Insubmissas lágrimas de mulheres. 2. ed. Rio de Janeiro: Malê, 2016.

EVARISTO, Conceição. Poemas da recordação e outros movimentos. Rio de Janeiro: Malê, 2017. p. 26.

FALCON, Francisco. História e poder. In: CARDOSO, Ciro Flamarion. VAINFAS, Ronaldo (ogrs.). Domínios da História: ensaios de teoria e metodologia. Rio de Janeiro: Campus, 1997. p. 61 - 89.

FONSECA, Thais Nívia de Lima e. História e ensino de História. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2011.

FRANCO, Anielle. Quem cuida das mulheres negras eleitas? Ecoa, 23 nov. 2020. Disponível no site:<https://www.uol.com.br/ecoa/colunas/anielle-franco/2020/11/23/quem-cuida-das-mulheres-negras-eleitas.htm > Acesso em: 10 set. 2022

FRIZON, Jaqueline. COUTO, Camille. ARAÚJO, Thayana. Mulher de 86 anos é resgatada após 72 anos de trabalho em condições análogas à escravidão. Disponível no site: <https://www.cnnbrasil.com.br/nacional/mulher-de-86-anos-e-resgatada-apos-72-anos-de-trabalho-em-condicoes-analogas-a-escravidao/> Acesso em: 10 set. 2022

GOMES, Flávio dos Santos. LAURIANO, Jaime. SCHWARCZ, Lilia Moritz. Antonieta de Barros. In: GOMES, Flávio dos Santos. LAURIANO, Jaime. SCHWARCZ, Lilia Moritz (orgs.). Enciclopédia negra. São Paulo: Companhia das Letras, 2021. p. 59 - 60.

GOMES, Nilma Lino. Movimento negro educador: saberes construídos nas lutas por emancipação. Petrópolis, RJ: Vozes, 2017.

GONZALEZ, Lélia. Racismo e sexismo na cultura brasileira (1980). In: UCPA - União dos Coletivos Pan-Africanistas (org.). Primavera para as rosas negras: Lélia Gonzalez. Diáspora Africana: Editora Filhos da África, 2018. p. 190 - 214.

GORTÁZAR, Naiara Galarraga. Caso de Madalena, escrava desde os oito anos, expõe legado vivo da escravidão no Brasil. El País Internacional, 14 de janeiro de 2021. Disponível no site:<https://brasil.elpais.com/internacional/2021-01-14/madalena-escrava-desde-os-oito-anos-expoe-caso-extremo-de-racismo-no-brasil-do-seculo-xxi.html> Acesso em: 10 set. 2022

HOOKS, Bell. O feminismo é para todo mundo: políticas arrebatadoras. Trad. Bhuvi Libanio. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos, 2019.

JULLIARD, Jacques. A política. In: LE GOFF, Jacques. NORA, Pierre (orgs.). História: novas abordagens. Trad. Henrique Mesquita. Rio de Janeiro: F. Alves, 1976.

LEVILLAIN, Philippe. Os protagonistas: da biografia. In: RÉMOND, René (org.). Por uma História Política. Trad. Dora Rocha. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2003. p. 141 - 184.

LIVE. “A poética de Beatriz Nascimento”, no canal Lagente - UFG, 17 de julho de 2020. Disponível no Youtube:<https://youtu.be/Cn9mAIIoFUY> Acesso em: 10 set. 2021

LOPES, Helena Theodoro. SIQUEIRA, José Jorge. NASCIMENTO, Maria Beatriz. Negro e cultura no Brasil: pequena enciclopédia da cultura brasileira. Rio de Janeiro: UNIBRADE/UNESCO, 1987.

LOPES, Nei. Benedita da Silva. In: Afro-Brasil reluzente: 100 personalidades notáveis do século XX. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2019. p. 391 - 394.

MARQUES, Juliana. Candidaturas negras e eleições de 2020. In: LOURENÇO, Ana Carolina. FRANCO, Anielle (orgas.). A radical imaginação política das mulheres negras brasileiras. São Paulo: Fundação Rosa Luxemburgo; Oralituras, 2021. p. 74 - 77.

MARQUES, Teresa Cristina de Novaes. O voto feminino no Brasil. 2. ed. Brasília: Câmara dos Deputados, Edições Câmara, 2019.

MBEMBE, Achille. Necropolítica: biopoder, soberania, estado de exceção, política de morte. Trad. Renata Santini. São Paulo: n-1 edições, 2018.

NASCIMENTO, Abdias do Nascimento. O genocídio do negro brasileiro: processo de um racismo mascarado. São Paulo: Perspectiva, 2017.

NASCIMENTO, Beatriz. A mulher negra e o amor (1990). In: UCPA - União dos Coletivos Pan-Africanistas (org.). Beatriz Nascimento, quilombola e intelectual: possibilidade nos dias da destruição. Diáspora Africana: Editora Filhos da África, 2018. p. 353 - 357.

NASCIMENTO, Beatriz. A mulher negra no mercado de trabalho (1976). In: UCPA - União dos Coletivos Pan-Africanistas (orgs.). Beatriz Nascimento, quilombola e intelectual: possibilidade nos dias da destruição. Diáspora Africana: Editora Filhos da África, 2018. p. 80 - 85.

NASCIMENTO, Bethânia. Apresentação. In: UCPA - União dos Coletivos Pan-Africanistas (org.). Beatriz Nascimento, quilombola e intelectual: possibilidade nos dias da destruição. Diáspora Africana: Editora Filhos da África, 2018. p. 18 - 20.

PAIXÃO, Letícia Aparecida. PRIORI, Angelo. História Política: definições. In: PRIORI, Angelo. POMARI, Luciana Regina (orgs.). História Política: métodos e problemas historiográficos. Maringá: EDUEM, 2016. p.13 - 20.

PRETA-RARA. Eu, empregada doméstica: a senzala moderna é o quartinho da empregada. Belo Horizonte: Letramento, 2019.

RATTS, Alex (org.). Eu sou atlântica: sobre a trajetória de vida de Beatriz Nascimento. São Paulo: Imprensa Oficial, 2007.

RATTS, Alex (org.). Uma história escrita a mãos negras: Relações raciais, quilombos e movimentos/ beatriz Nascimento. Rio de Janeiro: Zahar, 2021.

RATTS, Alex. GOMES, Bethania (orgs.). Todas (as) distâncias: poemas, aforismos e ensaios de Beatriz Nascimento. Salvador, BA: Editora Ogum’s Toques Negros, 2015.

RATTS, Alex. RIOS, Flávia (orgs.). Lélia Gonzalez. São Paulo: Selo Negro, 2010. (Retratos do Brasil Negro)

REDAÇÃO CUT. Mulher negra, de 84 anos, é resgata de trabalho escravo doméstico após 72 anos. CUT – Central Única dos Trabalhadores - Brasil, 13 de maio de 2022. Disponível no site: https://www.cut.org.br/noticias/mulher-negra-de-84-anos-e-resgatada-de-trabalho-escravo-domestico-apos-72-anos-fe77> Acesso em: 10 set. 2022

RÉMOND, René. Uma História presente. In: RÉMOND, René (org.). Por uma História Política. Trad. Dora Rocha. Rio de Janeiro: Edtiora FGV, 2003. p. 13 - 36.

REPORTAGEM. “A dor de uma geração marcada pela Covid: pandemia já deixou mais de 130 mil crianças e adolescentes órfãos no Brasil”, jornal online Extra Globo, de 09 de outubro de 2021. Disponível no site:<https://extra.globo.com/noticias/rio/a-dor-de-uma-geracao-marcada-pela-covid-pandemia-ja-deixou-mais-de-130-mil-criancas-adolescentes-orfaos-no-brasil-25230957.html> Acesso em: 09 set. 2022

REPORTAGEM. “Bolsonaro veta distribuição de absorventes a estudantes e pessoas pobres”, Agência Senado, 07 de outubro de 2021. Disponível no site:< https://www12.senado.leg.br/noticias/materias/2021/10/07/bolsonaro-veta-distribuicao-de-absorventes-a-estudantes-e-mulheres-pobres> Acesso em: 09 set. 2022

REPORTAGEM. “Em pronunciamento Bolsonaro diz que coronavírus é gripezinha”, TV Cidade Verde, 25 mar. 2020. Disponível no site:<https://youtu.be/b7KAP31EqTU> Acesso em 05 set. 2022

RIBEIRO, Djamila. Cartas para minha avó. São Paulo: Companhia das Letras, 2021.

RIBEIRO, Djamila. Pequeno manual antirracista. São Paulo: Companhia das Letras, 2019.

RIBEIRO, Djamila. Quem tem medo do feminismo negro? São Paulo: Companhia das Letras, 2018.

SANTANA, Bianca. Continuo preta: a vida de Sueli Carneiro. São Paulo: Companhia das Letras, 2021.

SANTOS, Boaventura de Sousa. MENESES, Maria Paula. Introdução. In: SANTOS, Boaventura de Sousa. MENESES, Maria Paula (orgs.). Epistemologias do Sul. São Paulo: Cortez, 2010. p. 15 - 27.

SCHMIDT, Benito Bisso. História e biografia. CARDOSO, Ciro Flamarion. VAINFAS, Ronaldo (orgs.). Novos domínios da História. Rio de Janeiro: Elsevier, 2012. In: p. 187 - 205.

SILVA, Ana Lúcia da. História Política, Movimento Negro e Feminismo Negro: a mulher negra na política e o discurso de ódio na mídia. In: SILVA, Eliane Cristina da. PEREIRA, Márcio José. NEVES, Ozias Paese (orgs.). Violências interseccionais e resistências. Maringá, PR: Edições Diálogos, 2021. p. 11 - 23.

SILVA, Ana Lúcia da. PRIORI, Angelo. História política, Movimento Negro e Feminismo Negro: “#Marielle Semente”, as mulheres negras na política. In: CASTRO, Amanda Motta. FRANCO, Anielle. LIMA, Fátima (orgas.). Revista Sul-Sul, v. 1, n. Especial (2021): Dossiê Marielle Franco Presente!, p. 07 - 34. Disponível em: https://revistas.ufob.edu.br/index.php/revistasul-sul/issue/view/14

SILVA, Ana Lúcia da. PRIORI, Angelo. O movimento social Black Lives Matter nos EUA e no Brasil: da violência racial e policial ao genocídio do povo negro. In: PRIORI, Angelo. SILVA, Ana Lúcia da. BOLONHEZI, Camilla Samira de Simoni (orgs.). Ensino de História, diversidade e Educação antirracista. Curitiba: Editora Brazil Publishing, 2020. p. 89 - 125.

SUZART, Moysés. “Pobreza menstrual, e eu com isso? Entenda o que significa o veto aos absorventes de graça para meninas pobres”, Correio 24 horas, 09 de outubro de 2021. Disponível no site:<https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/pobreza-menstrual-e-eu-com-isso-entenda-o-que-significa-o-veto-aos-absorventes-de-graca-para-meninas-pobres/> Acesso em: 09 set. 2022

TAIT, Tania Fatima Calvi. As mulheres na luta política. Curitiba: Editora CRV, 2020.

TEIXEIRA, Juliana. Trabalho doméstico. São Paulo: Jandaíra, 2021. (Coleção Feminismos Plurais/Coordenação Djamila Ribeiro)

TSE. Cota de 30% para mulheres nas eleições proporcionais deverá ser cumprida por cada partido em 2020. Brasília: Tribunal Superior Eleitoral, 2020. Disponível em:< https://www.tse.jus.br/imprensa/noticias-tse/2019/Marco/cota-de-30-para-mulheres-naseleicoes-proporcionais-devera-ser-cumprida-por-cada-partido-em-2020 > Acesso em: 10 set. 2022

VÍDEO. “Beatriz Nascimento” (2017), do canal “As mina na História”. Disponível no Youtube:< https://youtu.be/ndjrGCLQnME> Acesso em: 10 set. 2022

VÍDEO. “CULTNE - Beatriz Nascimento - 1987”. de CULTNE Acervo. Disponível no Youtube<https://youtu.be/_16NQrmxnSs> Acesso em: 10 set. 2022

Publicado
03-10-2022
Como Citar
da SilvaA. L. HISTÓRIA POLÍTICA, MOVIMENTO NEGRO, MULHERES E FEMINISMO NEGRO COM BEATRIZ NASCIMENTO: RAÇA, GÊNERO E CLASSE. Boletim Alfenense de Geografia, v. 2, n. 4, p. 208-231, 3 out. 2022.
Seção
Dossiê Temático