A POTÊNCIA EDUCATIVA DAS IMAGENS DOS CORPOS NEGROS NO LIVRO DIDÁTICO DE GEOGRAFIA

Palavras-chave: Livro Didático, Decolonialidade, Imagem, Étnico-racial

Resumo

Este trabalho visa mostrar como as imagens dos corpos negros dos livros didáticos de Geografia, dos anos finais do ensino fundamental, aprovados no Programa Nacional do Livro Didático (PNLD), 2024[1], operam para subjetivar estudantes. Como objetivo, a pesquisa buscará compreender o quanto essas imagens são constituidoras de significados na construção de uma realidade sobre questões étnico-raciais. Ao entender os livros didáticos enquanto um artefato cultural, produtor de saberes e ferramenta de auxílio na formação dos estudantes possibilita observar a carga de sua potência educativa. Os referenciais teóricos prévios para esta pesquisa serão buscados na Educação Étnico-Racial, Estudos Descoloniais, Estudos Pós-Críticos. Para isso examinar a colonialidade/eurocentrismo se torna necessário, por ainda se fazer presente na representação dos corpos negros nas coleções selecionadas para esse trabalho, que tem o homem branco enquanto norma e reproduzindo, ainda, um discurso colonial.

 

[1] Este texto mostra um pouco dos começos e das disposições da minha tese de doutorado. Assim, em 2023 é o ano do PNLD 2024 que serão analisados os livros didáticos. 

Referências

ARAÚJO, T. C. N. A classificação de “cor” nas pesquisas do IBGE; notas para uma discussão. Cadernos de Pesquisa, n. 63, p. 14-16, 1987. Disponível em: https://www.fcc.org.br/fcc/wp-content/uploads/2019/04/Caderno-de-Pesquisa-63_menor.pdf. Acesso em 21 jun. 2022.

BUTLER, J. Corpos em aliança e a política das ruas: Notas para uma teoria performativa de assembleia. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2018.

CORRÊA, G. S. O branqueamento do território como dispositivo de poder da colonialidade: notas sobre o contexto brasileiro. In: CRUZ, V. do C.; OLIVEIRA, D. A. de. Geografia e giro descolonial: experiências, ideias e horizontes de renovação do pensamento crítico. Rio de Janeiro: Letra Capital, 2017.

CORRÊA, G. S.; TONINI, I. M. Um ensaio sobre a questão étnico-racial em livros didáticos de Geografia – 15 anos após a criação da lei 10.639. 2022 (no prelo).

CRUZ, V. do C. Geografia e pensamento descolonial: notas sobre um diálogo necessário para a renovação do pensamento crítico. In: CRUZ, V. do C.; OLIVEIRA, D. A. de. Geografia e giro descolonial: experiências, ideias e horizontes de renovação do pensamento crítico. Rio de Janeiro: Letra Capital, 2017.

DUARTE, D. P. Cenários Étnicos/Raciais nos Livros Didáticos de Geografia - um clique na África. Monografia (Especialização em Geografia). Centro de Ciências. Universidade Federal do Ceará. Fortaleza, 2007.

FOUCAULT, M. A Arqueologia do saber. 5. ed. Rio de Janeiro: Forense, 1997.

GOMES, N. L. O Movimento Negro brasileiro indaga e desafia as políticas educacionais. Revista da Associação Brasileira de Pesquisadores/as Negros/as, v. 11, n. Ed. Especial, p. 141-162, 2019. Disponível em: https://abpnrevista.org.br/index.php/site/article/view/687. Acesso em 21 jun. 2022.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Síntese de indicadores sociais: uma análise das condições de vida da população brasileira. Rio de Janeiro: IBGE, 2020. Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv101760.pdf. Acesso em 05 ago. 2022.

LOPES, A. Livro Didático: uma tentativa de inversão do sinal. Cadernos de Pesquisa, n. 63, p. 101-102, 1987. Disponível em: https://www.fcc.org.br/fcc/wp-content/uploads/2019/04/Caderno-de-Pesquisa-63_menor.pdf. Acesso em 21 jun. 2022.

OLIVEIRA, A. G. de. O Livro didático de geografia como estratégia de governamento. Tese (Doutorado em Geografia). Programa de Pós-Graduação em Geografia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: UFRGS, 2019. Disponível em: https://lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/189840/001090162.pdf?sequence=1&isAllowed=y. Acesso em 10 mar. 2021.

OLIVEIRA JÚNIOR, W. M. de. Grafar o espaço, educar os olhos: rumo a geografias menores. Pro-Posições, v. 20, n. 3, 2009. Disponível em: https://www.scielo.br/j/pp/a/qJyszWwyZjGLvnnBvHWFWJM/?lang=pt. Acesso em 10 mar. 2022.

PARAÍSO, M. A. Metodologias de pesquisas pós-críticas em educação e currículo: trajetórias, pressupostos, procedimentos e estratégias analíticas. In: MEYER, D. E.; PARAÍSO, M. A. (Orgs.). Metodologias de pesquisas pós-críticas em educação. Belo Horizonte: Mazza, 2012.

PEREIRA, C. de F. Racismo, espaço e colonialidade do poder, do saber e do ser: diálogos, trajetórias e horizontes de transformação. In: CRUZ, V. do C.; OLIVEIRA, D. A. de. Geografia e giro descolonial: experiências, ideias e horizontes de renovação do pensamento crítico. Rio de Janeiro: Letra Capital, 2017.

QUIGUANÁS, V. R. A. Aprender caminando: somos con otros y estamos siendo en relaciones. Revista Educación y Pedagogía, v. 24, n. 62, 2012. Disponível em: https://revistas.udea.edu.co/index.php/revistaeyp/article/view/14109. Acesso em 10 mar. 2022.

QUIJANO, A. Colonialidade do poder e classificação racial. In: SANTOS, B. de S.; MENESES, M. P. Epistemologias do Sul. São Paulo: Cortez, 2010. Disponível em: https://bityli.com/JcA0N. Acesso em 10 mar. 2022.

QUIJANO, A. ¡QUÉ TAL RAZA! Rev. Venez. de Economía y Ciencias Sociales, v. 6, n. 1, 2000. Disponível em: https://www.revistadelcesla.com/index.php/revistadelcesla/article/view/379. Acesso em 10 mar. 2022.

RATTS, A. Geografia, relações étnico-raciais e educação: a dimensão espacial das políticas de ações afirmativas no ensino. Terra Livre, v. 1, n. 34, 2010, p. 125-140. Disponível em: encurtador.com.br/afpD5. Acesso em 21 jun. 2022

RIBEIRO, D. Decolonizar a educação é possível? A resposta é sim e ela aponta para a educação escolar quilombola. Identidade!, v. 22 n. 1, 2017. Disponível em: http://periodicos.est.edu.br/index.php/identidade/article/view/2985/2878. Acesso em 20 jun. 2022.

SANTOS, R. E. dos. O movimento negro brasileiro e sua luta antirracismo: por uma perspectiva descolonial. In: CRUZ, V. do C.; OLIVEIRA, D. A. de. Geografia e giro descolonial: experiências, ideias e horizontes de renovação do pensamento crítico. Rio de Janeiro: Letra Capital, 2017.

SANTOS, R. E. dos. A Lei 10.639 no PNLD de Geografia: um ensaio sobre questões, mudanças e permanências. In: TONINI, I. M. et al. (Orgs.). Geografia e livro didático para tecer leituras de mundo. São Leopoldo: Oikos, 2018.

SANTOS, W. O. dos. Espaços de negros e brancos em livros didáticos de Geografia do estado do Paraná, Brasil. Ciênc. Educ., v. 19, n. 4, p. 1027-1044, 2013. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S1516-73132013000400015. Acesso em 21 jun. 2022.

SILVA, P. B. G. e. Raça negra e educação 30 anos depois: memórias e legados. Revista da Associação Brasileira de Pesquisadores/as Negros/as, v. 11, n. Ed. Especial, p. 12-31, 2019. Disponível em: https://abpnrevista.org.br/index.php/site/article/view/679. Acesso em 21 jun. 2022.

THADEU, V. PNLD: tudo sobre o programa nacional do livro e do material didático. E-Docente (Blog). Disponível em: https://www.edocente.com.br/pnld-programa-nacional-do-livro-e-material-didatico/. Acesso em 05 mar. 2022.

SILVA, T. T. da. Documentos de identidade: uma introdução às teorias do currículo. 2ª ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2003.

TONINI, I. M. Imagens nos livros didáticos de geografia: seus ensinamentos, sua pedagogia.... Mercator, a. 02, n. 04, 2003. Disponível em: encurtador.com.br/dPU26. Acesso em 12 out. 2022.

Publicado
03-10-2022
Como Citar
de Medeiros SilvaT.; ToniniI. M. A POTÊNCIA EDUCATIVA DAS IMAGENS DOS CORPOS NEGROS NO LIVRO DIDÁTICO DE GEOGRAFIA. Boletim Alfenense de Geografia, v. 2, n. 4, p. 76-94, 3 out. 2022.
Seção
Dossiê Temático