Boletim Alfenense de Geografia https://publicacoes.unifal-mg.edu.br/revistas/index.php/boletimalfenensedegeografia <p>O <strong>Boletim Alfenense de Geografia</strong> é uma Revista da Associação dos Geógrafos Brasileiros - Seção Local Alfenas (AGB Alfenas) associada ao Programa de Pós-graduação em Geografia da UNIFAL-MG (PPGEO UNIFAL-MG) , com caráter científico-acadêmico que tem como objetivo proporcionar um espaço de divulgação e debates de trabalhos&nbsp; na área de Geografia (e/ou de outras áreas, desde que estabeleçam diálogo com a Geografia), na forma de artigos, resenhas, traduções, entrevistas, notas de pesquisa, relatos de experiência/trabalhos de campo.</p> <p>ISSN: <strong data-removefontsize="true" data-originalcomputedfontsize="16">2764-1422</strong></p> <p>DOI: <a href="https://doi.org/10.29327/243949" target="_blank" rel="noopener">https://doi.org/10.29327/243949</a></p> <p><strong>Periodicidade:</strong></p> <p>A revista tem periodicidade semestral com publicação em fluxo contínuo.</p> Universidade Federal de Alfenas - MG pt-BR Boletim Alfenense de Geografia 2764-1422 Editorial https://publicacoes.unifal-mg.edu.br/revistas/index.php/boletimalfenensedegeografia/article/view/1897 Flamarion Dutra Alves Copyright (c) 2022 Boletim Alfenense de Geografia https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2022-06-14 2022-06-14 2 3 1 2 O USO CORPORATIVO DO TERRITÓRIO: ABORDAGEM NO INÍCIO DO SÉCULO XXI https://publicacoes.unifal-mg.edu.br/revistas/index.php/boletimalfenensedegeografia/article/view/1654 <p>A análise do uso que grandes empresas fazem do território brasileiro se ampliou a partir do final da década de 1980. Estes apontaram questões ainda em sua fase inicial, como a ampliação do poder destes agentes diante do modelo de desenvolvimento econômico neoliberal por parte do Estado brasileiro trazendo consequências econômicas, sociais e territoriais para o país. Assim, analisar como o estudo sobre o assunto tem sido realizado no Brasil nos anos recentes permite identificar a situação atual e como as pesquisas vem sendo desenvolvidas. Este foi o objetivo deste artigo, que analisou estudos relacionados à temática em quatro Revistas Científicas no período 2001-2020. Foram identificadas mudanças em aspectos relacionados ao uso corporativo do território, mas também permanências, como a atuação do Estado diante da questão. Os artigos apresentaram a temática a partir da perspectiva crítica tendo em seu referencial teórico autores que contribuíram para se pensar a temática nas décadas anteriores. Estas são contribuições importantes para se entender o aprofundamento do uso corporativo do território nacional ao longo dos dezenove anos do século XXI.</p> Raquel Maria Alves Igor Silvério Macedo Copyright (c) 2022 Boletim Alfenense de Geografia https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2022-06-14 2022-06-14 2 3 3 24 10.29327/243949.2.3-1 A SOBERANIA ALIMENTAR COMO PARTE DOS CONTRA-ESPAÇOS DO BRASIL CONTEMPORÂNEO https://publicacoes.unifal-mg.edu.br/revistas/index.php/boletimalfenensedegeografia/article/view/1891 <p>O objetivo desse artigo é discutir a produção de contra-espaços no Brasil contemporâneo. Toma-se o exemplo da soberania alimentar, que está alicerçada na compreensão de que cada povo deve controlar o seu processo de alimentação. No Brasil, a soberania alimentar tem sido implementada por meio de iniciativas de movimentos camponeses e grupos de consumidores, além da efetivação de políticas públicas de cunho emancipatório, principalmente as que se direcionam aos mercados institucionais. Para essa discussão foram utilizados os seguintes procedimentos metodológicos: i) consulta a materiais acadêmicos e/ou institucionais sobre os temas debatidos; ii) realização de pesquisas de campo em unidades de produção camponesas e canais de comercialização de alimentos, onde se adotou a técnica de observação participante e; iii) sistematização de dados e informações por meio do software Atlas.ti. Constatou-se que, apesar de a soberania alimentar ainda não se desenvolver de modo estrutural no Brasil atual, ela tem sido responsável pela produção de contra-espaços no campo e na cidade onde se presencia dinâmicas que vão além da mercantilização do alimento, que é uma característica do modelo de globalização neoliberal</p> Estevan Coca Copyright (c) 2022 Boletim Alfenense de Geografia https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2022-06-14 2022-06-14 2 3 25 43 10.29327/243949.2.3-2 ARTE E CULTURA EM MONTES CLAROS (Minas Gerais - Brasil) EM TEMPOS DE PANDEMIA/COVID-19 https://publicacoes.unifal-mg.edu.br/revistas/index.php/boletimalfenensedegeografia/article/view/1822 <p>O objetivo deste trabalho é destacar brevemente os impactos financeiros advindos da pandemia (Covid-19) sobre o setor artístico e cultural de Montes Claros, nos anos de 2020 e início de 2021. Para tanto utilizou-se como metodologia revisão bibliográfica e análise de dados sobre as manifestações artísticas na cidade supracitada. Como resultado, constatamos que a ajuda financeira possibilitada pela Lei Aldir Blanc foi fundamental para amenizar as dificuldades vivenciadas por aqueles que dependem financeiramente das atividades artístico cultural.</p> Vanessa Tamiris Rodrigues Rocha Brenda Soares Ribeiro Rahyan de Carvalho Alves Cássio Alexandre da Silva Copyright (c) 2022 Boletim Alfenense de Geografia https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2022-06-14 2022-06-14 2 3 44 61 10.29327/243949.2.3-3 DESIGUALDADE SOCIOESPACIAL, ESCUTA NÔMADE, PAISAGEM SONORA E O ENSINO DE GEOGRAFIA: O MAPA SONORO DE JOÃO MONLEVADE-MG https://publicacoes.unifal-mg.edu.br/revistas/index.php/boletimalfenensedegeografia/article/view/1722 <p>Como proposta de compreensão das complexidades espaciais do mundo, especialmente sob a dinâmica escolar, o Ensino de Geografia deve estar atento a linguagens que orientam na produção de conhecimentos geográficos, os quais servirão como elementos auxiliares no trabalho docente para o desenvolvimento do pensamento e da capacidade de interação com o mundo. Neste sentido, neste trabalho ganha centralidade um processo fundamental no ensino de geografia: compreender a lógica produtora do espaço geográfico, usando de reflexões geográficas e históricas. Diante disso, o uso do mapa sonoro como recurso de ensino-aprendizagem traz elementos que fundamentam a explicação de fenômenos como expansão do perímetro urbano de uma cidade e suas dinâmicas de produção.</p> Leandro Marques dos Santos Copyright (c) 2022 Boletim Alfenense de Geografia https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2022-06-14 2022-06-14 2 3 62 76 10.29327/243949.2.3-4 CARACTERÍSTICAS E EXPANSÃO DO ESPAÇO URBANO EM BRAGANÇA PAULISTA - SP https://publicacoes.unifal-mg.edu.br/revistas/index.php/boletimalfenensedegeografia/article/view/1826 <p>Esse artigo tem como objetivo analisar o crescimento e dinâmica do espaço urbano no município de Bragança Paulista – SP. Considerando sua centralidade regional como cidade média, Bragança Paulista vem apresentando um crescimento contínuo de sua população e da expansão do espaço urbano. Nesse sentido, serão analisadas algumas práticas espaciais, bem como os eixos de expansão e crescimento na cidade. Para execução da pesquisa, foram utilizados dados dos Censos Demográficos do IBGE de 1980, 1991, 2000 e 2010, além de informações do Cadastro Central de Empresas do IBGE para identificar os setores que mais empregam na cidade. Foram desenvolvidos mapas que ilustram o aumento da área urbana entre a década de 1980 e 2020, bem como a espacialização de atividades comerciais na cidade em 2021. Identificou-se quatro eixos principais de crescimento no município, onde a tendência de expansão se dá sentido à rodovia Fernão Dias (BR381).</p> <p><strong>Palavras-chave:</strong> Dinâmica populacional, atividades econômicas, cidade média, Bragança Paulista.</p> Daniela Yoshimi Saiki Copyright (c) 2022 Boletim Alfenense de Geografia https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2022-06-14 2022-06-14 2 3 77 97 10.29327/243949.2.3-5 A INFLUÊNCIA DO ISOLAMENTO SOCIAL DURANTE A PANDEMIA DA COVID-19 SOBRE AS TAXAS DE CRIMES VIOLENTOS EM 20 MUNICÍPIOS DO SUL DE MINAS GERAIS https://publicacoes.unifal-mg.edu.br/revistas/index.php/boletimalfenensedegeografia/article/view/1813 <p>A Pandemia da Covid-19 causada pelo vírus Sars-Cov2 atingiu drasticamente a sociedade global influenciando e alterando as atividades cotidianas sejam as realizadas isoladamente ou em comunidade. A criminalidade violenta que é acontecimento presente e marcante nas relações, sobretudo do grupo, sofreu impacto em suas taxas de ocorrência. Neste trabalho demonstrou-se que a redução da taxa de criminalidade violenta durante o período pandêmico está ligada à alteração das atividades de rotina a que as pessoas foram submetidas durante o isolamento social; o fechamento de escolas, bares, clubes, shoppings, a proibição de shows e eventos como ferramenta de contenção da propagação do vírus também foi decisiva para que em 20 cidades do Sul de Minas Gerais ocorresse uma redução média de 25,65% na taxa de criminalidade violenta.</p> Janael da Silva Alves Copyright (c) 2022 Boletim Alfenense de Geografia https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2022-06-14 2022-06-14 2 3 98 121 10.29327/243949.2.3-6 Expediente e Sumário https://publicacoes.unifal-mg.edu.br/revistas/index.php/boletimalfenensedegeografia/article/view/1919 Copyright (c) 2022 Boletim Alfenense de Geografia https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2022-06-14 2022-06-14 2 3