http://publicacoes.unifal-mg.edu.br/revistas/index.php/entreparenteses/issue/feed Revista (Entre Parênteses) 2021-12-22T00:15:31+00:00 Katia Aparecida da Silva Oliveira katia.oliveira@unifal-mg.edu.br Open Journal Systems <p>A Revista (Entre Parênteses) é uma publicação semestral, com submissão em fluxo contínuo, aberta a colaboradores do Brasil e do exterior, que estejam interessados em questões relativas à área de Estudos Linguísticos e Literários. Destina-se à publicação de trabalhos científicos, resultantes de pesquisa de caráter significativo para as áreas citadas e produzidos por docentes, discentes (devidamente orientados por um professor mestre ou doutor) e pesquisadores da UNIFAL-MG e de outras instituições que não tenham sido publicados anteriormente.</p> http://publicacoes.unifal-mg.edu.br/revistas/index.php/entreparenteses/article/view/1793 FRONTSPÍCIO E SUMÁRIO 2021-12-22T00:15:16+00:00 Katia Aparecida da Silva Oliveira katia.oliveira@unifal-mg.edu.br <p>---</p> 2021-12-21T23:37:07+00:00 Copyright (c) 2021 Revista (Entre Parênteses) http://publicacoes.unifal-mg.edu.br/revistas/index.php/entreparenteses/article/view/1792 LITERATURA DE AUTORIA FEMININA EM LÍNGUA ESPANHOLA EM PERSPECTIVA 2021-12-22T00:15:17+00:00 Kátia Rodrigues Mello Miranda katia.mello@unesp.br Isis Milreu imilreu@gmail.com <p>---</p> 2021-12-21T22:25:36+00:00 Copyright (c) 2021 Revista (Entre Parênteses) http://publicacoes.unifal-mg.edu.br/revistas/index.php/entreparenteses/article/view/1425 O SINTOMA DO TEMPO ENTRE ILIÓN E LA HABANA 2021-12-22T00:15:17+00:00 Magalys Fernandez Pedroso mag_pedroso@yahoo.com.br <p>Este artigo faz parte do projeto de dissertação de Mestrado <em>É preciso passar: diáspora, condição migrante e temporalidade em Magali Alabau </em>que se desenvolve atualmente no Programa de Pós-graduação em Literaturas Hispânicas da Universidade Federal Fluminen<em>se</em>. A proposta é estudar os desdobramentos das relações temporais como <em>locus</em> enunciativo no poema-livro <em>Hemos llegado a Ilión</em>. Magali Alabau (1945) tematiza neste poema de aproximadamente trinta páginas uma viagem de visita a Cuba – anunciada como Ílion – após vinte anos de diáspora. A constante flutuação entre passados e presentes no universo poético da obra nos levou a conjecturar a hipótese de um anacronismo sintomático que justapõe a cosmologia grega aos acontecimentos da viagem. A partir de um trabalho interpretativo caracterizado pela “leitura” (Todorov, 2003), tivemos por objetivo fundamentar a relação sintoma-temporalidade-anacronismo como <em>locus</em> enunciativo, exemplificando com trechos do poema. Os três conceitos teóricos que fundamentam o trabalho são: “sintoma” (Lacan, 1997), “tempo do haver” (Magno, 1997) e “anacronia” (Huberman, 2011).</p> 2021-12-21T19:39:16+00:00 Copyright (c) 2021 Revista (Entre Parênteses) http://publicacoes.unifal-mg.edu.br/revistas/index.php/entreparenteses/article/view/1439 IMAGENS DO INSÓLITO E DA HISTORICIDADE EM CHICOS QUE VUELVEN (2011) E NUESTRA PARTE DE NOCHE (2019), DE MARIANA ENRÍQUEZ 2021-12-22T00:15:18+00:00 Daniele Aparecida Pereira Zaratin daniele_zaratin@yahoo.com.br Ana Lúcia Trevisan ana.trevisan@mackenzie.br <p>Este artigo objetiva propor algumas reflexões sobre as intersecções entre o insólito e a historicidade presentes em dois textos ficcionais: a novela <em>Chicos que vuelven </em>(2011) e o romance <em>Nuestra parte de noche </em>(2019), da escritora argentina Mariana Enríquez. A partir dessas narrativas, pretende-se analisar de que forma a composição de imagens do insólito ressaltam os aspectos da historicidade, destacando o estreito vínculo entre ambos ao mesmo tempo em que evidencia a excepcionalidade da própria realidade. Para tanto, os estudos de F. Furtado (1980), R. Ceserani (2006), R. Campra (2008), D. Roas (2011), entre outros, servirão de apoio teórico. Com isso, espera-se que as reflexões expressas neste artigo possam iluminar perspectivas analítico-interpretativas acerca da obra da escritora argentina e da produção literária contemporânea que dialoga com as distintas vertentes do insólito ficcional.&nbsp;&nbsp;</p> 2021-12-21T20:08:44+00:00 Copyright (c) 2021 Revista (Entre Parênteses) http://publicacoes.unifal-mg.edu.br/revistas/index.php/entreparenteses/article/view/1507 DESEJAR A DEUS, PECADO OU PARAÍSO? UM ESTUDO LITERÁRIO SOBRE O CORPO FEMININO EM TERESA D’ÁVILA 2021-12-22T00:15:19+00:00 Isabelle Merlini Chiaparin isabelle.chiaparin@gmail.com <p>Se o corpo é um dos grandes paradoxos da religiosidade, o corpo feminino é um escândalo. Baseado em princípios medievalistas, o século XVI acolheu diversas restrições acerca da relação entre corpo e Deus, sugerindo a exclusão de todo o prazer corpóreo - provindo do sexo ou não - com a finalidade de alcançar a perfeição. Tal restrição recaiu ainda mais sobre o corpo feminino, condenado tal como fora Eva pela queda de Adão. Assim, o ápice da relação corpórea feminina será a virgindade, como modo de “reter” a pureza. É nesse cenário que Teresa D’Ávila (1515-1582), a primeira mulher considerada Doutora da Igreja pelo catolicismo, desenvolve sua relação interior e exterior com Deus. Que a alma alcança Deus é inegável, porém, teria o corpo essa mesma capacidade? Através da reconfiguração de Deus em sua produção poética e da análise do livro bíblico do <em>Cântico dos Cânticos</em>, Teresa desejará a Deus como homem e se entregará a ele como mulher. O<em> matrimônio espiritual</em> é a chave de leitura para compreender a entrega do corpo a Deus e, paradoxalmente, a entrega de Deus à alma. Este artigo deseja compreender o desejo por Deus em Teresa, à luz do paradoxo do corpo.</p> 2021-12-21T20:13:15+00:00 Copyright (c) 2021 Revista (Entre Parênteses) http://publicacoes.unifal-mg.edu.br/revistas/index.php/entreparenteses/article/view/1510 A A FICÇÃO TRANSFORMA A HISTÓRIA: LAURA ESQUIVEL, JORDI CASTELLS E A REESCRITA DA IMAGEM DE MALINALLI, A MAL APELIDADA MALINCHE 2021-12-22T00:15:20+00:00 Walquíria Rodrigues Pereira walquiriarodrigues2013@gmail.com Cláudia Heloisa Impellizieri Luna Ferreira da Silva claudia.luna@letras.ufrj.br <p>Este artigo, busca refletir acerca da figura de Malinalli, a mulher indígena que atuou como intérprete durante a invasão das terras do atual México, em especial, como sua imagem é reescrita no romance <em>Malinche</em> (2006), de Laura Esquivel. Através da ficção, pela narrativa de Esquivel e em parceria com as iconografias de Jordi Castells, presente na obra, a imagem dessa mulher indígena é transformada. A leitura da obra é observada em contraste com as representações iconográficas de Malinalli nas pinturas: <em>O sonho de Malinche</em> de Antonio Ruíz (1892-1964); <em>Hernán Cortés e Malinche</em>, de Jesús Helguera (1910-1971); e <em>O encontro de Moctezuma II</em> <em>e</em> <em>Cortés</em>, de Roberto Cueva del Río (1908-1988), sendo possível questionar as ideologias que permeiam a imagem dessa mulher mexica subalternizada e sexualizada. Malinalli remete “[...] o peregrinar de mulheres vendidas e transportadas de uma região para outra, de um homem para outro, de uma maneira de viver para outra, todas incertas.” (ROBLES, 2019, p. 291). As discussões estarão ancoradas nos seguintes estudos críticos: Margo Glantz (2001); Cristina González (2002); León-Portilla (2003); Ana Maria Colling (2015) entre outros. O revisitar a imagem de Malinalli, por meio da ficção, nos ajuda a transformar a história dos sujeitos silenciados.</p> 2021-12-21T20:20:32+00:00 Copyright (c) 2021 Revista (Entre Parênteses) http://publicacoes.unifal-mg.edu.br/revistas/index.php/entreparenteses/article/view/1511 DIÁLOGOS ENTRE HISTÓRIA E FICÇÃO: LA CASA DE LOS ESPÍRITUS DE ISABEL ALLENDE 2021-12-22T00:15:21+00:00 Andreia Piechontcoski Uribe Opazo a.piechontcoski@gmail.com Adriana Aparecida de Figueiredo Fiuza adrifiuza@yahoo.com.br <p><strong>Resumo</strong>: O presente artigo tem como objetivo considerar as relações intertextuais entre o discurso ficcional e o discurso histórico a respeito do Golpe Militar ocorrido no Chile em 1973, presentes no romance <em>La casa de los espíritus</em> de Isabel Allende. O intuito da pesquisa é observar como a literatura se sobrepõe aos acontecimentos narrados pelo discurso histórico para recriar a sua própria narrativa. Além disso, o texto enfatiza o papel de destaque da escritora chilena no contexto da produção de autoria feminina na América Latina. Para tanto, recorreu-se as análises realizadas por Navarro (1995) e Zinani (2020), que apresentam a contextualização da produção literária feita por mulheres durante o período do chamado <em>Boom</em> da literatura latino-americana e a importância da autora dentro desse cenário. Para tratar das relações intertextuais entre ficção e história utilizou-se como aporte teórico as análises feitas por Kunz (2009) e Castillo Saavedra (2014) a respeito do romance e os elementos biográficos da autora presentes no documentário <em>Isabel Allende documentary biographie</em>, de 2007. Para analisar as relações entre os eventos relatados pelo discurso histórico a respeito do período ditatorial chileno e o texto ficcional de Allende, ancorou-se em autores como Huneeus (2000), Vial Correa (2009) e Zanatta (2017).</p> <p><strong>Palavras-chave</strong>: Literatura e História. Autoria feminina. América Latina. Isabel Allende.</p> 2021-12-21T21:22:30+00:00 Copyright (c) 2021 Revista (Entre Parênteses) http://publicacoes.unifal-mg.edu.br/revistas/index.php/entreparenteses/article/view/1512 ESPAÇOS ESTRANHOS E IDENTIDADES EM CONSTRUÇÃO: UMA LEITURA DO CONTO “A CASA DE AÇÚCAR”, DE SILVINA OCAMPO 2021-12-22T00:15:22+00:00 Rafaela Fernanda Leandro rafaelafernanda0@gmail.com Wilson Alves-Bezerra wilson.alves.bezerra@gmail.com <p>Este artigo analisa a representação do espaço no conto “A Casa de açúcar” (1959), em função da relação do estranho freudiano (1919) e do olhar doméstico que atravessam a narrativa. O efeito de estranheza e familiaridade promovido pelo ambiente do lar corresponde ao inquietante, que vem a ser uma experiência que evoca um sentido ambivalente, que desperta ao mesmo tempo um horror oculto, e que remonta a algo bastante familiar. Nesse sentido, o olhar doméstico de Silvina Ocampo para a tradição da casa mal-assombrada agrega uma nova maneira de se imaginar a casa na tradição literária sul-americana. Ao passo que se desdobram as transformações insólitas na casa e na protagonista do conto, admite-se a possibilidade de que exista uma interação profunda entre a casa e seus habitantes (sendo a metamorfose entre as personagens uma forma de problematização do gênero feminino). O efeito da dúvida é sustentado ao longo do conto, pela focalização de um narrador questionável que conta uma história da qual se pode desconfiar; o leitor não tem condições de afirmar se o que aconteceu foi um delírio do narrador, ou se a casa e as personagens teriam sido enfeitiçadas.</p> 2021-12-21T21:25:20+00:00 Copyright (c) 2021 Revista (Entre Parênteses) http://publicacoes.unifal-mg.edu.br/revistas/index.php/entreparenteses/article/view/1513 LIQUEFAZER A PRÓPRIA VOZ PARA ENLAÇÁ-LA A OUTRAS: VIRGINIA AYLLÓN E ALGUMAS NOTAS SOBRE LIBERALIA 2021-12-22T00:15:23+00:00 Flavia Krauss flaviakrauss@unemat.br <p>Neste trabalho, partindo da noção de função-autor proposta por Foucault (2009), tecemos algumas notas que se sustentam na hipótese de que a escritura de Virginia Ayllón, narradora e poeta boliviana, representaria um deslocamento deste conceito, já que se trama a partir de uma memória discursiva (PÊCHEUX, 1999) que tensiona com a forma-sujeito da sociedade burguesa (HENRY, 1992) e se mostra mais próxima de formações discursivas (PÊCHEUX, 2000) que valorizam a oralidade, os saberes femininos (LACAN, 2008) e a coletividade. Assim sendo, nosso objetivo nesta reflexão se relaciona a um (re)conhecimento deste embate ideológico-discursivo presente em toda América Latina – mas ainda não suficientemente visibilizado – na materialidade textual (seja ela escrita ou falada) do saber-fazer de Virginia Ayllón. Para a escrita deste artigo, partimos dos pressupostos teóricos da Análise do Discurso materialista, entendida como uma disciplina de entremeio. Dentre os resultados obtidos, ainda parciais e não conclusivos, encontramos uma possível autoria que denominaremos feminina, analisada em Ayllón (e por ela percebida em Adela Zamudio) que, ao partir de uma noção menos jurídica de sujeito, entendido como um bloco monolítico e responsável por sua obra, impulsionaria uma constelação autoral e, assim, a construção de laços sociais via escritura.</p> 2021-12-21T21:28:37+00:00 Copyright (c) 2021 Revista (Entre Parênteses) http://publicacoes.unifal-mg.edu.br/revistas/index.php/entreparenteses/article/view/1514 A DENÚNCIA DO FEMINICÍDIO POR SELVA ALMADA E FLORITA ALMADA 2021-12-22T00:15:24+00:00 MARIA CELESTE SOARES RIBEIRO celderman@uol.com.br <p><em>Chicas muertas</em>, a não ficção de Selva Almada, e 2666, a ficção de Roberto Bolaño, trazem histórias de feminicídios impunes. Além disso, os livros têm em comum a presença de videntes auxiliando a denúncia dos crimes e duas “Almadas” relatando os acontecimentos: Selva Almada na Argentina e Florita Almada, no México. O presente artigo tem por finalidade analisar o modo de denunciar os feminicídios na ficção e no relato de não ficção mencionados, bem como ponderar sobre o efeito de sentido em cada um deles. Alternando lembranças próprias com excertos de laudos de necropsia e processos judiciais, entre outros dados, a autora argentina apresenta informações que permitem ao leitor conhecer o que se passou e perceber os crimes como feminicídios. Por meio da vidência e do sentimento de sororidade de Florita, Bolaño denuncia os assassinatos a um leitor que pode ou não os relacionar com a realidade, a depender do seu próprio conhecimento. Ainda assim, ambos podem ser considerados como uma forma de denúncia e de alerta para a persistência da violência contra mulheres na atualidade.</p> <p><strong>Palavras-chave</strong>: Feminicídio; modos de narrar; literatura; Selva Almada; Bolaño.</p> 2021-12-21T21:34:37+00:00 Copyright (c) 2021 Revista (Entre Parênteses) http://publicacoes.unifal-mg.edu.br/revistas/index.php/entreparenteses/article/view/1515 DO SAGRADO AO PROFANO: MISTICISMO E EROTISMO EM APARICIONES, DE MARGO GLANTZ 2021-12-22T00:15:25+00:00 Luan Cardoso Ramos luan.c.r@hotmail.com Maria de Fátima Alves de Oliveira Marcari fatimarcari@hotmail.com <p><strong>Resumo:</strong> A partir das confluências entre as três histórias narradas na obra <em>Apariciones</em> (1996), da escritora mexicana Margo Glantz, analisamos o tema do erotismo presente nos relatos, que narram os castigos e mortificações de duas monjas que se flagelam para alcançar a ascese mística e, por outro lado, vemos a história de um casal de amantes. Ademais, tecemos considerações sobre o relato metaficcional presente na obra, que apresenta uma narradora-escritora que se desdobra para narrar duas histórias, caracterizando-se como uma <em>voyeur </em>dos rituais eróticos das personagens. Em nossa análise, investigamos como o erotismo sagrado se aproxima do profano, por meio da recriação paródica dos exercícios espirituais de duas monjas e, por outro lado, como o erotismo profano, que caracteriza os encontros amorosos&nbsp; do casal, se aproxima do erotismo sagrado. &nbsp;Para tanto, apoiamo-nos nas discussões teóricas de Bataille (1987), Benítez (1985), Franco (1986), Pommier (1987) e Paz (1994).</p> <p>&nbsp;</p> 2021-12-21T21:41:06+00:00 Copyright (c) 2021 Revista (Entre Parênteses) http://publicacoes.unifal-mg.edu.br/revistas/index.php/entreparenteses/article/view/1518 O CANTO AMOROSO DE MONTSERRAT ROIG SOBRE O PASSADO 2021-12-22T00:15:26+00:00 Daniel Carlos Santos da Silva dan.silva58@hotmail.com <p>A composição da memória é elemento essencial em <em>El canto de la juventud </em>(1990), de Montserrat Roig. Neste artigo, busco analisar de que maneira se desenvolve a narração do passado na escritura desta escritora catalã. Para tanto, enfocarei três dos oito contos que conformam a obra e que têm a temática amorosa como fio condutor: <em>“Mar”</em>, <em>“La división”</em> e <em>“La manzana elegida”.</em> A análise se divide em três partes, orientadas pela leitura de um dos contos, e considera o olhar da mulher sobre seu passado como condição fundamental na narrativa.</p> <p>&nbsp;</p> 2021-12-21T21:48:03+00:00 Copyright (c) 2021 Revista (Entre Parênteses) http://publicacoes.unifal-mg.edu.br/revistas/index.php/entreparenteses/article/view/1535 MEMÓRIAS DA DITADURA CHILENA EM LA DIMENSIÓN DESCONOCIDA, de NONA FERNÁNDEZ 2021-12-22T00:15:27+00:00 Thays Keylla de Albuquerque tk.albuquerque@gmail.com <p>Este ensaio analisa o romance <em>La Dimensión Desconocida </em>(2018), de Nona Fernández, a partir da discussão sobre as memórias da ditadura cívico-militar chilena no que concerne aos meios de memória (JELIN, 2002; ASSMAN, 2011) e às memórias transgeracionais (HIRSCH, 2015; SOLOMONE, 2017). Examina-se como, por um lado, a obra revela várias perspectivas narrativas e tece reflexões sobre a memória entre as gerações e, por outro, vale-se do testemunho de um torturador arrependido em suas diversas manifestações por meio das mídias da recordação. Com a pesquisa, observo como a narradora-protagonista, que também é escritora, está em um permanente exercício sobre o que fazer com as recordações, as próprias e as alheias, conjungando a sua experiência pessoal com um&nbsp; oceano de informações documentais e produtos artísticos da memória coletiva. É dessa junção que a narradora de <em>La Dimensión Desconocida</em> escreve seu livro, o que consideramos um reflexo autoficcional do próprio trabalho de Nona Fernández. De modo que seja no interior da trama literária, seja em uma perspectiva da trajetória artística de Fernández, pode-se ver a ampla rede de trabalhos de memória em que a arte vai desempenhar um papel único no dever ético de recordação.</p> 2021-12-21T21:53:20+00:00 Copyright (c) 2021 Revista (Entre Parênteses) http://publicacoes.unifal-mg.edu.br/revistas/index.php/entreparenteses/article/view/1538 OS GESTOS AFILIATIVOS COMO ELEMENTOS DE ABORDAGEM DO PASSADO RECENTE DA ESPANHA EM DUAS OBRAS DE ALMUDENA GRANDES 2021-12-22T00:15:28+00:00 Flavio Pereira poliglotta@gmail.com <p>Almudena Grandes é uma experiente ficcionista espanhola. Sua obra teve uma primeira etapa marcada pela exploração da condição feminina na sociedade espanhola pós-franquista. A partir de <em>El corazón helado</em> (2007), a autora abandona o núcleo temático anterior e passa a desenvolver um projeto literário relacionado com a recuperação da memória do passado recente da Espanha, entendido como os últimos oitenta anos da história do país. Esta obra seria a primeira do ciclo <em>Episodios de una guerra interminable</em>, mas sua extensão ultrapassou em muito o previsto e foi publicada como uma obra independente. Em 2010, aparece <em>Inés y la alegría</em>, a primeira obra do ciclo de inspiração galdosiana, que pretende abordar episódios mal conhecidos ou totalmente desconhecidos relacionados ao passado espanhol no eixo II República-guerra civil-ditadura franquista. Neste trabalho, abordamos, sobretudo, a segunda obra do ciclo – <em>El lector de Julio Verne</em>, de 2012, para verificar como se dá a presença dos gestos afiliativos, uma estratégia de construção ficcional já presente em <em>El corazón helado. </em>Observa-se que na obra mais recente não há o sentimentalismo que caracteriza a intriga de <em>El corazón helado</em> e se ressalta o papel da literatura para a reconstrução da identidade do protagonista e o questionamento de seus vínculos sociais.</p> 2021-12-21T22:06:43+00:00 Copyright (c) 2021 Revista (Entre Parênteses) http://publicacoes.unifal-mg.edu.br/revistas/index.php/entreparenteses/article/view/1532 REVISTA PUÑADO: DECOLONIZANDO A PUBLICAÇÃO DE/ENTRE ESCRITORAS LATINO-AMERICANAS NO BRASIL 2021-12-22T00:15:29+00:00 Leticia Pilger da Silva leticiaspilger@gmail.com <p>O objetivo deste artigo é analisar, a partir do pensamento decolonial, a construção e a política da revista literária brasileira <em>Puñado</em>, da editora independente <em>Incompleta</em>, que publica traduções ou originais de contos, trechos de romances, ensaios e poemas de escritoras contemporâneas de países latino-americanos e caribenhos. Para perscrutar a construção de pontes entre escritoras latino-americanas contemporâneas, dentro e fora do Brasil, serão analisados o <em>corpus</em> da revista e as entrevistas feitas por colaboradoras brasileiras (pesquisadoras, escritoras e tradutoras) sobre ser uma escritora na América Latina e suas poéticas. Com isso, a revista será tida como uma prática tradutória decolonial e desoutrizadora que potencializa o diálogo entre mulheres latinas de diversos contextos culturais.</p> 2021-12-21T22:09:09+00:00 Copyright (c) 2021 Revista (Entre Parênteses) http://publicacoes.unifal-mg.edu.br/revistas/index.php/entreparenteses/article/view/1311 DO “ALL IS TRUE” À DESCRIÇÃO DAS ILUSÕES: OS REALISMOS DE BALZAC E FLAUBERT 2021-12-22T00:15:29+00:00 Hêmille Raquel Santos Perdigão hrsperdigao@yahoo.com.br <p>Partindo da comum associação de Balzac e Flaubert à série literária do Realismo, o presente trabalho propõe uma análise comparativa dos romances <em>O Pai Goriot </em>e <em>Madame Bovary</em>. Primeiramente, há uma discussão acerca das concepções de realismo e realidade segundo Flaubert e Balzac. Em seguida, é feita uma leitura de excertos dos romances em busca de cenas semelhantes. O resultado é a identificação de que em ambos há cenas de baile. A comparação de tais cenas possibilita a constatação de uma característica comum entre as obras, a saber, a predominância das relações de contiguidade estabelecidas a partir do vestuário dos personagens. Isso leva à discussão da presença de metonímias e sinédoques nos romances, tendo como base o texto <em>Linguística e Comunicação, </em>de Roman Jakobson (2003)<em>. </em>A conclusão é que os conceitos de realidade em Balzac e Flaubert são distintos, o que transparece no estilo das narrativas. Todavia, a classificação em comum como realistas se justifica, uma vez que os dois textos são permeados por metonímias e sinédoques que estabelecem semelhantes relações de contiguidade.</p> 2021-12-21T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 Revista (Entre Parênteses) http://publicacoes.unifal-mg.edu.br/revistas/index.php/entreparenteses/article/view/1162 PARA UMA HISTÓRIA SOCIAL LINGUÍSTICA DO BRASIL: ELEMENTOS PARA O ENTENDIMENTO DA DIFUSÃO SOCIAL DA ESCRITA NO PERÍODO COLONIAL 2021-12-22T00:15:30+00:00 André Moreno amoreno@uneb.br <p>Este ensaio tem como objetivo discutir a relevância das investigações sobre a difusão social da escrita para as pesquisas que se enveredam pela reconstituição de uma história social linguística do Brasil. Para isso, buscaremos, nas principais propostas sobre o tema, elementos que possam demonstrar como o entendimento verticalizado do processo de penetração e difusão social da escrita pode contribuir diretamente para uma reflexão sobre o entendimento da formação da realidade linguístico-social do Brasil contemporâneo.&nbsp;&nbsp;</p> 2021-12-21T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 Revista (Entre Parênteses)